Êxodo 16:13-31

(recomendamos que leia esse trecho em sua Bíblia antes de prosseguir)
 
“Nossos pais comeram o maná no deserto…”. A multidão lembrou ao Senhor Jesus. Mas Ele lhes responde que Ele mesmo é o “verdadeiro pão… aquele que desce do céu” (João 6:31-33). Cristo é o alimento do crente; Ele dá a vida eterna e a alimenta. Neste contexto, o nosso capítulo nos fornece diversas instruções práticas de grande importância: 
1. A quantidade de maná coletada dependia de seu apetite (versículo 18). Nós desfrutamos de Cristo na medida em que o desejamos. E nunca iremos desejá-Lo em excesso! (Salmo 81:10). 
2. O maná satisfaz as necessidades do dia, não as do dia seguinte. Cristo deve ser meu sustento, minha força para as necessidades do dia. Se, por exemplo, hoje tenho necessidade especial de paciência, vou encontrá-la meditando na perfeita paciência de Jesus. 
3. Finalmente, os filhos de Israel tinham que recolher sua porção de maná cada manhã antes de se derreter no calor do dia. 
Que possamos nos alimentar com a Palavra do Senhor de manhã cedo, antes que as ocupações do dia possam comecem e tirem a oportunidade de fazê-lo. Não passamos um dia sem alimentar nosso corpo. Então, nunca privemos nossa alma da única comida que pode torná-la viva e próspera: Jesus, o Pão da vida. O deserto não produziu uma folha de erva nem deu uma gota de água para o Israel de Deus. A sua porção estava só em Deus. “Assim como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo pelo Pai, assim quem de mim se alimenta também viverá por mim” (João 6:57).  
Texto baseado em diversos autores que se reuniam apenas ao Nome do Senhor no século XIX e XX.
O Maná 
Contudo, como Israel estava debaixo da graça, as suas necessidades são supridas de uma maneira maravilhosa, como lemos no versículo 4, deste capítulo: “Então, disse o SENHOR, a Moisés: Eis que vos farei chover pão dos céus”. Quando se achavam envolvidos pela nuvem fria da incredulidade, eles haviam dito: “Quem dera que nós morrêssemos por mão do SENHOR, na terra do Egito, quando estávamos sentados junto às panelas de carne, quando comíamos pão até fartar!” Porém, agora Deus diz que lhes dará “pão dos céus”. Abençoado contraste! Que diferença espantosa entre as panelas de carne, os alhos porros e as cebolas do Egito e este maná celestial- “o pão dos poderosos”! (Salmo 78:25 – Darby). Aquelas coisas pertenciam a terra, este pão era do céu. Mas este alimento celestial era necessariamente, uma experiência da condição de Israel, como está escrito, “…para que eu veja se anda em minha lei ou não”. Era preciso ter um coração separado das influências do Egito para se dar por satisfeito, ou apreciar “o pão dos céus”. Com efeito, sabemos que o povo não se contentou com este pão, antes o desprezou, declarou-o “pão vil” e desejou carne. 
Desta forma os israelitas mostraram quão pouco separados estavam os seus corações do Egito e como não estavam dispostos a andar na lei de Deus: “…em Seu coração se tornaram ao Egito” (Atos 7:39). 
Porém, longe de serem reconduzidos para ali, foram transportados, por fim, para além de Babilônia (Atos 7:43). Eis uma lição solene e salutar para os cristãos. Se aqueles que foram libertados deste presente século mau não andam com Deus com corações agradecidos, satisfeitos com a provisão que Ele fez para os remidos no deserto, estão em perigo de cair nos laços da influência de Babilônia. É uma reflexão muito séria, que requer gosto celestial para se poder alimentar do Pão do céu. A natureza não pode saborear um tal alimento; suspira sempre pelo Egito, e, portanto, deve ser sempre dominada. É nosso privilégio, como aqueles que foram batizados na morte de Cristo e ressuscitados “pela fé no poder de Deus” (Colossenses 2:12), alimentarmo-nos de Cristo como “o pão da vida que desceu do céu” (João 6:51). 
Cristo: O Pão Vivo que Desceu do Céu 
Este é o nosso alimento nesta peregrinação – Cristo apresentado pelo ministério do Espírito Santo através das Escrituras; enquanto que, para nosso refrigério espiritual, o Espírito Santo veio, como o fruto precioso da Rocha ferida – Cristo, que foi ferido por nós. Essa é a nossa parte neste mundo. 
