UMA EXORTAÇÃO AOS JOVENS IRMÃOS ( como eu ) – A. J. Pollock

Como irmão mais velho, eu tentarei dirigir uma palavra de exortação aos meus jovens irmãos, especialmente aqueles de vocês, que tem seu lugar nas assembleias do povo do Senhor, reunidos ao Seu nome. Onde a direção do Senhor e a orientação do Espírito Santo são buscadas de um modo prático. Nessas assembleias a verdade do um só Corpo de Cristo felizmente tem sido realçada. Cristo ascendido em glória é a Cabeça do corpo. O povo do Senhor são os membros desse único corpo, por meio do qual a vida do Senhor deve ser perpetuada na terra. O Espírito Santo habita nos crentes, unindo-os a Cabeça nos céus, e um ao outro na terra de uma forma bendita e maravilhosa.

Quando nos reunimos para lembrar do Senhor em sua morte, ou em outras reuniões em caráter de assembleia, como as reuniões de oração, percebe-se que a maior parte das ações é frequentemente deixada a cargo dos irmãos mais velhos. É bem verdade que um irmão mais velho deve ser reconhecido, se ele tiver maturidade e experiência nas coisas do Senhor. Estes são apresentados nas Escrituras como “guias” (Hb 13:7) e são exortados a serem “exemplos para o rebanho” (1 Pe 5:3). Tais irmãos são dignos de serem estimados.

Por outro lado, temos que ter cuidado com o clericalismo, a ruína da igreja professa de Deus. Foi um péssimo dia quando uma classe sacerdotal se tornou reconhecida, e os cristãos de fora daquela casta passaram a ser chamados de “leigos”, e não se esperava mais que tivessem uma participação audível na adoração. Desta maneira o sacerdócio de todos os crentes (1 Pe 2:5) foi praticamente negado.
As Escrituras ensinam claramente que o Espírito Santo é livre para conduzir em louvor, adoração, ou oração, qualquer irmão que estiver presente. Certa vez eu ouvi alguém dizer que cada irmão tem o direito de participar nas reuniões da assembleia. Eu tive que discordar disso e salientar que nenhum irmão tem o direito de participar, mas que é o seu privilégio fazê-lo quando é conduzido pelo Espírito de Deus.

É lamentável, mas a verdade é que é difícil entrar na cabeça de muitos jovens irmãos que esse é seu privilégio, e por conta disso eles não exercitam seus corações para se colocarem nas mãos do Espírito de Deus e poderem ser direcionados por Ele. O fato é que é triste estar em uma reunião da assembleia quando as pausas são longas e entediantes, e aqueles que participam são todos irmãos mais velhos, enquanto os irmãos mais jovens se sentam em silêncio sem ter em mente que o Espírito de Deus pode usá-los como porta-vozes da assembleia em louvor, adoração e oração. É verdade que muitas assembleias são pequenas e isoladas. E é maravilhoso como ano após ano elas continuam; como um tributo ao poder sustentador do Espírito de Deus, mesmo com a condição fraca em que as coisas se encontram.

Vivemos seguramente em dias de Laodiceia, caracterizados por uma profissão de fé nem quente nem fria, ainda que não totalmente morta, mas certamente sem fervor espiritual. Se este artigo puder encorajar algum jovem irmão a meditar piedosamente sobre esse assunto, terá valido a pena escrever estas poucas linhas.

Mas, voltando às assembleias numericamente pequenas, que contam com poucos irmãos, eu me lembro de quando ainda era jovem, como era visível que quanto menor a reunião, mais importante cada irmão se tornava. Se fosse uma assembleia de cem pessoas, o irmão seria um por cento do total; se a reunião fosse composta por dez pessoas, ele seria dez por cento. Ao se reunir com apenas uma pessoa, ele seria cinquenta por cento, e o mais importante, se ele faltasse à reunião, ela simplesmente não poderia acontecer. Como são animadoras, para essas pequenas reuniões, as palavras do nosso Senhor, que disse: “Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” (Mt: 18:20). Quão maravilhoso é termos essa garantia vinda diretamente dos lábios do nosso Senhor. Isso confere um caráter maravilhoso às reuniões realizadas ao Seu Nome.

Quando o Espírito usa um irmão mais jovem para participar durante uma reunião da assembleia, todos que são espirituais reconhecerão isso, e se alegrarão, principalmente os irmãos mais velhos. Porém não há nada mais ofensivo do que um jovem irmão pretensioso, que vai insistir na participação, quando é evidente que ele tem o espirito de Diótrefes, de quem foi dito, que amava ter a preeminência entre os santos. (3 Jo 1:9)

Agora uma palavra para as jovens irmãs. Elas são uma parte integral da assembleia, tanto quanto os jovens irmãos, e igualmente sacerdotes para Deus Pai. Contudo, a Escritura, por meio de seus sábios propósitos, pede a elas que fiquem em silêncio nas reuniões da assembleia. Quão útil e agradável é quando uma assembleia tem em seu meio irmãs seriamente devotadas, que são exercitadas diante de Deus nas reuniões. A presença das irmãs, como membros atuantes na assembleia, trás muito animo e encorajamento aos irmãos, sobretudo aos irmãos mais velhos.

Alguns podem sentir que há um grupo pequeno ou até mesmo nenhum grupo de jovens em uma assembleia. Ou talvez possam sentir a força das atrações externas, tais como grandes números, bons cantores, comunidade agradável, e assim por diante, e então possam vir a se afastar da assembleia. Que esse artigo possa estimular os nossos jovens a demonstrar maior interesse e entusiasmo para o bem-estar e adoração da assembleia. Assim, no devido tempo, eles próprios poderão exercer o papel de irmãos mais velhos e se tornarem “guias” e “exemplos para o rebanho”.

É muito claro que os irmãos mais antigos, se o Senhor tardar, sairão de cena um após o outro, e se os jovens não se desenvolvem a fraqueza aumenta. O Senhor guia todos nós, irmão e irmã, jovem e velho, a dar a Ele o que lhe é devido e a “perseverar na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações” (Atos 2:42)

A. J. Pollock

Compartilhe...