Levítico 13:29-44

 

(para maior proveito, ore, leia na Bíblia os versículos indicados e medite nos comentários)

 

 

Agora vamos tratar da questão da suspeita de lepra na cabeça ou na barba. A suspeita era examinada e se a lepra fosse confirmada, a pessoa estava impura, do contrário ela era declarada limpa. A lepra na cabeça fala do intelecto sendo afetado, por engano, pela doutrina que é uma perversão da verdade. Se fosse apenas uma questão de alguém estar enganado, isso poderia ser corrigido, mas se alguém está empenhado em manter uma doutrina gravemente falsa e depois de trabalhar para tentar corrigir, o “doente” está determinado a não mudar, então ele é declarado impróprio para a comunhão com os crentes.

Em determinados pontos, certas doenças da pele, podem induzir ao erro. O doente era então encerrado por sete dias e depois examinado para comprovar se uma ferida de lepra estava presente ou não. Nunca julguemos precipitadamente! Que possamos ter o cuidado de pensar bem dos outros antes de atribuir maus motivos a eles desde o início. O amor “não suspeita mal” (1 Coríntios 13:5). Observe que o doente não deu a sua opinião. Era o sacerdote que via e, em seguida, declarava a natureza da ferida. Não importa o que o homem pensava de si mesmo. Ele não podia sentir nada, podia até mesmo acreditar que estava saudável, mas o tempo todo estava gravemente doente.  

 

Quantas pessoas não sabem que são vítimas da doença do pecado. Nunca consideraram a sua condição à luz da Palavra de Deus; nunca se apresentaram ao Sacerdote. É Ele quem estabelece a culpa do homem e o declara irremediavelmente perdido. “Afastai-vos, pois, do homem… porque em que se deve ele estimar?” (Isaías 2:22). Mas o Sacerdote que anuncia nossa condição é também Aquele que se ocupa dela em graça, como o Grande Médico que deu uma cura completa para nossas almas (Lucas 5:31). 

Texto baseado em diversos autores que se reuniam apenas ao Nome do Senhor nos séculos XIX e XX.

 

Compartilhe...