Levítico 17:1-16

(para maior proveito, ore, leia na Bíblia os versículos indicados e medite nos comentários)

 

Este e o próximo capítulo nos dão diversas instruções de como viver uma vida santa e nos manter afastados daquilo que é impuro. Este capítulo 17 mostra que Deus deve ser reconhecido em primeiro lugar. Em Israel, como vemos neste capítulo, quem não desse a Deus este primeiro lugar de reconhecimento seria condenado a morte. Não podemos ignorar o significado espiritual disso.

Os animais imundos para Israel segundo os padrões da lei são para nós perfeitamente aptos para comer, pois são santificados pela palavra de Deus e pela oração de agradecimento por parte de quem come. Se alguém não agradece a Deus por sua comida, esse alguém não tem o direito de comer. Pois toda criatura é propriedade de Deus e, ao recebê-la, devemos reconhecer primeiro os Seus direitos. Ele nos deu a instrução de 1 Timóteo 4:4-5, “toda criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças, porque, pela palavra de Deus e pela oração, é santificada”.

 

Tanto os sacerdotes como as pessoas recebem instruções. Nós crentes somos ambas as coisas (veja 1 Pedro 2:5 para a primeira classe de pessoas e versículo 11 do nosso capítulo para a segunda. Que conexão maravilhosa existe entre os ensinos do Antigo e Novo Testamento). Poderíamos chamar o capítulo de hoje de “Adoração Pura que requer Costumes Puros”.  

Havia o perigo do povo vir a oferecer secretamente seus sacrifícios a demônios (versículo 7). E é muito fácil para nós voltarmos ao mundo e nos misturarmos com as práticas pagãs. Muitos dos costumes religiosos hoje começaram nas religiões que na realidade adoravam demônios. 

 

Deus reserva para si o direito do sangue (Levítico 7:26-27). Deste momento em diante o sangue dos sacrifícios, renovados a cada ano, encontra-se diante do Seu olhar no “santíssimo lugar” (capítulo 16). E este sangue, indispensável para manter a relação entre Ele e seu povo, fala constantemente ao coração de Deus da obra de Seu Filho amado. 

 

O sangue nunca devia ser comido. Vemos a seriedade disso nestes versículos. O sangue derramado é o sinal de morte. Como Deus é Quem dá a vida, devemos reconhecer Seus direitos abstendo-se de comer o sangue. Isso era verdade antes da lei ser dada (Gênesis 9:4), e permanece verdadeira hoje, quando os crentes não estão sob a lei, mas sob a graça (Atos 15:28-29).

Leia Hebreus 9:22. O sangue de Cristo é para Deus somente. A morte de Cristo é o fundamento da adoração a Deus. Por isso o sangue aparece neste capítulo quando somos instruídos acerca da adoração pura. 

 

Diversas passagens das Escrituras estabelecem as virtudes do sangue de Cristo. 

Ele “faz expiação pela alma” (versículo 11). “Purifica de todo pecado” (1 João 1:7). A menor falha que cometemos deve ser limpa por este sangue e não há outra forma. Por isso fomos remidos… de todas as nações (Apocalipse 5:9), resgatados… da vossa vã maneira de viver (1 Pedro 1:18-19), lavados (Apocalipse 1:5), justificados (Romanos 5:9) (Hebreus 13:12), reconciliados 

(Colossenses 1:20), trazidos para perto (Efésios 2:13); por ele, o sangue de Cristo, um caminho novo e vivo foi aberto para o “Santo dos santos” (Hebreus 10:19). Por ele também a vitória foi ganha por nós (Apocalipse 12:11). 

 

O precioso sangue de Jesus! Sua virtude e sua eficácia, é uma pedra de tropeço para aqueles que não o aceitam pela simples fé, mas para os remidos é um motivo eterno de louvor e adoração. “Àquele que nos ama, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados… a Ele, glória e poder para todo o sempre. Amém!” (Apocalipse 1:5-6).

Texto baseado em diversos autores que se reuniam apenas ao Nome do Senhor nos séculos XIX e XX.

 

Compartilhe...