As parábolas de nosso Senhor – O fermento

O Reino dos céus é semelhante ao fermento que uma mulher toma e introduz em três medidas de farinha, até que tudo esteja levedado (Mateus 13:33)

De todas as parábolas de nosso Senhor, provavelmente nenhuma foi tão incompreendida como a do fermento escondido na farinha. Muitos afirmam com grande confiança que esta parábola mostra o mundo inteiro convertido pelas influências abençoadas do cristianismo. Infelizmente para essa interpretação, toda passagem das Escrituras que lida com o fim da era atual não fala de conversão e bênção, mas de apostasia e maldade como características.

Êxodo 12:15 e Levítico 2:11 será suficiente para mostrar como o público judeu que ouvia ao Salvador deve ter entendido a comparação do fermento. Por quinze séculos, eles estavam sob o comando divino de excluir o fermento de suas casas durante suas festas religiosas e eram proibidos de misturá-lo com qualquer uma de suas ofertas queimadas. É, portanto, o emblema do que é mau e, dessa maneira, era frequentemente usado pelo Salvador em Seu ensino. O fermento dos fariseus, o fermento dos saduceus e o fermento de Herodes, representando respectivamente o ritualismo, o racionalismo e o mundanismo, todos vinham de tempos em tempos sob Sua crítica.

Como então devemos entender a parábola? Algo de caráter corrupto é mostrado como subjugando tudo ao seu redor em uma determinada área. É a doutrina cristã na forma viciada em que “a Igreja” a apresentou ao mundo desde que cessou a atividade apostólica. Nações inteiras tornaram-se cristianizadas, daí a palavra familiar “cristandade”. Nem todas as nações da terra certamente, pois o paganismo, o budismo e o islamismo mantêm o domínio sobre a maior parte da humanidade. Mas o que o cristianismo das nações conseguiu? Seria tolice supor que, quando os historiadores nos dizem que tais e tais nações abraçaram o cristianismo há muito tempo, que necessariamente todas as pessoas que compunham essas nações se converteram à salvação em Deus. Nada disso, mas simplesmente o resultado de certas influências exercidas sobre eles, foram induzidos a mudar de religião. Mas uma igreja infiel, a fim de tornar o cristianismo agradável para as massas, comprometeu a verdade de Deus de maneira lamentável. Assim, como os pagãos estavam acostumados há eras a manter comemorações em determinadas épocas do ano em honra de seus deuses, eles sofriam para continuar com elas em nome de Cristo. Esta é a origem profana do natal e festas de fim de ano, por exemplo.

O cristianismo é essencialmente de uma ordem espiritual e celestial das coisas. Nele está revelado o coração de Deus aos homens em graça que perdoa, apagando todas as ofensas de todos os que creem no sangue expiatório do Salvador, do Cordeiro de Deus. A todos estes é concedida uma nova posição pelo favor divino Naquele que ressuscitou e está agora, neste momento, em glória com Deus. A estes pertencem o céu, não apenas como um lugar de repouso quando este mundo não puder mais ser mantido, mas como um lugar em que eles agora deveriam viver pela fé. Tudo isso, e muito mais que é de infinita importância e bem-aventurança tornou-se totalmente obscurecido pela invenção de um sistema clerical, que substitui o invisível pelo visível e a Cristo pelo padre, “pastor”… Essa é a forma, infelizmente, na qual o mundo mais conhece o cristianismo. É fermento, corrupto e corrompendo até que a paciência divina termine, quando será varrida para fora do caminho em grande juízo.

W. W. Fereday

Compartilhe...