Êxodo 21:7-36

(recomendamos que leia esse trecho em sua Bíblia antes de prosseguir)
 
 
Notamos que a severidade de Deus é exibida na lei. A sentença de morte é pronunciada contra pecados que hoje não são considerados dignos da sentença capital, mas devemos lembrar que o salário do pecado – de todo pecado – é a morte.
 
Se compararmos estes versículos com Mateus 5:17, entenderemos que o fiel Servo de Deus veio não somente para cumprir a lei, mas também para introduzir o que a supera. Enquanto a lei ordenava “Não matarás”, Jesus declara que, se alguém chamar a seu irmão de “louco”, ele já merece o fogo do inferno! O Senhor deseja que compreendamos a cada dia mais a extensão da grande maldade em nosso coração. E Ele queria que conhecêssemos Seu próprio coração, que foi infinitamente mais longe do que a lei dizia: “Amarás ao teu próximo e odiarás o teu inimigo” (Mateus 5:43-44, ver Romanos 5:7-8, 10, Êxodo 22:1 com Salmo 69:4).  
Onde estaríamos se a inflexível lei “olho por olho, dente por dente” fosse aplicada a nós? Deus teria que varrer da terra toda a humanidade culpada de haver crucificado Seu Filho. Mas, ao invés disso, mesmo na cruz, Jesus coloca em prática o que Ele havia ensinado: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lucas 23:34). E o versículo 32 fixa o preço de um escravo – o mesmo preço pelo qual o Filho de Deus foi precificado (Mateus 26:15).
Texto baseado em diversos autores que se reuniam apenas ao Nome do Senhor no século XIX e XX.
Compartilhe...