Levítico 16:1-14

(para maior proveito, ore, leia na Bíblia os versículos indicados e medite nos comentários)

 

 

Já vimos  

(1) Alimento puro e limpo no capítulo 11,  

(2) Corpos puros no capítulo 12,  

(3) Pessoas puras no capítulo 13,  

(4) Casas puras no capítulo 14,  

(5) Hábitos puros no capítulo 15, e agora lemos sobre  

(6) uma adoração pura.  

Trata-se de um assunto de grande importância… para Deus, e para qualquer um de nós que, com um coração puro, deseja conhecer a Sua vontade a este respeito. 

 

No capítulo 10 lemos da morte dos dois filhos de Aarão por se aproximarem de Deus de um modo errado, trazendo “fogo estranho ao Senhor” (Levítico 10:1-2). Somos lembrados disto no versículo 1 do capítulo 16 para sermos impressionados com a seriedade de qualquer aproximação na santa presença de Deus. Hoje lemos das consequências dessa ofensa contra Deus. Até a morte deles, Aarão podia entrar na presença de Deus no “Santo dos santos” no Tabernáculo, a qualquer tempo. AGORA NÃO. Aarão morreria se o fizesse! 

 

Ele recebe aqui instruções para uma ocasião especial: o grande Dia da Expiação (ver Levítico 23:27). É a este evento que Hebreus 9 se refere (leia Hebreus 9:7, 12, 25). Uma vez por ano, depois de ter oferecido um sacrifício para si mesmo, o sumo sacerdote oferecia outro sacrifício por todos os pecados do povo cometidos durante o ano. Em seguida, ele trazia o sangue deste sacrifício dentro do véu, e o aspergia sobre o propiciatório. “É o sangue que fará expiação pela alma” (Levítico 17:11). As reivindicações do trono de Deus foram atendidas e Ele podia ser “propício” ao seu povo. Não que o sangue de um bode teria poder para acabar com um pecado sequer que o povo havia cometido durante um ano inteiro, mas falava de antemão à Deus do precioso sangue de Seu Cordeiro. 

 

Dois bodes para uma “oferta pelo pecado”. Ele lançava sortes sobre os dois bodes (deixava Deus escolher). “Uma pelo Senhor”, e o outro para “bode emissário”, para ser levado embora para o deserto. Somente um seria morto. Qual o significado disso? Uma gloriosa figura de Cristo morrendo na cruz com dois objetivos… (1) (o bode “pelo Senhor”). Ele atendeu todas as reivindicações de um Deus santo, da própria natureza de Deus, de Seu caráter e de Seu trono. E (2) (o bode emissário) atendendo perfeitamente toda a culpa do homem e tudo o que este necessitava. O lado de Deus, e o nosso lado. 

 

Os versículos 11 a 14 “Por si e pela sua casa”. Qual o significado? Estes quatro versículos formam uma magnífica figura de Cristo e Sua assembleia (a Igreja). 

 

Ao contrário do que podemos pensar, não era com vestes magníficas que Aarão se apresentava perante o Senhor. Ele despojava-se de toda a sua glória na presença da glória de Deus, e só poderia aparecer em sua presença com vestes de linho fino, símbolo da justiça prática (versículo 4, Apocalipse 19:8). De quem é isto uma figura? Nenhum outro além de nosso Senhor Jesus, Deus vindo ao mundo, um Homem sem mácula, puro e santo, (sua encarnação) para viver para a glória de Deus, e morrer. Elas falam da pureza moral do Senhor Jesus em Sua humanidade perfeita.

 

O cheiro suave do incenso acompanhava Aarão dentro do véu; da mesma forma que Cristo entrou no Santo dos Santos, oferecendo a Deus o cheiro suave de todos as suas excelentes glórias.

Texto baseado em diversos autores que se reuniam apenas ao Nome do Senhor nos séculos XIX e XX.

Compartilhe...