Números 1:38-54

 (para maior proveito, ore, leia na Bíblia os versículos indicados e medite nos comentários)

 

Todos os filhos de Israel registrados neste capítulo atravessaram o Mar Vermelho no ano anterior. Eles foram “batizados em Moisés na nuvem e no mar”; eles haviam compartilhado de todos os privilégios pertencentes ao povo do SENHOR: o maná, a água da pedra (1 Coríntios 10:2-4). Mas, dos mais de seiscentos mil mencionados no versículo 46, quantos chegaram à terra prometida? Apenas dois, em quem Deus pode ter prazer porque tinham fé (1 Coríntios 10:5 e Hebreus 11:6). Entre as multidões daqueles que hoje levam o nome de cristãos, somente o Senhor sabe quantas almas realmente pertencem a Ele (2 Timóteo 2:19). É necessário repetir que não é o batismo, mas a fé em Jesus Cristo que nos torna membros do povo de Deus. 

Todo esse povo teve que declarar sua descendência. A prova hoje é a descendência “espiritual”. Em Filipenses 3, vemos que Paulo, era “um hebreu de hebreus”, nem uma gota de sangue gentio entrou em sua descendência, e ele considerou tudo por perda “pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus”, para “ganhar a Cristo” e ser “achado nele”. 

Os filhos de Levi não foram contados entre os homens de guerra (versículo 47). Isso nos mostra que força e poder não são levados em conta para o serviço do Senhor. Observe, no entanto, que na atual dispensação o crente deve assumir ambas as funções: soldado e servo. Ele deve ser como Timóteo para combater “o bom combate da fé” (1 Timóteo 6:12) e, ao mesmo tempo, como o jovem Arquipo, pronto para cumprir o ministério que recebeu no Senhor (Colossenses 4:17). Mas existe uma característica que antecede estas duas: adorador. Sem o “primeiro amor”, o combate já está perdido e o serviço perde o sentido. Os Levitas cuidavam do tabernáculo. Eles o desmontavam, montavam, e o guardavam armando suas tendas ao redor dele. Quantos detalhes e que cuidado! Assim podemos dizer que eles eram guerreiros… trabalhadores… adoradores. O apóstolo Paulo foi chamado para ser nosso “padrão”, nele vemos essas três qualidades. Assim somos nós.

Texto baseado em diversos autores que se reuniam apenas ao Nome do Senhor nos séculos XIX e XX.

Compartilhe...