Uma Só Fé

Normalmente as pessoas falam muito de fé, que nós devemos ter fé para conseguir alguma coisa, para atravessar alguma situação e, realmente, nós devemos ter fé. Só que a palavra fé na Bíblia refere-se a uma fé que está sempre em harmonia com Deus, ou seja, de acordo com a Palavra de Deus, com a própria Bíblia. Uma fé que não está em harmonia com Deus pode ser qualquer coisa, menos fé. Pode ser fanatismo, pode ser superstição, podem ser várias coisas que denominam como fé, mas a fé, como diz Paulo na sua carta aos Efésios, é uma fé cristã, de acordo com os pensamentos de Deus.

Em Efésios 4:4-6 lemos: “Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação; um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos, e em todos.” Nós vemos aqui no versículo 5, um só Senhor, mas que Senhor é este? É o Senhor Jesus. Uma só fé, que fé? A fé cristã. Um só batismo, que batismo? Não está falando da forma do batismo, se é embaixo de água, com muita ou pouca água. Está falando do batismo, o batismo cristão. O que Deus está olhando hoje e vendo é que existe um só Senhor que é reconhecido, o Senhor Jesus, uma só fé, a fé cristã, um só batismo, o batismo cristão. É isso que está conectado com as coisas de Deus. A fé sempre correspondeu, sempre esteve em harmonia com aquilo que Deus pensa. Se temos fé em algo que está em conformidade com a Palavra de Deus, então podemos esperar em Deus por uma resposta, por um socorro naquilo que precisamos. Essa fé não é algo que se corre atrás para conseguir, ela vem de Deus e, se temos falta de fé, devemos pedir a Deus que Ele nos dê. Ao sentirmos certa debilidade em compreender o que Deus tem em Seus propósitos, devemos pedir a Ele, e Ele nos dará a fé necessária para entendermos.

Ainda no livro de Efésios 2:8-10 lemos: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie. Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.” Encontramos aqui a fé necessária para a salvação, a fé para entender o que Deus pensa acerca de salvação. Somos salvos por graça e entendemos o que é graça de Deus, por fé – e isto nós buscamos em Deus também, não é algo em que temos algum mérito. O versículo 9 diz que não vem das obras, ou seja, fé, salvação, graça, tudo vem de Deus, não parte nada de nós porque não é no princípio de obras. Que privilégio termos um Deus que fez essa providência!

Quando o Senhor Jesus veio a este mundo fazer a obra de Deus para a nossa salvação, Ele teve um tempo de vida aqui neste mundo; o tempo do assim chamado Seu ministério foi cerca de 3 anos e meio, pregando o evangelho do Reino, e todos que entenderam quem era Ele, foi por fé que entenderam. Embora fosse Deus presente aqui na Terra, era a fé que podia ver quem era aquela pessoa, e toda a ação do Senhor Jesus neste mundo somente pela fé podia ser entendida. Aqueles que eram os Seus patrícios, os judeus, que Ele mesmo chamou de irmãos, foram os primeiros a negarem o Senhor porque não tinham fé para ver a manifestação do Messias, do Cristo. Tinham as Escrituras que falavam do Cristo, tinham o testemunho dos profetas, tinham o testemunho de João Batista, que esteve presente no meio deles e eles não se deram conta disto porque não tinham fé. Então, se não há fé não adianta ver, não adianta ouvir.

