Levítico 1:1-17

(para maior proveito, ore, leia na Bíblia os versículos indicados e medite nos comentários)
 
 
Vamos mostrar uma visão ampla de alguns livros no Antigo e no Novo Testamento. 
Gênesis – Os começos, as origens, a semente no jardim. 
Romanos – A verdade fundamental do Cristianismo. Como Deus pode receber pecadores e ainda assim permanecer santo e verdadeiro. Neste sentido, Gênesis e Romanos representam a salvação.
Êxodo – A saída. A Redenção pelo sangue de um cordeiro. Libertação do poder do Egito através da água do Mar Vermelho. 
Atos – A saída. Os crentes foram separados deste mundo pelo sangue de Cristo. O poder de Satanás contra nós foi destruído (a menos que o Senhor o permita). Para nosso estudo, Êxodo e Atos, representam a separação do mundo.
Levítico – No deserto, Deus disse a Moisés para construir para Ele um tabernáculo onde poderia ser adorado. Ele dá instruções sobre sacrifícios, ofertas, festas e, em geral, a adoração dada a Deus pelos sacerdotes. A adoração a Deus é o primeiro motivo de sermos salvos. Então vamos iniciar hoje o estudo do livro de Levítico que trata de nossa vida como um sacerdote diante de Deus.
Os oito primeiros capítulos deste livro nos falam de diferentes sacrifícios de animais.  Cada oferenda é uma figura individual da obra de Cristo na cruz (exceto a oferta de manjares). Desde o princípio o Senhor indica cinco sacrifícios: o holocausto, o de flor de farinha, o pacífico, pelo pecado e o de expiação. Os três primeiros eram conhecidos como ofertas de cheiro suave, os dois últimos pelo pecado. Os três primeiros eram voluntários, os dois últimos, obrigatórios. 
  
No capítulo 1, versículo 1 deste livro, vemos que nada era deixado para o sacerdote decidir. Era um caso de obediência. Todo crente hoje é um sacerdote (1 Pedro 2:5). Portanto este livro é uma instrução, fisicamente para eles, espiritualmente para nós. Que possamos desejar aprender os significados (Êxodo 11:2). 
 
Levítico é um livro fechado para quem não possui a “chave” divina para ele. Essa chave é Cristo, a quem encontramos aqui em todos os aspectos do Seu sacrifício e Seu sacerdócio. O crente possui apenas um sacrifício oferecido “uma vez para sempre”, totalmente suficiente (Hebreus 10:10). Mas, para descrevê-lo em todas as suas diferentes características, o Espírito de Deus nos dá diversas figuras que se completam entre si. 
 
Em primeiro lugar, a oferta queimada. Ela representa a parte da obra de Cristo que é para Deus, não de Cristo morrendo por nossos pecados. Isso fica claro em nosso capítulo, três vezes lemos as palavras ” cheiro suave ao Senhor”. Ele se entregou completamente a Deus como sacrifício (João 13:31-32). O animal era completamente queimado (exceto a pele, Levítico 1:6). É chamado de “oferta de cheiro suave”. A morte de Cristo para Deus foi a delícia de Deus Pai (Filipenses 2:9-10). Ela é expressa no Novo Testamento por passagens como João 10:17, Efésios 5:2, Filipenses 2:8. Queridos amigos cristãos, quando pensamos na cruz, em vez de ver a nossa salvação em primeiro lugar, vamos considerar a satisfação que Deus encontrou na pessoa e obra de Seu Santo Filho. 
 
A primeira seção (versículos 3 a 9) nos fala de uma pessoa que trouxe um animal grande para a oferta queimada. Uma ilustração do crente hoje que entende bem que Cristo veio morrer para Deus em primeiro lugar. Ele entende que Deus agora encontra todo o seu prazer neste Homem… Jesus. Ele pode ser um crente de longa data, que cresceu neste conhecimento. Este é um aspecto da morte de Cristo. Na verdade, trata-se do aspecto de Deus. Não como aquele que levou o pecado aqui, mas que morreu para a glória de Deus. Há ricas recompensas para você se chegar a entender o que significa a oferta queimada. 
 
