Êxodo 13:11-22

(recomendamos que leia esse trecho em sua Bíblia antes de prosseguir)
  
  
“Naquele dia contarás a teu filho” ordena o versículo 8. Mas no versículo 14 prevê que serão os filhos que perguntarão a seus pais. É uma situação feliz quando as crianças, vendo seus pais se comportando de forma diferente do mundo, fazem estas perguntas. Que eles possam perguntam sempre! 
  
O versículo 19 é o cumprimento do juramento para com José (Gênesis 50:25). Os ossos do patriarca devem acompanhar o povo de Deus em sua peregrinação. Uma figura de Cristo no poder de Sua morte levado conosco enquanto passamos pelo deserto deste mundo! (2 Coríntios 4:10). 
  
Os filhos de Israel partiram. Mais tarde Deus se lembrará deste dia em que Ele os tomou pela mão “para tirá-los da terra do Egito” (Jeremias 31:32). Eles terão um longo caminho a percorrer (versículos 17 e 18) para que tenham tempo para aprender as importantes lições que o Senhor deseja ensinar a eles, assim como nós. Mas Deus não apenas traçou um itinerário para Seu povo. Ele deseja que Sua presença os acompanhe na forma da coluna de nuvem durante o dia e de fogo pela noite. Que terno cuidado e proteção de Deus! Ele os guardou de ficarem desencorajados (versículo 17), os guiou como seu Líder, os protegeu do calor do sol, lhes deu luz e calor à noite (versículo 21) e nunca interrompeu Seu cuidado! (versículo 22) E Ele faz muito mais hoje, pois fomos redimidos pelo sangue do Seu Filho unigênito. Jesus fez esta promessa aos Seus: “Eis que eu estou convosco todos os dias” (Mateus 28:20). 
Texto baseado em diversos autores que se reuniam apenas ao Nome do Senhor no século XIX e XX.
Êxodo 12, 13 – JG Bellett – Cavenagh, 1866) 
 