Ora, é evidente que, a fim de podermos desfrutar uma parte como esta, os nossos corações devem estar separados de tudo neste presente século mau – de tudo aquilo que poderia despertar a nossa cobiça como aqueles que vivem na carne. Um coração mundano e carnal não encontra Cristo nas Escrituras nem poderá apreciá-Lo, se O encontrar. O maná era tão puro e mimoso que não podia suportar contato com a terra. Por isso, descia sobre o orvalho (veja Números 11:9) e tinha de ser recolhido antes do sol se elevar. Cada um, portanto, devia levantar-se cedo e recolher a sua parte. O mesmo acontece com o povo de Deus agora: o maná celestial deve ser colhido todas as manhãs. O maná de ontem não serve para hoje nem o de hoje para amanhã. Devemos nos alimentar de Cristo cada dia que passa, com novas energias do Espírito, de contrário deixaremos de crescer. Ademais, devemos fazer de Cristo o nosso primeiro objetivo. Devemos buscá-lo “cedo”, antes de “outras coisas” terem tempo de se ponderar dos nossos pobres corações. E nisto que muitos de nós, enfim, falhamos! Damos a Cristo o segundo lugar, e como consequência ficamos fracos e estéreis. O inimigo, sempre vigilante, aproveita-se da nossa indolência espiritual para nos roubar a bem-aventurança e as forças que recebemos nutrindo-nos de Cristo. A nova vida no crente só pode ser alimentada e mantida por Cristo. “Assim como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo pelo Pai, assim quem de mim se alimenta também viverá por mim” (João 6:57). 
A graça do Senhor Jesus Cristo, como Aquele que desceu do céu, para ser o alimento do Seu povo, é inefavelmente preciosa para a alma renovada; porém, a fim de poder apreciá- Lo desta forma, devemos compreender que estamos no deserto, separados para Deus, no poder de uma redenção efetuada. Se ando com Deus através do deserto, estarei satisfeito com o alimento que Ele me dá, e este é Cristo, como Aquele que desceu do céu. “O trigo da terra” de Canaã, “do ano antecedente” (Josué 5:11) tem o seu antítipo em Cristo elevado às alturas e assentado na glória. Como tal, Ele é o próprio alimento daqueles que, pela fé, sabem que estão ressuscitados e assentados juntamente com Ele nos lugares celestiais. Porém, o maná, isto é, Cristo como Aquele que desce do céu, é o sustento para o povo de Deus, na sua vida e experiências do deserto. Como um povo estrangeiro no mundo, necessitamos de um Cristo que também aqui viveu como estrangeiro; como povo assentado nos lugares celestiais, temos um Cristo que também ali está assentado. Isto poderá explicar a diferença que existe entre o maná e o trigo da terra do ano antecedente. Não se trata da redenção, pois esta já a temos no sangue da cruz, e ali somente; mas simplesmente da provisão que Deus fez para o Seu povo em face das variadas condições em que este se encontra, quer seja lutando no deserto ou tomando posse em espírito da herança celestial. 
A Glória do Senhor na Nuvem 
Que quadro admirável nos oferece Israel no deserto! Detrás de si ficava o Egito, na sua frente estava a terra de Canaã, e à sua volta a areia do deserto; enquanto que eles mesmos estavam reduzidos a esperar do céu o seu sustento diário! O deserto não produziu uma folha de erva nem deu uma gota de água para o Israel de Deus. A sua porção estava só em Deus. Nada têm aqui. A sua vida, sendo celestial, só pode ser mantida por coisas celestiais. Embora estejam no mundo, não são do mundo, porque Cristo os escolheu dele. Como povo celestial por nascimento, acham-se de caminho para a sua pátria; e são mantidos por alimento que lhes é enviado dali. A sua marcha é para diante e para cima. A glória só assim os dirige. É inteiramente inútil volver os olhos para trás na direção do Egito, porque nem um só raio de glória se pode distinguir ali; “…e eles viraram para o deserto, eis que a glória do SENHOR apareceu na nuvem”. A coluna de fogo do Senhor estava no deserto, e todos os que desejam ter comunhão com Ele tinham de estar ali também, e, estando ali, o maná do céu seria o seu alimento, e somente esse. 
Cristo: O Alimento do Cristão 
Verdade seja que este maná era um sustento estranho, tal como um egípcio nunca poderia compreender, apreciar ou viver dele; porém aqueles que haviam sido “batizados… na nuvem e no mar” (1 Coríntios 10:2) podiam apreciá-lo e ser nutridos por ele, se tão-somente andassem em conformidade com esse batismo. Assim é agora no caso de todo o verdadeiro crente. O homem do mundo não pode compreender como é que o crente vive. Tanto a sua vida como aquilo que o mantém estão inteiramente fora do alcance da visão humana. Cristo é a sua vida, e de Cristo ele vive. Nutre-se, pela fé, com os atrativos poderosos d’Aquele que, sendo “Deus, bendito eternamente” (Romanos 9:15), “tomou sobre si a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens” (Filipenses 2:7). Segue-O desde o seio do Pai até à cruz e desde a cruz ao trono, e encontra n’Ele, em todas as fases da Sua carreira e em cada atitude da Sua vida, um alimento precioso para o homem novo em si. Tudo em volta, embora de fato seja o Egito, é moralmente um deserto árido e lúgubre, que nada produz para o espírito renovado; e precisamente na proporção em que o crente encontrar alguma coisa com que se nutrir, o seu homem espiritual será impedido no seu progresso. A única provisão que Deus tem feito é o maná do céu, e o verdadeiro crente deverá alimentar-se sempre dele. 
