As parábolas de nosso Senhor – Os dois construtores

Qualquer que vem a mim, e ouve as minhas palavras, e as observa, eu vos mostrarei a quem é semelhante. É semelhante ao homem que edificou uma casa, e cavou, e abriu bem fundo, e pôs os alicerces sobre rocha; e, vindo a enchente, bateu com ímpeto a corrente naquela casa e não a pôde abalar, porque estava fundada sobre rocha. Mas o que ouve e não pratica é semelhante ao homem que edificou uma casa sobre terra, sem alicerces, na qual bateu com ímpeto a corrente, e logo caiu; e foi grande a ruína daquela casa (Lucas 6:47-48).

Tanto Mateus como Lucas citam essa parábola de examinar o coração no final do sermão de nosso Senhor no monte. Multidões ouviram Seu ensino com admiração e se maravilharam. Suas palavras graciosas os atraíram, e Sua autoridade ao falar (tão diferente dos escribas) exigia pelo menos o respeito dessas multidões. Na opinião deles, “Nunca homem algum falou assim como este homem”.

O coração humano é deploravelmente inconstante e irreal. Isso leva os homens a ouvirem e até a aprovarem o que ouvem, sem obedecer à mensagem celestial. Daí a importância da parábola dos dois construtores. O homem que ouve fica claramente em uma posição completamente diferente daquele que não ouve. O último é totalmente indiferente; o primeiro dá mais ou menos atenção às coisas que são eternas. Mas, a menos que seu único fundamento seja o ensino do Filho de Deus, ele não tem absolutamente nada que o ajude quando chegar a tempestade do juízo divino. “Volte-se para Jesus” é o clamor de nossos dias. Bem, que seja assim; mas o que Cristo nos disse? Em João 3:5, Ele fala da necessidade de todo homem nascer de novo; no versículo 14 deste mesmo capítulo, ele declara a necessidade absoluta de Seu sacrifício expiatório: e depois no versículo 16 passa a mostrar que o coração de Deus forneceu o que o trono de Deus exigia. “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito”. Seus próprios lábios nos disseram também que o futuro eterno de todo homem depende de sua atitude para com Ele. “Volte-se para Jesus”, se dito de forma real, deve levar os homens a se curvarem aos Seus pés em humilde reconhecimento de Sua pessoa e sacrifício. Todos os que tomaram este lugar feliz lançaram suas bases sobre a rocha e, para eles, o iminente juízo de Deus, por mais terrível que seja, não amedronta.

“Mas o que ouve e não pratica é semelhante ao homem que edificou uma casa sobre terra, sem alicerces, na qual bateu com ímpeto a corrente, e logo caiu; e foi grande a ruína daquela casa” (Lucas 6:49), Assim, de forma clara, o Senhor de todos descreve o colapso de todas as esperanças daqueles que não construíram sobre Suas palavras. O céu está silencioso hoje: nenhum raio de fogo vindo para levar os culpados à eterna angústia; mas um verdadeiro furacão de ira divina surgirá, o que revelará indiscutivelmente onde os homens realmente estão. Toda superestrutura irreal irá então balançar e cair. O exterior moral e religioso mais justo não protegerá do juízo, a não ser aqueles que se reconhecendo pecadores perdidos depositam sua fé e confiança no Salvador e em Seu sangue precioso. Como o profeta declarou há séculos: “a saraiva varrerá o refúgio da mentira, e as águas cobrirão o esconderijo” (Isaías 28:17). Feliz, eternamente feliz, é o homem que edificou sobre Cristo, o Filho de Deus. Este fundamento permanecerá, e somente esse.

W. W. Fereday

Compartilhe...