Casamento cristão – W. J. Hocking – parte 2

(Gênesis 2:18-24; Mateus 19:4-6; Efésios 5:22-33 )

Instituído antes da queda

É um fato de grande importância que o relacionamento matrimonial tenha sido estabelecido entre Adão e Eva enquanto eles ainda estavam no estado de inocência. No momento de sua união, o pecado ainda não havia entrado no mundo, nem sua justa penalidade, a morte. Mas a entrada do pecado por meio de sua desobediência não colocou de lado o caráter santo do casamento que sua origem e aprovação divinas lhe haviam originalmente concedido.

Este, de fato, foi o fundamento sobre o qual o Senhor Jesus, muito depois, defendeu a instituição primitiva e afirmou a santidade permanente do casamento. Não foi, por exemplo, um relacionamento introduzido pela lei dada a Moisés, mas o casamento foi o propósito de Deus para o homem desde o início de sua história. Então o Senhor, respondendo às objeções dos fariseus, disse-lhes: “Não lestes que Aquele que os fez, desde o princípio os fez homem e mulher?” (Mateus 19:4). E eles também não leram no mesmo tema: “E os dois (marido e mulher) serão uma só carne?”.

É verdade que, tendo sido unidos pelos laços de casamento, Adão e Eva desobedeceram conjuntamente ao mandamento do Senhor e caíram em pecado. No entanto, o caráter sagrado e divinamente aprovado do casamento que recebeu no estado de impecabilidade permaneceu após a entrada do pecado. Deus fez o único par, e Ele os fez um para o outro exclusivamente. Como disse nosso Senhor, Deus os uniu por laços que são indissolúveis para o homem. Este caráter de permanência ainda está ligado ao casamento, como sempre aconteceu. Em cada união sob os cuidados divinos, Deus une dois corações e vidas por um laço que ninguém pode cortar.

As credenciais humanas do casamento

Outro aspecto do vínculo matrimonial pode agora ser considerado. Como relacionamento estabelecido por Deus nas circunstâncias originais da criação do homem, o casamento possui um caráter puro e santo. É óbvio, entretanto, que no Éden não havia necessariamente testemunhas humanas do primeiro contrato de casamento. Mas com a multiplicação da espécie humana, surgiu a necessidade de que cada união matrimonial deveria ter um procedimento aos olhos dos homens em geral e deveria receber confirmação e aprovação públicas.

Desde os dias de Noé, Deus estabeleceu entre os homens formas de governo para a manutenção da ordem civil e do bem-estar social. Os “poderes constituídos” na comunidade são ordenados por Deus, e seus regulamentos devem ser reconhecidos e obedecidos pelo cristão (Romanos 13: 1-7, 1 Pedro 2:13-14 ). É conveniente, portanto, que o casamento cristão esteja em conformidade com os requisitos da lei do país. Na verdade, é expressamente recomendado ao crente que “esteja sujeito aos poderes superiores” e se submeta “a toda instituição humana por causa do Senhor”. Quando isso é feito no em relação ao casamento, o ato de união é formal e legalmente reconhecido, e sua validade estabelecida aos olhos de todos os homens.

A invocação da bênção de Deus

A cerimônia de casamento exigida pelas leis civis para conferir a condição de casado às pessoas envolvidas é totalmente distinta da união espiritual de marido e mulher, que resulta do exercício da própria vontade e orientação de Deus sobre os corações das mesmas duas pessoas. Este último é o lado mais sério e, no entanto, o mais feliz dessa união. Por isso, os cônjuges, percebendo o caráter solene do passo inicial que deram na vida de união com a qual se comprometeram, buscam a comunhão e as orações da assembleia de Deus em seu nome. Desse modo, eles confessam abertamente que em seu novo relacionamento, seu desejo comum é receber ajuda divina para que possam caminhar juntos no temor do Senhor, em obediência à Sua palavra e na promoção da glória de Seu nome.

Compartilhe...