Diário do Cristão para a Terça-Feira

Pagando Impostos

“Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo sempre a isto mesmo” (Romanos 13:6).

Muitas vezes me pego reclamando do pagamento de impostos. Talvez você também reclame, ou já tenha ouvido seus pais reclamarem sobre isso, e se irrite com o que é descontado como tributo ao governo quando recebe seu pagamento. Mas lembre-se, eles “são ministros de Deus”.

Quanto a mim, fico feliz por viver em um país onde existe uma boa estabilidade, e apesar de eu não gostar de muitas das políticas daqueles que estão no poder, e de eu pensar que eles tiram dinheiro demais nos impostos, ainda assim sou lembrado pelas próprias palavras do Senhor: “Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” (Marcos 12:17). Devemos pagar tudo o que é devido na forma de taxas, impostos, assim como o imposto de renda. O que as autoridades vão fazer com nosso dinheiro quando o obtiverem é assunto deles, não nosso. Na misericórdia de Deus, somos aliviados dessa pesada responsabilidade.

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Terça-Feira

“Porque não aflige nem entristece de bom grado aos filhos dos homens.” [1]

Para cada provação e tribulação que atinge Seus filhos, Deus tem um propósito. “Ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações” [2], e “melhor é que padeçais fazendo bem (se a vontade de Deus assim o quer), do que fazendo mal” [3]. O salmista testificou: “Antes de ser afligido andava errado; mas agora tenho guardado a tua palavra” [4], e “Foi-me bom ter sido afligido, para que aprendesse os teus estatutos” [5]. Ele disse também: “Bem sei eu, ó Senhor, que os teus juízos são justos, e que segundo a tua fidelidade me afligiste” [6]. Deus trabalha através das tribulações e lágrimas para trazer os que são Seus para uma comunhão mais próxima Consigo mesmo. “Castigaste-me e fui castigado, como novilho ainda não domado; converte-me, e converter-me-ei, porque tu és o Senhor meu Deus. Na verdade que, depois que me converti, tive arrependimento.” [7] “Além do que, tivemos nossos pais segundo a carne, para nos corrigirem, e nós os reverenciamos; não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos, para vivermos? Porque aqueles, na verdade, por um pouco de tempo, nos corrigiam como bem lhes parecia; mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade.” [8] “Porque eu, o Senhor teu Deus, te tomo pela tua mão direita; e te digo: Não temas, eu te ajudo.” [9]

Uma longa estrada e uma dura prova
Pode ser a tua sorte aqui na Terra
Mas teu amoroso Senhor está perto de ti
Para te ajudar a Sua graça conhecer.

[1] Lamentações 3:33; [2] 1 Pedro 1:6; [3] 1 Pedro 3:17; [4] Salmo 119:67; [5] Salmo 119:71; [6] Salmo 119:75; [7] Jeremias 31:18-19; [8] Hebreus 12:9-10; [9] Isaías 41:13

Diário do Cristão para a Segunda-Feira

Caro Cristão:

Sobre a minha escrivaninha em meu escritório está uma pintura grande do artista Daniel Maclise, retratando o duque de Wellington e o comandante Gebhard Leberecht von Blucher apertando as mãos após a Batalha de Waterloo. Toda a cena panorâmica do campo de batalha atrás deles é de tristeza, sofrimento, morte e carnificina. Isso me lembra o que disse Davi no Salmo 23:4: “Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam”. Sim, todos os dias passamos pelo “Vale da Sombra da Morte”. É este mundo com sua marca de morte sobre ele. Vemos isso em todo lugar, talvez não de forma gráfica como muitos têm visto nos campos de batalha, mas, mesmo assim, estamos bem cientes do fato, não importa onde estejamos.

Que bom que podemos andar através deste “vale” na companhia do Senhor, e sem temor. Prossigamos nesta semana com um verdadeiro senso de Sua consolação e cuidado.

Seu Amigo Cristão,

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Segunda-Feira

“Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo” [1]

“A mulher, quando está para dar à luz, sente tristeza, porque é chegada a sua hora; mas, depois de ter dado à luz a criança, já não se lembra da aflição, pelo prazer de haver nascido um homem no mundo. Assim também vós agora, na verdade, tendes tristeza; mas outra vez vos verei, e o vosso coração se alegrará, e a vossa alegria ninguém vo-la tirará”. [2] Portanto, “ninguém se comova por estas tribulações; porque vós mesmos sabeis que para isto fomos ordenados” [3]. Então, “amados, não estranheis a ardente prova que vem sobre vós para vos tentar, como se coisa estranha vos acontecesse; mas alegrai-vos no fato de serdes participantes das aflições de Cristo, para que também na revelação da sua glória vos regozijeis e alegreis” [4]. Naquela glória vindoura, “em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações, para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória, na revelação de Jesus Cristo” [5], quando “não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor” [6].

