Nos gloriarmos nas tribulações – John Thomas Mawson (1871-1943)

 

“E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações” (Romanos 5:3). Li este versículo para uma senhora cristã que sofria de uma doença muito dolorosa. Ela me respondeu: “Isso é algo que nunca fui capaz de fazer”; “Peço a Deus que me dê paciência e que me mantenha sob Sua vontade, pois tenho a certeza que Ele sabe o que é melhor, mas não vou além disso, e não vejo como alguém pode, porque ninguém gosta de sofrer”.

“Talvez se você visse qual é o fim que Deus tem em vista para você, quem sabe você poderia se gloriar em sua tribulação. Vou tentar explicar o que quero dizer?”, eu disse. Com a permissão dela usei esta estória…

Um famoso escultor foi até uma pedreira, escolheu um bloco de mármore e transportou esse bloco para o seu ateliê. Era um bloco áspero e feio, e parecia estranhamente deslocado entre tantas estátuas maravilhosas que ali se encontravam. Mas, dia após dia, o escultor concentrava sua energia nele, martelando, cinzelando, tirando uma lasca aqui e outra ali. O mármore já estava incomodado com esse tratamento e finalmente abriu a boca e disse: “Escultor, não gosto da maneira como você está me tratando. Estou fazendo o possível para ser paciente e deixar você fazer o que tem que fazer, mas desejo que pare de tirar estas lascas de mim!”. 

Mas o escultor respondeu ao mármore: “Se você soubesse o que estou fazendo com você, ficaria feliz e me deixaria continuar com meu trabalho sem nenhuma interrupção”.

“Então por favor, me mostre qual é o seu propósito, e isso pode me ajudar a suportar melhor toda a dor e desconforto”, disse o mármore. O escultor então colocou diante do mármore alguns desenhos maravilhosos e um belo modelo e disse: “Essa é minha intenção para você, e não ficarei satisfeito ou cessarei meu trabalho com você até que tenha alcançado meu propósito!”.

O mármore ficou impressionado e emocionado com a visão e disse consigo mesmo: “É possível que eu fique assim tão belo? Daqui em diante ficarei quieto e deixarei a mão do mestre continuar seu trabalho de transformar minha feiura naquela imagem gloriosa”. E daquele dia em diante, cada golpe do martelo e cada lasca com o cinzel o fazia dizer: “Isso me deixa muito mais perto do maravilhoso modelo que o escultor me mostrou”.

Esta foi a estória e aqui está a interpretação dela. Em Romanos 8:29 nos diz que Deus nos predestinou para sermos CONFORMES À IMAGEM DE SEU FILHO, para que Ele seja o primogênito entre muitos irmãos. Ele nos encontrou como um bloco áspero e feio da pedreira para nos moldar à Sua glória celestial, e neste contexto lemos: “sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus” (Romanos 8:28), daqueles que são chamados de acordo com o Seu propósito. Sendo assim, se quisermos nos gloriar na tribulação, a cada lasca tirada pelo cinzel do Escultor, devemos ver o modelo que ele tem para nós e contemplá-lo; e que modelo o nosso – a imagem do Filho de Deus, e que amor maravilhoso está por trás de tudo isso. Contemplar a graça, a bondade e a sabedoria de Deus transformam nossa murmuração em resignação e confiança, mas quando vemos Seu propósito para nós em Cristo, então nossa resignação dá lugar à alegria. Nos gloriamos também na tribulação, pois sabemos que tudo que agora opera, opera para sermos conformes o Filho de Deus.

Compartilhe...