Conforto das Escrituras para a Quinta-Feira

“Guarda-me como à menina do olho; esconde-me debaixo da sombra das tuas asas.” [1]

“Debaixo das Tuas asas”. Que bendita figura de refúgio e proteção. Essa certeza de Seu cuidado é para todos os que vieram a Ele para salvação, “sob cujas asas te vieste confiar” [2]. Sabemos que somos guardados e escondidos por Ele, e em tempos de angústia podemos confiantemente orar: “Tem misericórdia de mim, ó Deus, tem misericórdia de mim, porque a minha alma confia em ti; e à sombra das tuas asas me abrigo, até que passem as calamidades” [3]. “Pois tens sido um refúgio para mim, e uma torre forte contra o inimigo. Habitarei no teu tabernáculo para sempre; abrigar-me-ei no esconderijo das tuas asas” [4]. E “porque tu tens sido o meu auxílio; então, à sombra das tuas asas me regozijarei” [5]. “Pois fartou a alma sedenta, e encheu de bens a alma faminta” [6]. “Quão preciosa é, ó Deus, a tua benignidade, pelo que os filhos dos homens se abrigam à sombra das tuas asas. Eles se fartarão da gordura da tua casa, e os farás beber da corrente das tuas delícias.” [7] “Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará… Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas te confiarás; a sua verdade será o teu escudo e broquel.” [8, 9]

“Debaixo das suas asas te confiarás”;
Proteção Ele proverá;
“No esconderijo das Tuas asas”
Ficarei assim satisfeito.

[1] Salmo 17:8; [2] Rute 2:12 (KJV); [3] Salmo 57:1; [4] Salmo 61:3‑4; [5] Salmo 63:7; [6] Salmo 107:9; [7] Salmo 36:7‑8; [8] Salmo 91:1; [9] Salmo 91:4

Compartilhe...