É verdadeiramente lamentável ver como tantos cristãos buscam as coisas deste mundo. Isto prova claramente que estão com “tédio” do maná celestial e que o consideram como “pão vil”. Servem aquilo que deveriam mortificar. As atividades da nova vida estarão sempre em relação com a subjugação “do velho homem com seus feitos” (Colossenses 3:9); e quanto mais isto for conseguido, tanto mais se desejará nutrir “do pão que fortalece o… coração” (Salmo 104:15). Assim como acontece com o físico, em que quanto maior é o exercício maior é o apetite, assim também acontece com a graça: quanto mais exercitadas forem as nossas faculdades renovadas, tanto mais sentiremos a necessidade de nos alimentarmos diariamente de Cristo. Uma coisa é sabermos que temos vida em Cristo juntamente com pleno perdão e aceitação diante de Deus, e outra muito diferente termos habitualmente comunhão com Ele – nutrindo-nos d’Ele, pela fé e fazendo d’Ele o único alimento das nossas almas. Muitos professam ter achado perdão e paz em Jesus, mas, na realidade, alimentam-se de uma variedade de coisas que não têm relação com Ele. Alimentam os seus espíritos com a leitura dos periódicos e uma variedade de literatura frívola e insípida (em nossos tempos, se dedicam ao noticiário da TV, Internet, discussões em mídias sociais, teorias da conspiração…). 
É possível encontrar Cristo nestes locais? 
Acaso é por tais meios que o Espírito Santo fala de Cristo à nossa alma? 
São estas as gotas de orvalho puro sobre as quais o maná desce do céu para sustento dos remidos de Deus no Deserto? 
Ah! não; são produtos grosseiros sobre os quais se deleita o espírito carnal. Como poderia, pois, o verdadeiro cristão alimentar-se com tais coisas? Sabemos, mediante o ensino da Palavra de Deus, que ele tem duas naturezas: e pode perguntar-se qual das duas se alimenta com o noticiário do mundo e a literatura mundana. É a velha natureza ou a nova? Só pode haver uma resposta. Pois bem, qual das duas estamos ansiosos por alimentar. A nossa conduta dará, incontestavelmente, a verdadeira resposta a esta interrogação. Se eu desejar sinceramente crescer na vida divina, se o meu grande objetivo for o de ser semelhante e consagrado a Cristo, se suspiro sinceramente pela extensão do reino de Deus no meu coração, então, sem dúvida, buscarei continuamente essa qualidade de alimento que está destinado por Deus a promover o meu crescimento espiritual. Tudo isto é claro. Os atos de um homem são sempre o verdadeiro indício dos seus desejos e propósitos. Por isso, se vejo um crente deixar de lado a sua Bíblia, e, contudo, dispor de tempo – sim, parte do seu melhor tempo – para ler o jornal, não me será difícil ver qual é o verdadeiro estado da sua alma. Estou certo que não pode ser um crente espiritual: não se alimenta de Cristo, não vive para Cristo nem dá testemunho d’Ele. 
Se um israelita deixasse de apanhar, durante a frescura da manhã, a sua porção do alimento que a graça de Deus havia preparado, em breve sentiria a falta de forças para a sua jornada. Assim é conosco. Devemos fazer de Cristo o objeto supremo na ocupação das nossas almas, de outro modo a nossa vida espiritual declinará inevitavelmente. Nem tampouco podemos alimentar as nossas almas com os sentimentos e as experiências relacionadas com Cristo porque, sendo incertos, não podem representar o nosso alimento espiritual. 
Vivemos ontem de Cristo, que possamos viver hoje de Cristo e de Cristo para sempre. Além disso de nada vale alimentarmo-nos em parte de Cristo e em parte de outras coisas. Assim como no caso da vida é somente Cristo, da mesma forma o viver deve ser Cristo somente. Assim como não podemos misturar nada com aquilo que transmite a vida, tampouco podemos misturar alguma coisa com aquilo que a mantém. 
 
Notas sobre o Pentateuco – Mackintosh 
Compartilhe...