No início de Êxodo 12, encontramos a alteração na contagem do início dos anos. Não é dito porquê, mas simplesmente, “Este mês será para vós o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos meses do ano”. Isso era uma indicação clara para o povo de Israel de que eles entrariam em alguma nova conexão com Deus assumindo algum novo caráter diante Dele ou seriam reconhecidos em alguma nova relação; e que isso era necessário. “Este mês será para vós o princípio dos meses”. E isto foi dito a eles enquanto ainda estavam no Egito, o lugar de morte e juízo, o lugar da natureza ou da carne. 
Essa indicação dada logo no início foi rapidamente explicada. “Deus é Seu próprio intérprete”, no instante seguinte em que a congregação é apresentada ao Cordeiro de Deus, cujo sangue era para protegê-los do destruidor; isto é, ser a sua súplica cheia e a resposta ao trono do juízo onde a justiça senta. 
Isto é simples, claro e abençoado. Isso é ensinado imediatamente para Israel – que o novo caráter no qual eles agora deveriam andar com Deus era o de um povo comprado pelo sangue, uma geração redimida e resgatada. Esta era a forma pela qual a nova vida, o novo ano, no qual eles agora estavam entrando, deveria tomar. Esta foi sua nova criação, seu segundo nascimento. Eram novas criaturas, sendo pecadores reconciliados. 
Esta verdade toma forma do Novo Testamento em 2 Coríntios 5:16-19. A nova criatura é aquele pecador que anda com Deus na fé e no sentimento de reconciliação. “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. E tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo e nos deu o ministério da reconciliação”. Este é o homem que começa o novo ano, entrando em uma nova vida, sendo uma nova criatura, como um pecador reconciliado pelo sangue pascal de Jesus. Assim declara 1 Pedro 1:25. Ele é declarado ter nascido de novo pela palavra do Evangelho pregada e que o Evangelho é a mensagem da redenção pelo sangue do Cordeiro. Com isso, ele se torna um tipo das primícias das criaturas de Deus (Tiago 1). 
A intimação da nova criatura que tivemos aqui neste capítulo 12 de Êxodo é assim logo interpretada – e a interpretação é confirmada por uma e outra passagem no Novo Testamento. Mas há muito mais do que isso em analogias entre esses dois capítulos e as passagens do Novo Testamento. 
*A estrutura de João 3 é semelhante a Êxodo 12. Em João, o Senhor começa dizendo sobre a necessidade de nascer de novo ou de ser uma nova criatura, mas não sem depois interpretar como isso deve ser (Ver versículo 3 e depois 14 e 15) 
No final do capítulo 12, encontramos Israel, agora redimido, agindo sobre os outros. Eles são ensinados a lidar com “estranhos”. Eles deveriam dizer que eram bem-vindos para entrarem nas regiões da nova criação, como havia sido com este povo – para que pudessem comer da páscoa ou celebrar a redenção com eles; somente que seriam circuncidados assim como foi com eles. Eles devem renunciar a si próprios na carne, ou na condição de criação antiga, e então podem entrar no novo ano com eles, a nova vida, a nova criação de Deus em Cristo Jesus. Não deve haver confiança na carne, mas uma alegria em Cristo Jesus – isto é a circuncisão (Filipenses 3:3). 
Em Atos, este é o principal testemunho formal e o depositário deste ministério evangélico dos redimidos. Lá, os santos são vistos dirigindo-se a “estranhos”, e fazendo isso no modo simples destas passagens- Êxodo 12:43-49. Que possamos “respirar” a atmosfera do Novo Testamento quando lemos estes versículos. Estamos em companhia do Espírito que mais tarde anima o livro dos Atos. Na reconciliação do sangue pascal, o sangue do Cordeiro de Deus, dizemos a tudo ao nosso redor, que o reino sobre o seu novo nascimento, sobre a sua fé Naquele que morreu por nossos pecados e foi ressuscitado para Nossa justificação é Dele. “Somos embaixadores de Cristo, como se Deus vos rogasse por nós”, ainda dizemos a “estranhos”, “sede reconciliados com Deus” (ver o capítulo já citado, 2 Coríntios 5:20 e 21).
Quão doce, quão convincente, quão precioso é isso, assim, nos encontramos na mente e com os princípios do Novo Testamento ao lermos estes primeiros oráculos no Antigo! Mas há mais disso. 
O santo deve cuidar de si mesmo, bem como ao dirigir-se a “estranhos”. E cuidar de si mesmo, encomendar os seus caminhos e nutrir a sua alma, nas peculiaridades do chamado de Deus e segundo a mente do Espírito. Isso é o que encontramos em Êxodo 13; e isso também encontramos, formalmente e caracteristicamente, nas epístolas do Novo Testamento. 
No capítulo 13, vemos o Israelita de Deus, agora redimido pelo sangue e colocado na presença e comunhão com Deus, andando de acordo com este seu lugar e seu chamado. Ele encontra suas fontes em Deus, seus motivos e aprovações, e secretas virtudes eficazes naquilo que Deus fez e tem feito por ele. Purificando a si mesmo, guardando a festa dos pães asmos, ele entrega-se e dedica-se, tornando seu novo nascimento e seu primogênito ao Senhor; e se for perguntado para ele o motivo de toda essa limpeza de si mesmo, por que toda esta devoção, ele simplesmente fala o que o Senhor fez por ele, quando ele estava no Egito, um escravo no lugar de morte e de juízo. Isso é tudo o que ele tem a dizer, embora ele seja desafiado repetidas vezes. Suas fontes de vida moral são conhecidas por virem da salvação de Deus. 
Isto é verdadeiramente abençoado. Isto diz ao Deus vivo: “Todas as minhas fontes estão em Ti”. E este é o idioma da nova criatura em Cristo Jesus, como vemos nas epístolas do Novo Testamento. De modo que, neste capítulo 13, ainda estamos, como já disse, na atmosfera do Novo Testamento. Pois lá estão as misericórdias que recebemos, as promessas que nos foram feitas, a graça que trouxe a salvação, o fato de que fomos comprados por um preço, o grande mistério do Evangelho de que somos lavados de nossos pecados, redimidos, santificados, que são reconhecidas como as fontes de todo comportamento moral e devoção pessoal – naturalmente tem sua eficácia em nós pela presença e poder do Espírito Santo. (Ver Romanos 12, 2 Coríntios 7, Tito 2, 1 Coríntios 6, Romanos 6) 
E outro lembrete do caráter que encontramos no Novo Testamento está nos versículos 3, 4 deste mesmo capítulo 13. Ali, Israel é chamado a “lembrar-se” do dia de sua libertação. Isto é certamente, como destaquei, no caráter ou espírito do Novo Testamento. Tanto é assim que a ordenança permanente no meio dos santos hoje é uma festa de lembrança (1 Coríntios 11:23-26). E outras passagens também do Novo Testamento nos ensinam que essa lembrança deve ser o principal tema da eternidade ou da vida dos redimidos em glória (Apocalipse 1:5, 5:9) 
Compartilhe...