Às vezes pensamos, ah, se eu pudesse ver seria mais fácil, mas não é assim. Aqueles que estiveram com o Senhor, os Seus próprios discípulos, Pedro, João, Tiago, Tomé e os demais que formavam os onze – já que Judas não foi contado com eles como homem de fé, pelo contrário, foi um traidor – eles só foram entender a preciosidade, quem realmente era o Senhor, mais tarde. João diz: Aquele que é o Verbo nós vimos, contemplamos, apalpamos com as nossas próprias mãos, concernente ao Verbo da vida. Só depois que o Senhor foi glorificado e enviou o Espírito Santo para morar no crente, e entre os crentes, é que eles realmente entenderam quem era aquela Pessoa que tinha estado no meio deles. Digo isto porque às vezes nos enganamos achando que se nós tivéssemos mais proximidade com as coisas de Deus, ou se víssemos algo seria mais fácil, mas não é verdade. A fé vai além de visões, manifestações, pois se fosse assim não seria fé. A fé é quando a pessoa crê naquilo que Deus fala, no que temos escrito na Bíblia. E isto é graça de Deus, assim como o Senhor veio aqui por graça, deu a Sua vida na cruz por nós porque não havia ninguém que merecesse isto. A crucificação foi a prova de que o homem era contra Deus. O Senhor Jesus não foi para a cruz com uma multidão chorando e lamentando a sua morte na cruz, pelo contrário, Ele foi rejeitado.

No evangelho de Mateus fala que Pilatos perguntou ao povo: “a quem queres que eu solte” e o povo respondeu em alta voz: Barrabás. “E quanto a este, o Cristo?” Existe uma versão que fala que eles pediram, clamaram que Ele fosse ‘urgentemente’ crucificado. Queriam-no, o quanto antes, crucificado. Então esse dia da crucificação do Senhor, tão necessária para a nossa salvação, foi um dia em que o homem mostrou o que realmente tinha no seu coração concernente a Deus. O Senhor Jesus foi rejeitado aqui, mas era necessário. Em Atos 3:17-19 lemos: “E agora, irmãos, eu sei que o fizestes por ignorância, como também os vossos príncipes. Mas Deus assim cumpriu o que já dantes pela boca de todos os seus profetas havia anunciado: que o Cristo havia de padecer. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham, assim, os tempos do refrigério pela presença do Senhor.” Pedro chama de irmãos porque eram israelitas como ele, e fala que fizeram por ignorância, mas essa ignorância não quer dizer inocência, foi por causa da incredulidade deles, e por isto ele fala arrependei-vos, se eles fossem inocentes não precisariam se arrepender.

Tem um versículo em Romanos 11 que diz quase a mesma coisa que Paulo fala aos Efésios, que o princípio da graça de Deus não é por obras. A graça não tem base em obras, graça é graça, e se fizermos alguma coisa deixa de ser graça. Romanos 11:6 diz: “Mas, se é por graça, já não é pelas obras; de outra maneira, a graça já não é graça.” Como Paulo disse aos Efésios, se é no princípio das obras não é fé, não é graça, não é salvação. Em relação à salvação, o princípio de Deus é no terreno do divino favor, Deus é o autor de todas as coisas e o que precisamos é pedir a Ele que nos dê fé para pensarmos e entendermos as coisas segundo o que Ele pensa de nós, pecadores. Se fosse no princípio de obras, de eu fazer alguma coisa, o Senhor Jesus não precisaria ter deixado a Sua glória, ter vindo a este mundo em forma de homem, ter sido humilhado e ido para a cruz, como o nosso substituto para receber o juízo de Deus que nós merecíamos. O Senhor Jesus na cruz mostra quem realmente somos, e a necessidade de um substituto em nosso lugar porque ‘o salário do pecado é a morte’, não só a morte física, é a morte de estar destituído de Deus, que é a paga por sermos pecadores. Romanos 6:23 diz:“Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor.”,

