Gênesis 12:9-20; 13:1-4

(recomendamos que leia esse trecho em sua Bíblia antes de prosseguir)

Abrão foi para a terra de Canaã com Ló, seu sobrinho. Mas havia fome e, sem esperar por instruções divinas desta vez, o patriarca desce para o Egito. Observe onde esta falta de dependência leva; ele nega sua esposa e por sua mentira coloca-se em uma situação crítica. A partir desta triste página de sua história aprendemos que o crente mais fiel é capaz de abandonar o lugar onde Deus o colocou. Ele pode até mesmo ser levado a negar a sua relação com o Senhor. Pedro passou por esta experiência dolorosa. Ele procurou a companhia de inimigos de seu Senhor e não tinha coragem de confessar o seu nome (Mateus 26:69-75). Que nós, remidos pelo Senhor, possamos não nos envergonhamos de dizer que pertencemos a Ele (Compare com 2 Timóteo 2:12-13).

 

Lembre-se sempre de que as pessoas na Bíblia que são tipos (figuras) do Senhor e de outras coisas importantes, eram apenas seres humanos que às vezes falhavam. Aqui lemos da segunda falha de Abraão. (A primeira foi quando ele parou em Harã, Gênesis 11:31, ao invés de seguir todo o caminho até a terra de Canaã). Desta vez ele vai ainda mais longe, e o encontramos agora rumando para Egito (versículo 19), instruindo sua esposa a dizer uma mentira (nós crentes às vezes “empacamos” e às vezes vamos longe demais!). O Egito é uma figura do mundo com todos os seus atrativos e sua cultura. Como crentes, estamos constantemente sendo tentados a voltarmos ao mundo. Abrão perdeu tempo ali, e sofreu, em certas coisas, o resto de sua vida por sua falha. Deus foi misericordioso para com ele e permitiu que enriquecesse. Que isto possa servir de aviso para nós.

 

Como homem de Deus, sua atitude foi desastrosa, mas poderia ser de alguma forma proveitosa para o mundo? De modo nenhum! A presença de Sarai no palácio do Faraó só trouxe pragas sobre Faraó e seu povo. Depois que o mundo lançou um “Vai-te,” de uma forma muito diferente da ordem do Senhor no versículo 1, Abrão volta a Canaã, seu ponto de partida. Ele encontra novamente o altar, em outras palavras, ele volta para a relação com Deus, que ele não tinha sido capaz de desfrutar enquanto ele estava no Egito.

 

Abraão “desceu” ao Egito. Aqui ele “subiu” ao seu altar. A completa restauração de Abraão (Salmo 23:3). Deus nos restaura, caso contrário, simplesmente ficaríamos à deriva. Não havia altar (nem adoração a Deus) enquanto ele estava no Egito!  

Texto baseado em diversos autores que se reuniam apenas ao Nome do Senhor no século XIX e XX.

Compartilhe...