Por que o Senhor foi condenado?

É muito interessante ver que todos os esforços para condenar o Senhor como digno da morte com base nas evidências das falsas testemunhas falharam. Foi pela verdade que Ele morreu. Isso e, em particular, o habitual ódio da verdade por parte dos líderes dos judeus tinham que ser claramente demonstrados. “Temos uma lei”, diziam eles, “e pela nossa lei ele deve morrer, porque se fez FILHO DE DEUS” (João 19:7). Foi por Sua própria confissão quanto a isso que O condenaram. Que cena comovente deve ter sido no palácio do sumo sacerdote. Testemunha falsa após testemunha falsa foi chamada, a fim de encontrar algum motivo para Sua morte, e Ele não respondeu uma palavra. Ele não estava lá para responder a falsas acusações ou defender Seu próprio caráter, mas pela verdade. Então, o sumo sacerdote, vendo a inutilidade dos procedimentos, levantou-se de sua cadeira, agitado e O acusou, em nome do Deus vivo, de lhes dizer se era o Cristo, o Filho de Deus. A essa acusação, o Senhor tinha uma resposta, quaisquer que fossem as consequências, Ele deveria dar testemunho da verdade. Em sua loucura, o sumo sacerdote rasgou suas roupas, e por esse ato ele destruiu seu sacerdócio, e declarou o Senhor culpado de blasfêmia. E todos responderam: “Ele é culpado de morte”. Deuteronômio 21:22: “Quando também em alguém houver pecado, digno do juízo de morte, e haja de morrer, e o pendurares num madeiro, o seu cadáver não permanecerá no madeiro, mas certamente o enterrarás no mesmo dia, porquanto o pendurado é maldito de Deus”. A partir desse momento, eles decidiram que Ele deveria ser pendurado em um madeiro, não apenas o objeto de suas acusações, mas, como eles esperavam, amaldiçoado por Deus.
Mas essa confissão do Senhor de que Ele era o Filho de Deus não era nada para o juiz romano; ele devia ter algo mais do que isso para condená-lo também. Daí a acusação de que Ele se fez rei. Quando Pilatos perguntou a Ele, o Senhor novamente confessou a verdade. Por isso, Ele veio ao mundo. Portanto, a acusação que Pilatos escreveu e colocou sobre sua cabeça na cruz não foi: Este é o Filho de Deus, mas “Este é Jesus, O REI DOS JUDEUS”.
Então, Ele foi crucificado porque confessou que era o Filho de Deus e um Rei. Como Filho de Deus, Ele foi Aquele que trouxe a revelação de Deus ao mundo, como Rei, Ele é quem deve estabelecer e manter os direitos de Deus no mundo. O primeiro fala de AMOR, o segundo fala de JUSTIÇA. Mas nem o amor de Deus nem a justiça de Deus puderam ser tolerados quando foram estabelecidos em toda a perfeição em Jesus. O amor foi desprezado e a justiça zombada. Preferiram César, o tirano romano, a Deus, revelado em Jesus, e então eles O crucificaram.
Podemos render graças a Deus que conhecemos nosso Senhor, tanto como o Filho de Deus como o Rei de Israel, e que Ele ainda deve possuir a nação que O rejeitou, quando O verem, o Filho do Homem, sentado à direita do poder e vindo nas nuvens do céu. E antes do dia de Sua glória pública, podemos nos alegrar por termos sido trazidos à Sua assembleia, onde Ele é conhecido como o Filho de Deus, o Revelador do Nome e do coração do Pai, e o Senhor, que estabelece e mantém, mesmo agora, os direitos de Deus. Pois no meio de Seus irmãos, a quem Ele declarou o Nome do Pai, Ele canta louvores a Deus e, portanto, Deus é glorificado (Hebreus 2).

J. T. Mawson

Compartilhe...