Gênesis 4:1-16

(recomendamos que leia esse trecho em sua Bíblia antes de prosseguir)

Desde os primórdios da humanidade, dois povos foram tomando forma. Caim, o primeiro homem nascido na terra, é o ancestral de todos os povos que são justos aos seus próprios olhos. Eles estão satisfeitos consigo mesmo e com suas obras e atos, mas inconscientes do pecado e suas consequências. Ele aparece diante de Deus com o fruto de seu próprio trabalho, fruto de uma terra amaldiçoada (Gênesis 3:17). Como poderia Deus apreciar isso? Abel, o segundo homem, é o fundador da descendência da fé. Ele abre a lista de honra em Hebreus 11:4. O sacrifício que ele oferece é “mais excelente” do que o de Caim, porque ele é oferecido com uma compreensão do pensamento de Deus.

A oferta de Abel agradou a Deus. Era uma figura da morte de Cristo na cruz por nós. Os altares de Caim e Abel (em tipo) ainda continuam ao nosso redor hoje. Você enxerga a diferença?
Depois do pecado do homem contra Deus (Gênesis 3), temos aqui o primeiro pecado contra o seu semelhante. 

O pecado, espalhando-se por intermédio da família de Adão afetou cada pessoa nascida desde então (exceto o Senhor Jesus). No capítulo 3 foi o pecado contra Deus, aqui é o assassinato de outro ser humano. Há diversos “primeiros” neste capítulo, 
(1) o primeiro filho, 
(2) a primeira oferta, 
(3) o primeiro assassinato, e mais a frente,
(4) a primeira civilização, e 
(5) a primeira pessoa que está na linhagem espiritual de Cristo (Sete). 

A primeira vez que lemos de adoração, descobrimos que foi isso que levou ao primeiro assassinato. Isto demonstra que hoje nenhuma pessoa que não seja salva pode adorar a Deus. Pense em todo o sangue que foi derramado neste mundo como resultado do primeiro pecado.

Caim mata seu irmão. E a Palavra, que discerne os pensamentos e intenções do coração, revela o motivo, ciúme. “E por que causa o matou? Porque as suas obras eram más, e as de seu irmão, justas” (1 João 3:12). Mais tarde, quando o Senhor Jesus veio ao mundo, os judeus o mandaram para a morte pelo mesmo motivo. Sua perfeição destacou suas próprias maldades, suas más obras. Eles derramaram o sangue do verdadeiro único Justo e o seu juízo, hoje, é o mesmo de Caim; eles estão dispersos e perseguidos na terra.

Texto baseado em diversos autores que se reuniam apenas ao Nome do Senhor no século XIX e XX

Compartilhe...