Êxodo 1:1-22

(recomendamos que leia esse trecho em sua Bíblia antes de prosseguir)
 
 
Em Êxodo os filhos de Israel foram tirados do Egito por Deus; no livro de Atos (o livro mais ou menos correspondente a esse do Novo Testamento) os filhos de Deus (crentes) são tirados da religião daqueles dias, o judaísmo. “Êxodo” significa “saída”. Deus sempre leva para fora antes de trazer para dentro. Um crente não pode cometer maior erro do que achar que pode entender os pensamentos de Deus com sua mente natural. Devemos colocar para fora de nossa vida, em primeiro lugar, as coisas que sabemos não agradar a Deus. Leia devagar, algumas vezes, e medite em Isaías 1:16,17. Portanto hoje começamos o Livro da “saída”. 
 
Este livro começa com uma lista de todas as famílias a serem tiradas. Para o crente hoje, Deus conhece todos os que são salvos. (Atos 15:16-18), nossos nomes estão escritos em Seu livro da vida (Apocalipse 20:15) e fomos escolhidos antes da criação do mundo (Efésios 1:4). Jesus diz que o bom pastor “chama suas ovelhas pelo nome” (João 10:3). 
 
As circunstâncias mudaram completamente na terra do Egito entre Gênesis e Êxodo. 
O que agora caracteriza Faraó e seu povo é que eles não conhecem José (versículo 8, Atos 7:18). Aquele que salvou o Egito e preservou a vida de toda uma nação foi completamente esquecido! O mesmo acontece no mundo atual, do qual Satanás é o príncipe. Jesus, o Salvador não tem lugar nos pensamentos e corações dos homens. E da mesma forma, como resultado de não conhecer a Deus e Seu Filho, as almas são mantidas em dura servidão, sob a qual alguns gemem, mas a grande maioria permanece despreocupada. Esta escravidão em que Satanás mantém os homens é retratada de forma contundente pelo serviço implacável a que os filhos de Israel são submetidos (versículo 13). As tribulações fazem o povo entender que estava em terreno inimigo. Esse é o efeito das nossas tribulações. Este não é o lugar para nos estabelecermos. Mas o assunto do livro de Êxodo é a redenção: a libertação do povo de Deus arrebatado deste poder terrível, e para isso, é necessária uma descrição do seu estado trágico. 
 
O rei ímpio ordena a morte de todos os bebês recém-nascidos dos israelitas (ver Mateus 2:16). Na história houve três governantes malignos que ordenaram a morte de crianças inocentes, Faraó, Atalia (2 Reis 11) e Herodes (Mateus 2). Estas atrocidades inspiradas por Satanás visavam a extinção da linhagem messiânica. Satanás nunca se esqueceu da promessa dada por Deus em Gênesis 3:15.  Mas Deus usa mulheres que O temem e não temem o mandamento do rei para derrotar os projetos do Inimigo. Em um mundo arruinado pelo pecado e seus efeitos, muitas vezes, a obediência a um direito mais elevado só é possível desobedecendo. Neste caso, como em tudo o mais, “o temor do Senhor é o princípio da sabedoria” (Salmo 111:10). 
 
O homicídio está no coração de Faraó (como Satanás – João 8:44). Assim também a situação de Israel enquanto estava no Egito é uma figura do crente – a sentença de morte estava sobre nós – mas fomos libertados por Deus. Quão precioso para o coração de Deus são todas marcas de fidelidade no meio desta cena onde Satanás reina. Mas devemos sempre lembrar, a pessoa que o Senhor usar nunca é perfeita. Apenas Cristo é perfeito.
Texto baseado em diversos autores que se reuniam apenas ao Nome do Senhor no século XIX e XX.

Compartilhe...