Conforto das Escrituras para a Quinta-Feira

Amados, peço-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais das concupiscências carnais, que combatem contra a alma.

O crente em Cristo precisa sempre se lembrar que estamos na terra como “peregrinos e forasteiros (estranhos)” e que “nossa conversação [ou cidadania] está no céu, donde também aguardamos um Salvador, o Senhor Jesus Cristo”, e “não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a vindoura”. Não somos apenas “estranhos (forasteiros)” — pois nosso Senhor disse que “não são do mundo, assim como eu não sou do mundo” — somos também “peregrinos”, pois estamos viajando em direção ao céu e à glória. Quanto precisamos da ajuda do Senhor para nos “abstermos das concupiscências carnais, que combatem contra a alma”. Assim como Davi, precisamos clamar: “Ouve, Senhor, a minha oração… porque sou para contigo como um estranho, um peregrino”. Verdadeiramente “sou peregrino na terra; não escondas de mim os teus mandamentos”. Lembrando-nos de nosso caráter de peregrinos e que “tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não vem do Pai, mas sim do mundo”, então “não ajunteis para vós tesouros na terra; onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões minam e roubam; mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consumem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração.”

Sou um estranho aqui na terra,
Viajando para o céu tão justo;
Senhor, guarda-me de amar o mundo
Para que eu não caia na armadilha.

1 Pedro 2:11 ~ Filipenses 3:20 ~ Hebreus 13:14 ~ João 17:14 ~ Salmos 39:12 ~ Salmos 119:19 ~ 1 João 2:16 ~ Mateus 6:19-21

Compartilhe...