Um lado da cruz diz que o salário que tínhamos para receber de Deus, como pecadores, é o que o Senhor recebeu, a morte. Ele foi feito pecado por nós, tomou sobre Si os nossos pecados, na cruz Ele tomou o nosso lugar. Graças a Deus o versículo continua dizendo: “mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor.” Este é o outro lado da cruz. O Homem que morreu na cruz não ficou ali. Ele foi para a sepultura, ressuscitou dentre os mortos ao terceiro dia e é um homem vivo, que vive para sempre diante de Deus. Se Cristo morreu pelos meus pecados eu estou justificado diante de Deus e recebo de Deus todas as coisas que foram dadas a Cristo. Por isto é que fala que “o dom gratuito de Deus é a vida eterna”, também chamada de vida em abundância no evangelho de João. Eu recebo de Deus aquilo que eu não mereço, a salvação é um dom imerecido, é uma dádiva de Deus, uma graça de Deus, recebo tudo aquilo pelos méritos de Cristo, pois o meu salário era a morte. Se for baseado em mim é a morte, a condenação, mas se eu tenho fé, creio que Cristo morreu por mim, devo entender também que tenho todas as coisas depois da cruz, porque aquele Homem não ficou lá na cruz, o Senhor Jesus ressuscitou dentre os mortos. Então temos o outro lado que é o dom gratuito de Deus, a vida eterna.

No Velho Testamento encontramos homens de fé, no livro de Juízes há uma pessoa citada no Novo Testamento como um homem de fé, Gideão, que havia sido eleito por Deus para libertar o seu povo. Em Juízes 6:36 lemos: “E disse Gideão a Deus: Se hás de livrar Israel por minha mão, como tens dito, eis que eu porei um velo de lã na eira; se o orvalho estiver somente no velo, e secura sobre toda a terra, então, conhecerei que hás de livrar Israel por minha mão, como tens dito. E assim sucedeu; porque, ao outro dia, se levantou de madrugada, e apertou o velo, e do orvalho do velo espremeu uma taça cheia de água. E disse Gideão a Deus: Não se acenda contra mim a tua ira, se ainda falar só esta vez; rogo-te que só esta vez faça a prova com o velo; rogo-te que só no velo haja secura, e em toda a terra haja o orvalho. E Deus assim o fez naquela noite, pois só no velo havia secura, e sobre toda a terra havia orvalho.” Ele estava pedindo a Deus uma prova de que Deus livraria Israel por suas mãos. Na primeira vez ele pediu que o orvalho caísse somente sobre o velo e em volta tudo estivesse seco, e assim foi. Depois ele pediu o contrário, que somente o velo estivesse seco, e foi o que aconteceu. Por que Deus respondeu a Gideão assim? Porque estava de acordo com os pensamentos de Deus e isto nos fala de Cristo.

O Senhor Jesus é para nós a prova de que Deus nos ama. Quando esse Homem veio aqui Ele veio a uma terra seca, Deus não podia abençoar o homem no seu estado natural, a Lei Mosaica foi prova disto, porque Deus deu bênçãos para o homem com base naquilo que ele pudesse fazer; se ele cumprisse a Lei ele seria abençoado, tão abençoado que nem morrer iria, mas vemos que ninguém passou dos limites da existência natural do ciclo de vida de uma pessoa. Por isto que dois judeus perguntaram a mesma coisa ao Senhor, “o que tinham que fazer para ter a vida eterna”. A vida eterna que eles estavam mencionando não era a mesma vida eterna que nós temos hoje como cristãos. Se cremos no Senhor Jesus temos ‘vida eterna’ em glória, com Deus, conforme Paulo fala; já nas passagens dos evangelhos, a vida eterna que eles indagavam significava vida aqui, ‘vida para sempre’. Quando o jovem rico perguntou ao Senhor o que tinha que fazer para ter a vida eterna o Senhor respondeu-lhe: “Sabes os mandamentos: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, honra a teu pai e a tua mãe”, e o jovem disse: “tudo isto eu tenho feito”. Mas ele era um pecador, ninguém conseguia cumprir a Lei. Não havia um meio de Deus derramar o orvalho de bênção no homem no estado em que o homem se encontrava.