Testado e experimentado com pressões,
Até que parece não ser possível suportar,
O propósito de Deus não é machucar,
Mas tornar-te limpo e puro.

[1] João 16:33; [2] João 16:21-22; [3] 1 Tessalonicenses 3:3; [4] 1 Pedro 4:12‑13; [5] 1 Pedro 1:6‑7; [6] Apocalipse 21:4

Diário do Cristão para o Domingo

Amor

“Ninguém tem maior amor do que este” (João 15:13).

Fora dos muros de Jerusalém, no monte do Calvário, ocorreu a maior demonstração de amor que o mundo jamais conheceu e jamais conhecerá. Ali, o Senhor Jesus, em amor, “deu a sua vida por nós” (1 João 3:16). Este é um amor que não pode ser calculado ou medido. É um amor além da compreensão humana. É um amor maravilhoso, doce, precioso e divino. “Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós” (Romanos 5:8). “Como havia amado os seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim” (João 13:1).

Queridos cristãos, minha oração para vocês hoje é esta:

“Para que Cristo habite pela fé nos vossos corações; a fim de, estando arraigados e fundados em amor, poderdes perfeitamente compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus” (Efésios 3:17-19).

Este é o maior e mais maravilhoso amor. Pense muito nisso hoje, e isso produzirá louvor e ações de graça em nossos corações e em nossos lábios.

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para o Domingo

“Mas sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e prantearão sobre ele.” [1]

Naquele dia vindouro, quando a nação de Israel se arrependerá e se converterá na volta de nosso Senhor à Terra, quando “de Sião virá o Libertador” [2], o Espírito Santo será para eles “o Espírito de graça e de súplicas” [1]. Ele já é isso hoje para todos nós que conhecemos o Senhor Jesus, pois Ele habita em cada crente, e “se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele” [3]. Ele é “o Espírito de graça” [1], conferindo-nos “a graça de nosso Senhor Jesus Cristo” [4], e permitindo-nos “fortificar-nos na graça que há em Cristo Jesus” [5], e “fortalecer-nos no Senhor e na força do seu poder” [6]. Assim, somos “fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior; e, assim, habite Cristo no vosso coração, pela fé” [7]. E Ele, o bendito Espírito Santo, é também “o Espírito… de súplicas” [1], fazendo com que, ao nos rendermos ao Senhor, estejamos “orando no Espírito Santo” [8], e estejamos “orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos” [9]. E enquanto “andarmos em Espírito” [10], Ele nos fará olhar para Aquele que foi traspassado com corações contritos pelo Seu amor e graça.

O Espírito que habita em mim
É o Espírito da graça de Deus,
Levando-me em súplicas,
Por todos os que nesta fé entram.

[1] Zacarias 12:10; [2] Romanos 11:26; [3] Romanos 8:9; [4] 2 Coríntios 8:9; [5] 2 Timóteo 2:1; [6] Efésios 6:10; [7] Efésios 3:16-17 (ARA); [8] Judas 20; [9] Efésios 6:18; [10] Gálatas 5:16

Diário do Cristão para o Sábado

Mortalidade

“Aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo” (Hebreus 9:27).

Existe um velho ditado:

Todos os homens pensam que todos os homens são mortais, exceto eles mesmos!

A natureza humana é tal que tendemos a pensar que viveremos para sempre, e, enquanto vamos ao funeral dos outros, talvez pensemos pouco sobre o fato de que nossa vez pode chegar mais cedo do que pensamos ou esperamos. É por isso que a Bíblia nos encoraja e avisa a estarmos prontos para a eternidade. A parábola a seguir, contada por Jesus, mostra a importância de estarmos prontos para o que vem após a morte:

“A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância; e arrazoava ele entre si, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos. E disse: Farei isto: Derrubarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens; e direi a minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga. Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?” (Lucas 12:16-20)

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para o Sábado

“Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas” [1]

