Cartas para jovens crentes (de todas as idades) – Humildade de espírito – W. J. Hocking

 

Se você fez um esforço honesto para cultivar a humildade cristã, tenho certeza de que você deve ter descoberto muito rapidamente o quanto essa é uma tarefa difícil diante de você. E, no entanto, essa graça é uma que certamente deve caracterizar todos em quem a vida de Jesus se manifesta em algum nível. Cabe a você, portanto, observar com muito cuidado e orar ardentemente para que seja abençoado com um espírito humilde e um comportamento dócil.

A primeira coisa necessária é aprender o que é a verdadeira humildade. E existe somente um meio para isso, você deve aprender de Cristo. É inútil pensar que você poderá compreender a verdadeira humildade, seja pela luz de seu próprio entendimento, seja pelo estudo das máximas e exemplos de homens ao seu redor. O mundo é guiado por um princípio diferente. 

Todo homem procura deixar bem claro que ele tem tudo de melhor. Seu bebida, sua comida, seus sapatos, conforme o caso, são os melhores do mundo. Ele exibe isso em suas vitrines, coleções e jornais (quando esse texto foi escrito não existia a internet, Facebook, Instagram…). Este espírito não é propício para a humildade, mas totalmente contrário.

Agora lembre-se das palavras do Senhor Jesus, como Ele disse: “Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração”. Filipenses 2 nos ensina muito sobre o incomparável caráter da humildade exibida por Ele. Nunca houve tal humildade como a Sua, pelo simples motivo de que nunca houve outra Pessoa como Ele. Ninguém se inclinou tão baixo, ninguém foi tão alto. Aquele que Deus enviou à morte de cruz. Considere, portanto, a exortação: “Tende em vós este sentimento que houve também em Cristo Jesus ” (Filipenses 2:5 – versão Brasil).

Para este fim, “estude” a vida do Senhor Jesus como encontrada nos Evangelhos. Não uma passada rápida pelos capítulos, mas leia, pesquise, ore, pondere, medite, compare. Lembro-me de uma pergunta dada a alguns pesquisadores da Bíblia sobre a mansidão e a gentileza de Cristo. E um foi atingido com a menor parte dos exemplos dados em resposta. Acredito que talvez alguns os encontre tão numerosos que será difícil fazer uma seleção. Assim como em uma noite clara você se esforça para contar as estrelas e observa um grande número que não notou antes, até que finalmente desiste de sua tarefa e a dá como impossível. É assim ao calcular as belezas de Cristo; elas são infinitas em número e caráter.

Aconselho você a pegar um “evangelho de bolso” (muito mais barato que uma Bíblia completa) e vá lentamente pelos Evangelhos várias vezes, marcando com um lápis cada passagem que ilustra de alguma forma a humildade de Cristo. Tenho certeza de que você sentirá por qual necessidade você deve orar para que o humilde espírito de Cristo que você vê resplandecer em todos os lugares em Suas palavras e obras possa ser reproduzido em você.

Outra coisa que você deve observar com atenção é que a Escritura dá grande ênfase sobre a humildade de espírito. Isso é demonstrado em Atos 20:19, Efésios 4:2, Filipenses 2:3, Colossenses 3:12, 1 Pedro 5:5, a partir dessas repetições você reunirá sua importância, e é necessário insistir repetidamente nelas.

Mas existe apenas um juiz competente de espírito humilde, e ele é Deus. Outras pessoas podem julgar suas palavras humildes, olhares humildes e modos humildes. Deus, no entanto, vê o coração. Então, como em todos os assuntos, você deve começar por ele. “Humilhai-vos diante do Senhor” (Tiago 4:10). Em sua devoção particular, permita que a luz da Palavra de Deus flua para sua alma e mostre o seu verdadeiro lugar na Sua presença. Esta é a única cura para pensamentos orgulhosos e sentimentos vaidosos consigo mesmo, e a única maneira de se tornar humilde em espírito.

Aqueles que são humildes diante de Deus serão, se for o caso, humildes diante dos homens. De qualquer modo, rogo que você se esforce para parecer humilde para os outros. Não se sinta obrigado. Não aparente o que você não é em espírito; pois isso é hipocrisia. Em verdade, a humildade de Cristo, que não pensa em si mesmo, é talvez a mais bela de todas as virtudes; Mas o artificial, que é secretamente orgulhoso de si mesmo, é detestável tanto para Deus quanto para o homem.

Uma regra sábia é que você deve evitar dizer qualquer coisa de si mesmo, seja boa, ruim ou indiferente; qualquer coisa com os sabores de vaidade; qualquer coisa ruim, fingimento; qualquer coisa indiferente, tola. Todo o esquecimento de si é a perfeição da humildade.

Não pense mais de si mesmo do que deveria. Não adote meios de auto importância, como se você tivesse medo de que as pessoas ignorem quem e o que você é. Em um milharal, as espigas cheias caem, mas as vazias ficam de pé, como se para reivindicar a atenção por sua aparência elegante. A segunda, no entanto, nunca conseguiu impressionar o agricultor com a sua importância. Esperamos que a postura elevada e o andar imponente assumido por alguns jovens não sejam indicativos do vazio de suas cabeças e da vaidade de seus espíritos como seu comportamento nos levaria a supor.

Nunca caia na armadilha de ser um sabichão ou um sabe tudo. Reflita e fique alerta para este perigo pela história de pessoas que deram a si próprias o título de “grande”. A mente humilde não tem vergonha de dizer “eu não sei”, exceto quando a pessoa sente que deveria ter sabido há muito tempo. Mas ele nunca finge saber o que ela não sabe.

Por outro lado, nem sempre fique falando que você não é nada ou ninguém. Eles suspeitarão, e provavelmente com razão, que você está tentando ganhar um elogio. Ao parecer muito insistente em se desconsiderar, você está esperando secretamente que seus resmungos provoquem seus ouvintes a dizer que você é realmente uma pessoa de valor. Isso é engano e dissimulação da sua parte, e um caminho distante da humildade.

Eu menciono esses perigos porque são armadilhas que se encontram a direita e à esquerda do estreito caminho da humildade; E faço isso com a mais sincera esperança de que você possa prestar atenção a estes conselhos e escape destas armadilhas. Minha última palavra é que a verdadeira humildade não pensa nada de si e tudo de Cristo.

“Ó Senhor, com tristeza e vergonha,

Humildemente confessamos,

Quão pequenos expressamos 

Teu nome, Teu espírito, Teus caminhos.

Nos maravilhamos em Tua humildade,

E resignados gostaríamos que Fosse

todo o nosso descanso e prazer 

Aprendendo, Senhor, de Ti”.

J. G. Deck.

Compartilhe...