As parábolas de Nosso Senhor – As ovelhas e os bodes – Apêndice

E, quando o Filho do Homem vier em sua glória, e todos os santos anjos, com ele, então, se assentará no trono da sua glória; e todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas. E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda. Então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o Reino que vos está preparado desde a fundação do mundo; porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me. Então, os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? E, quando te vimos estrangeiro e te hospedamos? Ou nu e te vestimos? E, quando te vimos enfermo ou na prisão e fomos ver-te? E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que, quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes. Então, dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos; porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e estando enfermo e na prisão, não me visitastes. Então, eles também lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão e não te servimos? Então, lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim. E irão estes para o tormento eterno, mas os justos, para a vida eterna (Mateus 25:31-46)

A profecia de Nosso Senhor dada aos discípulos dois dias antes de Sua crucificação em resposta às perguntas de alguns, tem um final muito solene no Evangelho de Mateus, capítulo 25:31-46. O Senhor descreve em termos simples, mas claros, o julgamento que ocorrerá em Seu retorno à Terra. “Quando o Filho do Homem vier em sua glória, e todos os santos anjos, com ele, então, se assentará no trono da sua glória; e serão reunidas diante dele todas as nações (os gentios)”. Antes, Ele já havia dito a Seus discípulos que o “Filho do Homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos” (Mateus 16:27), e prometeu a eles que quando “o Filho do Homem se assentar no trono da sua glória, também vos assentareis sobre doze tronos, para julgar as doze tribos de Israel” (Mateus 19:28).

No início da profecia, o Senhor havia falado de Sua vinda nas nuvens do céu com a presença de anjos. Ele acompanhou isso com uma série parentética de seis parábolas, três com uma mensagem definitiva para o povo judeu e três com uma mensagem para os religiosos professos na cristandade (capítulo 24:32; 25:30). Então o Senhor retoma essa linha e fala do tribunal diante do qual serão reunidas todas as nações.

Devemos distinguir cuidadosamente entre esse julgamento e o do Grande Trono Branco (Apocalipse 20:11-15). Os contrastes são importantes. Um ocorre antes do início do reino milenial, outro no fim desse período, quando o céu e a terra fogem. O grande trono branco lida com os mortos; no trono de Sua glória, morte e ressurreição não são mencionadas. São os homens vivos que estão diante dEle em cujas mãos o Pai deu todo o julgamento (João 5:22).

A menção de um julgamento geral no final dos tempos não é encontrada em Mateus 25. nem em nenhuma outra parte das Escrituras além da citação em Apocalipse. O Grande Trono Branco será realizado no fim dos tempos, mas somente os mortos perdidos estarão lá, “a primeira ressurreição” (de todos os abençoados e santos) será realizada mil anos antes. O julgamento de Mateus 25 acontecerá no “fim deste tempo”. Em Mateus 24:3, por favor, leia “era”, não “mundo” em Mateus 24:3 e em outras partes do primeiro evangelho.

É um Homem que se sentará no trono de glória, mas Ele irá diferenciar de modo perfeito quem são as ovelhas e os bodes. Esse homem é “Deus manifestado em carne” (1 Timóteo 3:16) que conhece os segredos de todos os corações. Observe a silenciosa afirmação de Sua dignidade no “sermão da montanha”: “Muitos me dirão naquele Dia: Senhor, Senhor… então, lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade” (Mateus 7:22-23). Aquele Homem que andou entre os homens de maneira tão graciosa e amigável é o Juiz final de todos os seres criados.

O que devemos entender por “todas as nações”? É certo que haverá um massacre terrível de hostes armadas na vinda do Senhor (leia Apocalipse 19:17-21; Zacarias 14:3; Isaías 63:1-6; Ezequiel 38, 39, etc); sendo assim, quem permanecerá para ser julgado no “trono de Sua glória”? As populações em geral, depois que todas as suas forças militares foram destruídas. Aparentemente, haverá apenas um ponto a ser tratado: como essas pessoas trataram aqueles a quem o Rei se agrada em chamar de “Meus irmãos?” Esta passagem corresponde a Miquéias 5:3, não a Romanos 8:29; ou seja, os “irmãos” mencionados em Mateus 25:40 não são cristãos, mas o remanescente crente de Israel que pregará o evangelho do reino “em testemunho a todas as nações” durante a última evento de pavor (Mateus 24:14). O tratamento dado a essas testemunhas é o índice da atitude de seus corações em relação Àquele que as enviou. “O que você pensa de Cristo?” é sempre a pergunta que Deus coloca à prova. Aqueles que O apreciam irão abrigar e alimentar Seus mensageiros; aqueles que O odeiam os tratarão com desprezo. A graciosidade das palavras do Senhor, “quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a Mim o fizestes”, deve apelar vigorosamente aos nossos corações hoje e nos tornar amantes da hospitalidade para com aqueles que, por causa de Seu nome, saem “nada tomando dos gentios” (3 João 7).

Na bênção prometida às ovelhas, nada é dito sobre o céu. A parte delas será o Reino preparado para elas pelo Pai desde a fundação do mundo. Para todo aquele que hoje crê em Jesus como seu Senhor e Salvador, nossa porção está no céu e foi estabelecida para nós no amor do Pai “antes da fundação do mundo” (Efésios 1:3-4). É o Rei que se dirige às ovelhas em Mateus 25. Os cristãos conhecem a mesma Pessoa abençoada mais intimamente como Senhor. Será bom ser súdito de um Rei assim; será melhor ainda estar em união com Ele como parte de Seu Corpo e Sua Noiva.

O terrível futuro dos ímpios dificilmente poderia ser expresso com mais clareza do que nas Escrituras diante de nós: “irão estes para o tormento eterno”. Para “punição” e “vida”, a mesma palavra é usada; a duração de um é a duração do outro. No entanto, o fogo eterno não estava preparado para os homens, mas para o diabo e seus anjos, mas aqueles que, enquanto na terra, preferem a voz do diabo à voz de Deus, devem compartilhar da sua destruição para sempre.

Não perca a sequência da revelação do Senhor no Monte das Oliveiras. “E aconteceu que, quando Jesus concluiu todos esses discursos, disse aos seus discípulos: Bem sabeis que, daqui a dois dias, é a Páscoa, e o Filho do Homem será entregue para ser crucificado” (Mateus 26:1-2). Com calma dignidade, Ele desiste, por assim dizer, do “trono de Sua glória” e segue para o Getsêmani e o Gólgota, para terminar a obra que o Pai lhe dera naquele tempo fazer. Por que Ele estava disposto a dar as costas à glória e majestade descritas no Monte das Oliveiras e, ao invés disso, aceitar a angústia e a vergonha? Era por você, amado leitor, e por mim. “Cristo morreu a seu tempo pelos ímpios” (Romanos 5:6). “Aleluia! Que Salvador!”

W. W. Fereday

Compartilhe...