As parábolas de nosso Senhor – O bom samaritano

Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram e, espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto. E, ocasionalmente, descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo. E, de igual modo, também um levita, chegando àquele lugar e vendo-o, passou de largo. Mas um samaritano que ia de viagem chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão. E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, aplicando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem e cuidou dele; E, partindo ao outro dia, tirou dois dinheiros, e deu-os ao hospedeiro, e disse-lhe: Cuida dele, e tudo o que de mais gastares eu to pagarei, quando voltar (Lucas 10:30-35)

Essa emocionante parábola foi relatada pelo Salvador como uma repreensão a um doutor da lei que procurava defeitos no que Ele dizia, esse doutor O havia provocado quanto ao que deveria fazer para herdar a vida eterna (Lucas 10:25-37). Para alguém que buscasse realmente por isso, Ele teria respondido que a vida eterna é um dom, um presente de Deus para aqueles que creem em Seu Filho; mas para alguém assim, ele só podia falar da lei do Sinai. Sem se envergonhar (apesar de ser um representante da lei divina), seu questionador perguntou: “E quem é meu vizinho?” Essa parábola foi então dada, ela fornece não apenas uma resposta completa para a pergunta, mas também mostra de maneira clara como Deus vê a condição totalmente arruinada do homem. Qualquer um que entenda a parábola do bom samaritano jamais tentaria obter a vida eterna por obras de qualquer tipo.

O homem que desceu de Jerusalém a Jericó e que experimentou uma jornada tão desastrosa é um personagem representativo; nele, é possível que todo homem veja seu próprio retrato. É tolice falar do progresso humano; O curso do homem tem sido um péssimo comportamento desde a queda no Éden. Ele caiu nas mãos das hostes malignas, que o despojaram de sua outrora bela túnica de inocência, ferindo-o mortalmente. Sua condição é desesperadora no que diz respeito à ajuda à criatura.

Duas pessoas passaram enquanto o viajante ferido jazia em seu sangue, um sacerdote e um levita; mas nenhum deles ofereceu uma mão amiga. No entanto, a lei ensinava que até o jumento de um inimigo deveria ser socorrido se ele fosse visto gemendo debaixo de sua carga (Êxodo 23:5). Mas por que o Salvador escolheu, dentre as muitas classes de homens, o sacerdote e o levita como aqueles que nada fizeram pelo moribundo? Certamente, para nos ensinar a total incapacidade do sistema que esses personagens representavam para atender à necessidade do homem arruinado. O sacerdote fala daquele que se ocupa com as formalidades e cerimônias religiosas, e o levita daquele que era responsável por instruir o povo na lei de Deus: ainda assim, ambos são apresentados como incapazes por um homem em sua hora de perigo mortal. Que lição! No entanto, tão pouca atenção foi prestada foi prestada, que até a esta hora, multidões em sua busca pela salvação se lançam, algumas sobre padres, bispos, pastores, falsos apóstolos e outras sobre moralistas, para suprir sua profunda necessidade. O erro disso é doloroso de se ver.

“Mas um samaritano que ia de viagem chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão. E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, aplicando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem e cuidou dele”. Assim, de forma clara, o Salvador descreve Sua missão de graça. Ele viajou, descendo da glória do céu até alcançar o Calvário, onde inclinou a cabeça na morte expiando pela culpa humana. Com o homem sob sentença de morte, Ele precisava sofrer e morrer para tirá-lo de sua degradação e ruína. Certa vez, com desprezo, os judeus o chamaram de samaritano (João 8:48); em nossa parábola, Ele humildemente aceita o título. No entanto, o desprezo do homem não seca as fontes de Sua graça, daí a provisão amorosa do azeite e do vinho, representando a aplicação do Espírito à alma da eficácia curativa de Seu precioso sangue. Na imagem diante de nós, temos o homem, curado, transportado e tratado de todas as maneiras. Existe ainda um aspecto mais elevado da graça salvadora – o pecador trazido à presença do Pai, para ser para sempre um participante das alegrias divinas. Mas isso veremos na parábola do filho pródigo.

W. W. Fereday

Compartilhe...