As parábolas de nosso Senhor – Os dois servos

O Reino dos céus pode comparar-se a um certo rei que quis fazer contas com os seus servos; e, começando a fazer contas, foi-lhe apresentado um que lhe devia dez mil talentos. E, não tendo ele com que pagar, o seu senhor mandou que ele, e sua mulher, e seus filhos fossem vendidos, com tudo quanto tinha, para que a dívida se lhe pagasse. Então, aquele servo, prostrando-se, o reverenciava, dizendo: Senhor, sê generoso para comigo, e tudo te pagarei. Então, o senhor daquele servo, movido de íntima compaixão, soltou-o e perdoou-lhe a dívida. Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos que lhe devia cem dinheiros e, lançando mão dele, sufocava-o, dizendo: Paga-me o que me deves. Então, o seu companheiro, prostrando-se a seus pés, rogava-lhe, dizendo: Sê generoso para comigo, e tudo te pagarei. Ele, porém, não quis; antes, foi encerrá-lo na prisão, até que pagasse a dívida. Vendo, pois, os seus conservos o que acontecia, contristaram-se muito e foram declarar ao seu senhor tudo o que se passara. Então, o seu senhor, chamando-o à sua presença, disse-lhe: Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste. Não devias tu, igualmente, ter compaixão do teu companheiro, como eu também tive misericórdia de ti? E, indignado, o seu senhor o entregou aos atormentadores, até que pagasse tudo o que devia. Assim vos fará também meu Pai celestial, se do coração não perdoardes, cada um a seu irmão, as suas ofensas (Mateus 18:23-35)

Uma das características mais terríveis da natureza humana caída – a insensibilidade à graça divina – é exposta em toda a sua forma mais chocante na parábola dos dois servos. Ela foi contada pelo Senhor nestas circunstâncias… Pedro acabara de perguntar ao Senhor se sete vezes seria suficiente para perdoar um irmão que erra e recebeu a surpreendente resposta: “Até setenta vezes sete”. Então, imediatamente foi apresentada a parábola dos dois servos e nela a graça abundante de Deus e o mal incorrigível do homem são claramente revelados.

De forma resumida ela diz que um certo rei quis fazer contas com seus servos e encontrou um que lhe devia dez mil talentos, segundo alguns, o equivalente a dez milhões de dólares. Como o devedor não tinha um tostão, o rei ordenou que ele e sua esposa, filhos e tudo quanto tinha fossem vendidos. Em sua angústia, o devedor caiu aos pés de seu senhor, gritando: “Senhor, tenha paciência e eu pagarei tudo”. Com o coração movido de compaixão, toda a grande dívida foi imediatamente perdoada. Depois, o perdoado encontrou um colega que lhe devia cem dinheiros – cerca de cinco dólares; e, em vez de estender a esse seu devedor a mesma compaixão mostrada a ele tão recentemente, o agarrou pela garganta dizendo: “Pague-me o que deve”. Em sua total falta de coração, ele não deu ouvidos às súplicas de seu companheiro, mas o lançou na prisão até que o pagamento fosse feito.

Essa parábola pode ser entendida tanto do ponto de vista dispensacional quanto moral. Dispensacionalmente, nos apresenta a história do povo de Israel. Séculos de transgressão de lei os tornaram graves infratores antes que o Filho de Deus viesse ao mundo, e além da desobediência clara, eles então acrescentaram a enorme culpa de derramar Seu sangue. Em resposta à Sua oração graciosa: “Pai, perdoa-lhes”, o favor divino foi mostrado à nação depois que o Espírito Santo desceu do céu. Foi primeiro a Israel que foi enviado o Evangelho do perdão divino (Atos 3:26). Isso, em vez de derreter seus corações, serviu apenas para trazer à tona sua absoluta insensibilidade moral à bondade de Deus. Desprezando o Evangelho, em seu ódio aos gentios, eles colocam todos os obstáculos possíveis para que não fosse pregado a eles (1 Tessalonicenses 2:16). Isso encheu seu cálice de iniquidade até a borda. Agora estão sofrendo a disciplina divina até que seu tempo determinado seja cumprido e tenham recebido da mão de Jeová em dobro por todos os seus pecados (Isaías 40:2).

Também podemos entender essa parábola do ponto de vista moral. Olhada dessa forma, ela apela em voz alta a todos nós. Todo homem é um infrator em relação a Deus. Devemos a Ele perfeita obediência e o amor, mas ninguém dentre nós faz isso. No entanto, o coração de Deus anseia por todos os seus devedores falidos e, com base no sangue expiatório de Jesus, Ele proclama perdão total a todos. Miríades professam ter recebido Seu perdão. “Eu creio no perdão dos pecados” é a linguagem das multidões na cristandade diariamente. Mas, normalmente, a conduta ao longo do tempo mostra se a graça de Deus realmente penetrou na alma. Onde esse é o caso, o perdoado caminha com gratidão no espírito da graça em direção a todos, sofrendo humildemente o mal e buscando sinceramente o bem eterno de todo homem. Aqueles que se contentam em dizer “Senhor, Senhor” embora não façam as coisas que Ele diz, acabarão por se encontrarem no lugar do servo iníquo de nossa parábola, que foi severamente denunciado por seu senhor por sua hipocrisia e maldade, e foi imediatamente entregue aos atormentadores. “Porque o juízo será sem misericórdia sobre aquele que não fez misericórdia” (Tiago 2:13 ). Nada menos que a realidade naqueles que são Seus deixará Deus satisfeito.

W. W. Fereday

Compartilhe...