As parábolas de nosso Senhor – O semeador

Eis que o semeador saiu a semear. E, quando semeava, uma parte da semente caiu ao pé do caminho, e vieram as aves e comeram-na; e outra parte caiu em pedregais, onde não havia terra bastante, e logo nasceu, porque não tinha terra funda. Mas, vindo o sol, queimou-se e secou-se, porque não tinha raiz. E outra caiu entre espinhos, e os espinhos cresceram e sufocaram-na. E outra caiu em boa terra e deu fruto: um, a cem, outro, a sessenta, e outro, a trinta (Mateus 13:3-8)

Esta, a primeira das parábolas de nosso Senhor, foi proferida sob circunstâncias muito dolorosas. Os líderes judeus, após muitos maus comportamentos anteriores, acabaram de atribuir Seu poder a Belzebu. Além disso, eles não poderiam ir bem em maldade. Líderes e pessoas estavam em tal condição de alienação a Deus que as bênçãos prometidas a Israel não poderiam ser trazidas naquele momento. A partir desse ponto, o Salvador começou a usar a forma enigmática da fala, que era compreensível o suficiente apenas para uma minoria devota, enquanto era totalmente obscura para a massa profana. Como a nuvem nos dias de Moisés, que ficava entre Israel e os egípcios, as parábolas eram luz para uns e trevas para outros.

Como lemos, o Salvador se comparou a um semeador. Isso marca uma nova partida nos caminhos de Deus para com o homem. Durante as eras mais antigas da história do mundo, Deus procurou frutos do homem (principalmente de Israel), como tinha o direito de fazê-lo. Mas Ele buscou em vão, a carne se mostrou incorrigivelmente má. Cada dispensação serviu apenas para trazer isso à tona de maneira mais clara. O homem violou sua consciência, virou as costas ao testemunho das obras de Deus, pisou sob Sua lei e matou os profetas que protestavam com ele a respeito de seu mal. Restava apenas matar o bem-amado Filho do Pai, a fim de encher ao máximo o cálice da iniquidade humana. Deus não procura mais frutos do homem; Sua ação atual é semear a boa semente do Evangelho, e assim produzir Seu próprio fruto. Este trabalho tem ocorrido desde que o Filho de Deus veio à Terra.

Mas o coração humano nem sempre responde à boa semente da Palavra de Deus. O Senhor mostra em Sua parábola que, por esse motivo, a maior parte do que é semeado é desperdiçada. Os homens ouvem, mas não aproveitam o que ouvem. Quatro classes de ouvintes são indicadas; a própria interpretação do Salvador deixa claro o significado. Os primeiras são os que estão ao pé do caminho. Aqui temos as pessoas descuidadas, que escutam, mas não ouvem, suas mentes estão indiferentes demais para permitir que se interessem. Assim, como os pássaros pegam as sementes semeadas no caminho, Satanás remove delas até a lembrança das coisas que foram ditas. O pregador pode ser admirado, mas sua mensagem passa. Depois, há os ouvintes de chão pedregoso. Eles são talvez os mais decepcionantes de todos. Eles respondem imediatamente à Palavra pregada, e assim causa muito regozijo aos que buscam o bem; mas não tendo profundidade, assim que surgem dificuldades, jogam sua confissão de Cristo ao vento. Estas são as pessoas impressionáveis. Eles choram prontamente quando o Salvador lhes é apresentado; mas é mera sensação, a consciência e o coração não são afetados. A terceira classe são os ouvintes em terreno espinhoso. Uma boa semente não tem chance de crescer em meio a espinhos. Estas são as pessoas sobrecarregadas e incluem ricos e pobres. O homem rico está ocupado demais com suas propriedades e posses para dar profunda atenção às preocupações espirituais e o pobre está sobrecarregado demais com as ansiedades da vida. Nos dois casos, quando os assuntos terrenos são colocados em primeiro lugar, a alma está perdida. A última são os bons ouvintes. Estes, tendo experimentado a ação de Deus em suas consciências, viram sua culpa e miséria e depositaram toda a sua confiança no Salvador que morreu por seus pecados e ressuscitou. Apenas nestes há permanência, embora mesmo entre os de coração verdadeiro, a medida dos frutos varia, uns cem, outros sessenta e outros trinta.

W. W. Fereday

Compartilhe...