Êxodo 34:1-11

(recomendamos que leia esse trecho em sua Bíblia antes de prosseguir)
 
 
Que graça da parte do Senhor. Ele diz a Moisés que escreveria os dez mandamentos pela segunda vez.  
Ao pedir ao Senhor que mostrasse a ele a sua glória, Moisés esperava sem dúvida uma visão resplandecente, como a descrita em Êxodo 24:10. Mas Deus vai mostrar algo mais precioso: “a glória da sua graça” (Efésios 1:6). Ele se revela ao Seu servo como o Deus misericordioso, mostrando graça (versículo 6).  Misericórdia e perdão não foram mencionados na primeira vez. A graça, que está associada ao nome do Senhor, é proclamada diante de Moisés. É como se Deus estivesse dizendo: “Eu tenho um nome que me obriga a mostrar graça”. Mas observe que existem duas condições para que possamos usufruir dela: 
 
1º – “Esteja pronto pela manhã: pela manhã sobe”, ordena o Senhor a Moisés… e a cada um de nós. Que o Senhor nos dê a cada manhã, esta disposição de coração tão necessária para que possamos desfrutar da Sua graça! (Ler Salmo 63:1-3). 
 
2º – É na fenda da rocha que o homem de Deus deve permanecer: uma figura de um Cristo ferido, que agora diz aos Seus: “Permanecei em mim” (João 15:4). 
 
Que humildade da parte de Moisés! Enquanto lemos a Palavra de Deus e entendemos o quão bom Ele é, e quão falhos nós os crentes somos, que possamos ser tocados como mostra o versículo 8. Nossos pensamentos devem começar com Ele, Seu amor, Seu poder. 
 
Mas a graça de Deus não deve nos deixar esquecer Seu governo. No mesmo versículo 7 aprendemos que Ele perdoa a iniquidade (Sua graça) e, ao mesmo tempo, “de maneira alguma terá por inocente o culpado” (Seu governo). 
 
O Senhor havia declarado em Êxodo 33:3 “não subirei no meio de ti, porquanto és povo obstinado”. É exatamente por isso que Moisés clama Sua presença (versículo 9). Depois da revelação de tão grandes glórias divinas: misericordioso, perdoador, é como se Moisés contestasse: “É precisamente de um Deus como tu que o povo necessita”. 
 
Deus revelou-Se na face de Jesus Cristo; Ele nos revelou, com harmonia divina, todos os Seus atributos na obra da cruz. Foi ali que “a misericórdia e a verdade se encontraram, a justiça e a paz se beijaram” (Salmo 85:10). O pecado é completamente tirado e o pecador que crê perfeitamente justificado “PELO SANGUE DA CRUZ”. 
Quando vemos Deus assim revelado, temos apenas, à semelhança de Moisés, de inclinar a cabeça à terra e adorar – atitude que convém a um pecador perdoado e recebido na presença de Deus!
Texto baseado em diversos autores que se reuniam apenas ao Nome do Senhor no século XIX e XX.
Compartilhe...