Quando o Senhor Jesus veio a este mundo Ele foi o único homem que Deus podia abençoar, foi homem perfeito, em todos os sentidos da palavra, e era aquele que, poderíamos dizer que se alguém espremesse, Ele iria encher uma taça de água, poderia saciar a sua sede. Por isto que todos que chegavam ao Senhor, ninguém saía de mãos vazias. Até o morto quando foi apresentado ao Senhor, Ele o ressuscitou. Ninguém saía da presença Dele de mãos vazias, a não ser por incredulidade. Por quê? Porque Ele era esse velo que sendo espremido, enchia uma taça, havia bênção. O Senhor Jesus teve que ir à cruz para tomar o nosso lugar, Ele se esvaziou, renunciou a todos os Seus direitos para ir para a cruz morrer por mim e por você. Na cruz Ele falou: “tenho sede”, ele estava seco, um homem maltratado, judiado, dizendo:‘tenho sede’. Esvaziou-se de tal forma para ser o nosso substituto diante de Deus em juízo. Deus derramou sobre Ele o Seu juízo para que, ficando seco esse velo, Deus pudesse abençoar a cada um de nós com o seu orvalho de favor, a bênção só podia chegar para nós por meio de Cristo Jesus. Então vemos aqui Gideão num ato até meio estranho, mas por incrível que nos pareça, estava em conformidade com os pensamentos de Deus. Deus só pode abençoar com base num favor divino.

Devemos entender que tudo que temos de Deus é por graça, não devemos pensar que podemos fazer alguma coisa. O versículo que lemos em Efésios 2:8 diz: “Pela graça sois salvos e isto não vem de vós, é dom de Deus”. Às vezes nós reportamos isto somente ao momento da crença para a salvação, entendemos que fomos salvos por graça, mas Paulo está falando mais que isto, ele está falando que é sempre assim. Muitos pensam que foram salvos pela graça, que é dom de Deus, não vem de obras para que ninguém se glorie, e entendem que pela graça foram salvos, mas acham que agora na vida cristã têm que fazer alguma coisa para manter a salvação. Errado. Não é no princípio das obras, a graça de Deus é plena, vida eterna é algo que recebemos pelos méritos de Cristo, temos tudo porque Cristo morreu por nós e Ele está agora diante de Deus. Deus está derramando o seu orvalho sobre aqueles que creem que Cristo passou pela secura na cruz para que Deus pudesse fazer isto. Isso é graça.

Voltando ao assunto da fé, devemos entender que ela está sempre em conformidade com os pensamentos de Deus. Se você ainda não é salvo você deve entender que salvação é por graça, é plena graça de Deus que já fez isto em Cristo e, se você já é salvo, saiba que todas as coisas, a nossa vida, o nosso dia a dia, tudo é Deus operando em graça. Por isto que João em sua primeira carta fala, 1 João 1:9: “Se confessarmos os nossos pecados, ele (Deus) é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.” João fala isto para crentes, então o crente é capaz de errar, de pecar, isto pode acontecer, não deve ser uma prática, mas se acontecer o que ele vai fazer, obras? Não! João recomenda confessar a Deus os pecados, e não fazer obras para ter os pecados perdoados.


Nossos pecados foram todos perdoados por Cristo Jesus e, uma vez tendo sido salvo, a pessoa tem esse princípio: que o Senhor Jesus morreu por seus pecados, o juízo que nós merecíamos foi feito em Cristo, aquele Homem foi lá e morreu em nosso lugar, pagou a nossa dívida, é esta a base de fé. Que bênção que Jesus morreu por nós! Estamos salvos e o mesmo princípio é válido para as nossas vidas agora, não temos que fazer nenhuma obra. Agora temos um Deus com quem podemos falar, compartilhar com Ele o que temos, os pecados, as aflições, os problemas, colocarmos tudo diante de Deus. É um privilégio que Cristo nos deu, termos comunhão com o Pai, com o Filho e uns com os outros, partilharmos todos da bênção, desse orvalho que Deus derramou sobre nós abundantemente por Cristo Jesus.


Luís Campos (Lemão)
Editado.


Em áudio:http://files.3minutos.net/ministerio/Uma-so-fe-evangelho-luis-lemao-campos-26012014.mp3

Compartilhe...