No versículo 3 temos de acordo com a versão revista e corrigida, as palavras, “oferecerá, de sua própria vontade”, mas na versão de Darby, “apresenta a Ele para Sua aceitação”. Então o pensamento era que o ofertante estava diante de Deus em toda a aceitação da oferta imaculada que ele trouxe. Por isso, ao colocar a mão sobre a cabeça da oferta, da qual fala o versículo seguinte, significa que ele se identificou com a sua oferta. Assim, cremos, isso nos fornece o significado original ligado à imposição de mãos através das Escrituras. Significa, identificação.
Três diferentes tipos de animais ou pássaros podiam ser oferecidos, dependendo da riqueza da pessoa que desejava trazer a oferta. Mas todos eram animais pacíficos, o bezerro nos fala do Senhor como o Obreiro paciente que não se cansa, sempre fazendo a vontade do Pai em uma vida de serviço perfeito e uma morte em sacrifício perfeito. A ovelha representa o Senhor como o manso e humilde, fazendo completamente a vontade de Deus em entrega pessoal sem resistência. A cabra fala de Cristo como nosso substituto. A pomba, Dele como o Ser Celestial e também do Homem de Dores. Essas figuras são apenas sombras e não retratam a excelência completa daquilo que tipificam.
Os israelitas não eram forçados a trazê-las. Nos dias do Antigo Testamento, entre o povo de Deus, quanto mais fiel era um homem, mais rico ele se tornava. (Quanto mais fiel e obediente um crente é à Palavra de Deus, mais ele a compreende. Não podemos entender as escrituras por nossa inteligência (1 Coríntios 1:21). É só através da consciência e do coração (Romanos 10:10, 2 Coríntios 4:6). Entre as oferendas, algumas diferenças ficam evidentes na maneira de sua oferta. Por exemplo, apenas ofertas de gado eram cortadas em pedaços e dispostos sobre o altar. Mas em todos os casos surgiu um “cheiro suave ao Senhor”. Tal foi o efeito do fogo do julgamento que passou sobre a Vítima santa na cruz: é mostrada nos mínimos detalhes a excelência da oferta “imaculada” (Hebreus 9:14). 
“Seja um gado ou uma pequena rolinha”, em entendimento, uma pessoa que talvez tenha chegado recentemente ao conhecimento do Senhor como Salvador, entendendo muito pouco dos profundos significados do que Cristo é para Deus; todavia é feliz em conhecer mesmo que um pouco deste significado. Repare mais uma vez que Deus Se apraz até quando entendemos apenas um pouco desta grande verdade. 
As três classes de ofertas queimadas são mencionadas em uma escala descendente. O homem rico poderia trazer seu bezerro, o homem de “classe média” sua ovelha, o pobre seu pombo. No entanto, todos eram um holocausto, e em todos os casos o ofertante era aceito diante de Deus. O que vemos tipificado nestas variações não é uma aceitação maior ou menor, mas uma maior ou menor compreensão por parte do ofertante. Para mostrar isso de outra maneira: todo crente é aceito diante de Deus na perfeição e na fragrância do sacrifício de Cristo, que nunca varia e é o mesmo para todos. O que varia é a medida em que apreciamos o valor de Sua obra. Consequentemente, quando “oferecemos o sacrifício de louvor a Deus… o fruto de nossos lábios, dando graças ao Seu nome” (Hebreus 13:15), o caráter do nosso louvor varia. Se reunimos nossos pensamentos de Levítico 1 e o que temos em 1 João 2:13-27, podemos dizer que o “pai” pode trazer seu novilho, o “mancebo”, sua ovelha, e o “filhinho”, seu pombo.
Antes de deixar Levítico 1, olhe de novo para as palavras finais dos versículos 9, 13 e 17. Como vemos no versículo 4, a expiação estava relacionada com o holocausto, mas não era o pensamento principal, mas sim a excelência da oferta na aceitação divina. Era cheiro suave para Deus Pai.
Texto baseado em diversos autores que se reuniam apenas ao Nome do Senhor nos séculos XIX e XX.

 

Compartilhe...