Ele habitou entre nós – John Thomas Mawson (1871-1943)

“E o Verbo se fez carne e habitou entre nós… cheio de graça e de verdade” (João 1:14)

Que verdade maravilhosa nos é revelada nesta curta frase. Ele que ERA quando o tempo não existia, Aquele que sob o Seu comando o pêndulo do tempo começou a se mover, que pôs todas as forças da natureza em movimento e fez o universo pulsar com vida; Aquele mesmo que é pessoalmente a expressão exata dos pensamentos infinitos e da glória eterna da Divindade – o Verbo sempre existente – Ele se fez carne e habitou entre nós, participando em carne e sangue para que pudesse chegar perto de nós sem nos assustar; é isso que enche a alma de admiração e adoração daqueles que O receberam.

Ele não veio como um rei viria visitar Seus súditos em suas cabanas, dirigindo a eles uma palavra gentil e depois seguindo adiante e os esquecendo: Ele habitou entre nós. Não havia indiferença nEle; Ele entrou nas circunstâncias da vida; Ele entrou nas alegrias e tristezas dos homens, bem como em suas casas. Ele se aproximou deles, tornou-se infinitamente acessível até mesmo aos mais pobres e aos piores, Ele habitou entre nós cheio de graça e verdade.

Está registrado neste Evangelho e em nenhum outro – um fato significativo – que Ele aceitou um convite para uma festa de casamento. Também está registrado neste Evangelho e em nenhum outro – um fato significativo – que Ele chorou ao lado do túmulo dos mortos. Estes dois eventos – a festa de casamento e a sepultura fechada – são os episódios mais brilhantes e sombrios da vida humana, e Ele “habitou entre nós” com eles, e neles manifestou Sua glória, e “Seus discípulos creram Nele”. E houve algum dia ou circunstância entre esses dois extremos dos quais Ele se retirou e nos quais Ele não estava disponível para os homens?

Podemos dizer com a mais profunda reverência que Ele aceitou os homens como os encontrou; Ele não exigiu nenhum tratamento especial da parte deles; Ele estava cheio de compaixão por suas tristezas, Ele não ficou impaciente com sua ignorância e fraqueza, nem os condenou por seus pecados.

Ele estava pronto para colocar a VERDADE diante do fariseu quando veio a Ele, e estava tão cheio de GRAÇA que Ele não repreendeu a covardia que o fez rastejar na escuridão para aquela conversa memorável.

Sua GRAÇA o levou ao poço de Sicar para conversar com uma pecadora solitária e cansada, e Ele derramou a VERDADE em sua alma com tanta abundância que ela voltou para sua cidade como uma nova criatura, com Ele mesmo como seu tema apaixonante. E observe bem o Seu caminho nessa história. A distância era grande até onde aquela pecadora solitária suspirava e se entristecia, mas nenhum camelo ou jumento o carregou durante aquelas milhas cansativas, pois Ele era um homem pobre; Ele deve ter feito essa jornada, cada passo, a pé; e cansado, faminto e sedento, Ele a encontrou – encontrou-a como um viajante encontraria outro – e falou com ela tão suavemente que ela não sentiu nem apreensão nem medo em Sua presença. Quão verdadeiramente Ele “habitou entre nós”, e quão cheio de graça e verdade estava Ele naquela habitação; pois Ele não permitiu que Sua humildade e pobreza de Suas circunstâncias, e o modo como Ele “habitou entre nós”, ocultassem de nossa alma a glória de Sua pessoa. Ele era “O VERBO”, “O FILHO UNIGÊNITO QUE ESTAVA NO SEIO DO PAI”.

Que encanto constante e crescente este Evangelho dos Evangelhos tem para nossas almas! Quão infinitas são as alturas em que ele se eleva, quão profundas são as profundezas nas quais ele desce. Graça e verdade estão n’Aquele que habitou entre nós, mesmo enquanto Ele ainda habitava no seio do Pai como o Filho Unigênito. Ele trouxe o amor daquele lugar para nós, e o revelou, não como algo a ser admirado no dia de sábado no templo, mas como aquele que trabalharia sete dias na semana, sem buscar descanso, a fim de aliviar as necessidades dos homens e encher suas almas de alegria. E a VERDADE estava Nele – Ele veio da mais alta glória de Deus para revelá-la; e GRAÇA também – Ele desceu ao mais profundo de nossa necessidade para encontrá-la; e Ele preencheu a distância incomensurável entre a altura e a profundidade com a luz de Sua própria glória.

Não estamos falando aqui do tempo em que Ele deixou a habitação dos homens e passou sozinho nas trevas como o portador do pecado – o bode expiatório carregando nossa culpa para a terra desabitada; quando, sem um amigo ou consolador, Ele, que tinha sido o amigo de todos, foi ferido por Deus e abandonado por nós. Esse, de fato, foi o grande propósito de Sua vinda, e para cumprir esse propósito Ele se manteve firmemente nele, e o fato de que aquele seria o fim de Sua vida aqui, e que Ele sabia disso, torna ainda mais maravilhoso esse serviço contínuo de esquecimento de si mesmo entre os homens. “Meu Pai trabalha até agora e Eu trabalho também” resumia Sua vida diária até o fim.

Aquilo que Ele declarou aqui permanece para nós. O que Ele era Ele é, e o que Ele era o Pai é; pois Ele disse: “Quem me vê a mim vê o Pai”. Quão infinitamente atraente para nossas almas o Pai se tornou, desde que Ele foi revelado a nós tão abençoadamente em JESUS, que habitou entre nós.

A morte e a ressurreição não o mudaram. Veja-o de pé às margens do Tiberíades. Lá no fim de uma noite infrutífera, Seus discípulos, desanimados e desamparados. Foi a falta de fé que os levou a pescar naquela noite, e o trabalho deles foi em vão. Mas Ele os repreende? Não; Ele enche suas redes, como o poderoso Criador; então, tão ternamente como uma mãe que cuida de seu filho cansado, Ele trata das suas necessidades. Eles estavam com frio e Ele acendeu uma fogueira para aquecê-los; eles estavam com fome e Sua própria mão preparou uma refeição para eles; e Ele se sentou no meio deles e os alimentou. E havia um apóstata entre eles – na verdade, todos haviam voltado aos seus velhos hábitos – mas isso não mudou Seu amor; e eles deveriam descansar – não no que eles eram, mas no que Ele era, não em seu amor por Ele, mas em Seu amor por eles. E nós também (leia João 21).

Que possamos com alegria levar a Ele, nosso Salvador, que é tão incomparavelmente abençoado, nosso tributo de louvor:

“Mais belo do que todos os que nasceram na Terra,

Perfeito em formosura Tu és;

Repletos de graça são Teus lábios 

e Teu terno coração cheio de amor.

Deus sempre abençoado!

Nós dobramos os joelhos,

E possuímos toda plenitude em Ti”.

Compartilhe...