Quantas vezes, tristemente, nós cristãos resmungamos e reclamamos, ignorando impensada ou intencionalmente o fato de que o Senhor permitiu as circunstâncias sobre as quais murmuramos e reclamamos. “O Senhor é a porção da minha herança e do meu cálice; tu sustentas a minha sorte” [2], e murmurar e reclamar é dizer, de fato, que Deus cometeu um erro. Podemos tentar manter nossas murmurações em privado, como os filhos de Israel “murmuraram nas suas tendas, e não deram ouvidos à voz do Senhor” [3], ou podemos até mesmo fazê-lo em nossos corações, sem expressá-lo externamente, mas nada está oculto d’Aquele que “olha para o coração” [4], pois “de longe entendes o meu pensamento” [5]. Uma das primeiras bênçãos de Israel durante o reino milenial de nosso Senhor é “que não haja… clamores (reclamações) em nossas ruas” [6], e a Palavra de Deus para nós agora diz: “E não murmureis, como também alguns deles murmuraram, e pereceram pelo destruidor. Ora, tudo isto lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos” [7]. Portanto, “sede hospitaleiros uns para com os outros, sem murmurações” [8], e “não vos queixeis uns contra os outros, para que não sejais condenados. Eis que o juiz está à porta” [9], mas que, em vez disso, sejam dadas “ações de graças” [10].

Não preciso murmurar nem reclamar;
O Senhor determinou minha sorte;
Ele designou minha porção,
Bênçãos que eu não poderia comprar.

[1] Filipenses 2:14; [2] Salmo 16:5; [3] Salmo 106:25; [4] 1 Samuel 16:7; [5] Salmo 139:2; [6] Salmo 144:14; [7] 1 Coríntios 10:10-11; [8] Pedro 4:9; [9] Tiago 5:9; [10] Efésios 5:4

Diário do Cristão para a Sexta-Feira

Dependência Completa

É bom para nós aprendermos a agir em completa dependência do Senhor em cada aspecto da vida. O próprio Senhor Jesus disse aos Seus discípulos, “Sem mim nada podeis fazer” (João 15:5). A auto-suficiência pode ser sutil e se infiltrar em nossos pensamentos e ações sem nem mesmo percebermos.

O desejo do Senhor é que aprendamos a depender d’Ele enquanto somos jovens, e, se o fizermos, seremos guardados de muita frustração e dor de cabeça quando formos mais velhos.

Podemos nos sentir fracos e incapazes para as situações que enfrentamos, mas podemos sempre contar com o Senhor. O apóstolo Paulo disse: “Quando estou fraco então sou forte” (2 Coríntios 12:10). Ele afirmou ainda: “Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece” (Filipenses 4:13). Não é errado sentir nossa própria falta de força e capacidade se isso nos lançar em completa dependência do Senhor.

Davi muitas vezes sentiu sua fraqueza e incapacidade, mas tantas vezes nos Salmos ele expressa sua completa dependência de seu Senhor. Aqui está um exemplo: “De tarde e de manhã e ao meio-dia orarei; e clamarei, e ele ouvirá a minha voz… em ti confiarei” (Salmos 55:17, 23)

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Sexta-Feira

“Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia” [1]

Imperfeitos como somos, precisamos muito da exortação e encorajamento de outros cristãos, pois “há muitos membros, mas um corpo. E o olho não pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti; nem ainda a cabeça aos pés: Não tenho necessidade de vós” [2]. Então “exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado” [3]. “Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome”, disse o Senhor, “aí estou eu no meio deles” [4]. Pela graça de Deus, “companheiro sou de todos os que te temem e dos que guardam os teus preceitos” [5]. E precisamos da comunhão e do encorajamento uns dos outros ainda mais “quanto vemos que se vai aproximando aquele dia” [1]. Apesar de não estarmos esperando por sinais, e sim pelo alarido de união com nosso Senhor, não podemos deixar de ver as sombras das coisas que estão por vir, lembrando que “a nossa salvação está agora mais perto de nós do que quando aceitamos a fé. A noite é passada, e o dia é chegado. Rejeitemos, pois, as obras das trevas, e vistamo-nos das armas da luz” [6], assim “remindo o tempo; porquanto os dias são maus” [7]. “E já está próximo o fim de todas as coisas; portanto sede sóbrios e vigiai em oração” [8].

As trevas estão quase acabando;
Logo a Estrela da Manhã surgirá;
Iremos para os reinos de luz,
Quando nos encontrarmos com Ele nos céus.

[1] Hebreus 10:25; [2] 1 Coríntios 12:20-21; [3] Hebreus 3:13; [4] Mateus 18:20; [5] Salmo 119:63; [6] Romanos 13:11‑12; [7] Efésios 5:16; [8] 1 Pedro 4:7