Conforto das Escrituras para a Quarta-Feira

“Até aqui nos ajudou o Senhor.” [1]

Quando as provas e tribulações chegam para nós e ficamos perplexos, quão fácil é esquecer como Deus se comprometeu por nós em tempos passados de angústia, pois “Ele dá grande livramento” [2]. Assim, “porque tu tens sido o meu auxílio; então, à sombra das tuas asas me regozijarei” [3]. Ele, que tão graciosamente nos ajudou no passado, não mudou. Ele nos lembra que “clamaste na angústia, e te livrei; respondi-te” [4]. Podemos dizer-Lhe: “Tens sido um refúgio para mim, e uma torre forte contra o inimigo. Habitarei no teu tabernáculo para sempre; abrigar-me-ei no esconderijo das tuas asas” [5]. “Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios” [6]. “Pois eu dizia na minha pressa: Estou cortado de diante dos teus olhos; não obstante, tu ouviste a voz das minhas súplicas, quando eu a ti clamei” [7]. “Na angústia invoquei ao Senhor, e clamei ao meu Deus… aos seus ouvidos chegou o meu clamor perante a sua face” [8], pois “o Senhor será também um alto refúgio para o oprimido; um alto refúgio em tempos de angústia. Em ti confiarão os que conhecem o teu nome; porque tu, Senhor, nunca desamparaste os que te buscam” [9]. Portanto, agora, na necessidade e aflição presentes, porque “eu confio na tua benignidade, na tua salvação se alegrará o meu coração” [10].

O Senhor sempre foi fiel;
Suas misericórdias são sempre as mesmas;
Ele nunca abandona Seu povo,
Pois “Fiel e Verdadeiro” é o Seu nome.

[1] 1 Samuel 7:12; [2] Salmo 18:50; [3] Salmo 63:7; [4] Salmo 81:7; [5] Salmo 61:3‑4; [6] Salmo 103:2; [7] Salmo 31:22; [8] Salmo 18:6; [9] Salmos 9:9-10; [10] Salmo 13:5

Compartilhe...