Conforto das Escrituras para a Sexta-Feira

“O mesmo Senhor da paz vos dê sempre paz de toda a maneira” [1]

Deus deseja que os corações de Seu povo redimido sejam cheios com Sua própria “paz [sempre] de toda a maneira” [1]. Ele é “o Deus de paz, que pelo sangue da aliança eterna tornou a trazer dos mortos a nosso Senhor Jesus Cristo, grande pastor das ovelhas” [2]. Na noite anterior à cruz, nosso Senhor disse aos Seus: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” [3]. Paz é exatamente o oposto da agitação e do medo. Deus não quer que nós estejamos continuamente agitados e preocupados com nossos problemas ou nossas circunstâncias. Eles quer que tenhamos Sua paz em nossos corações, independentemente de nossas circunstâncias. Ele nos disse: “Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus” [4]. Assim, “a paz de Deus… domine em vossos corações; e sede agradecidos” [5]. “Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti” [6].

Paz quando há problemas?
Paz quando o coração está dolorido?
Sim, Sua própria paz para guardar-nos,
Quando em Jesus permanecemos.

[1] 2 Tessalonicenses 3:16; [2] Hebreus 13:20; [3] João 14:27; [4] Filipenses 4:6‑7; [5] Colossenses 3:15; [6] Isaías 26:3

Diário do Cristão para a Quinta-Feira

Jovens das Escrituras

Samuel

“Samuel ministrava perante o Senhor, sendo ainda jovem, vestido com um éfode de linho… E o jovem Samuel ia crescendo, e fazia-se agradável, assim para com o Senhor, como também para com os homens… E crescia Samuel, e o Senhor era com ele, e nenhuma de todas as suas palavras deixou cair em terra.
E todo o Israel, desde Dã até Berseba, conheceu que Samuel estava confirmado por profeta do Senhor” (1 Samuel 2:18,26; 3:19-20).

Samuel é um exemplo notável de homem de fé e coragem no Antigo Testamento. No entanto, é importante ter em mente que tudo começou quando ele era um menino. Em 1 Samuel, capítulo 2, lemos sobre o chamado do Senhor e o ouvido aberto e atitude obediente de Samuel. Ele também se dispôs a servir no templo sob a direção do sacerdote Eli. Como resultado, ele foi criado para ser um grande profeta e juiz e uma tremenda bênção para o povo de Deus durante toda a sua vida.

Se vamos ser usados ​​pelo Senhor, tudo começa com as pequenas coisas. “Quem é fiel no mínimo, também é fiel no muito” (Lucas 16:10). Também começa com a disposição de ouvir e obedecer à Palavra de Deus. Não temos que esperar até ficarmos mais velhos para “ministrar perante o Senhor”. Aprendamos a servi-Lo nos dias de nossa juventude.

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Quinta-Feira

“O qual nos declarou também o vosso amor no Espírito” [1]

O amor com o qual somos chamados a amar uns aos outros não é mero amor humano, que é tão facilmente ofendido e resfriado; é, antes, “o amor no Espírito” [1]. É “o amor de Deus … derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” [2]. É o mesmo amor pelo qual “se manifestou o amor de Deus para conosco: que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos” [3]. Com esse “amor de Deus” em nossos corações, podemos amar aqueles que não são amáveis, e podemos amar mesmo que não seja correspondido. E podemos amar sacrificialmente, não nos importando com o quanto isso custa para nós. Pois amar com “o amor de Deus” é caro, não apenas em coisas materiais, mas em muitos outros aspectos. Pode envolver grande carga e sofrimento. “Quem, pois, tiver bens do mundo, e, vendo o seu irmão necessitado, lhe cerrar as suas entranhas, como estará nele o amor de Deus? Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade” [4]. “Amados, se Deus assim nos amou, também nós devemos amar uns aos outros” [5].

Como podemos amar os desagradáveis?
Como podemos manifestar a graça de Deus?
Ao olharmos para o nosso Senhor nas Escrituras,
E alegremente contemplarmos Sua face.

[1] Colossenses 1:8; [2] Romanos 5:5; [3] 1 João 4:9; [4] 1 João 3:17-18; [5] 1 João 4:11

Diário do Cristão para a Quarta-Feira

Proteção – Parte 2

“Em ti, SENHOR, confio; nunca me deixes confundido. Livra-me pela tua justiça. Inclina para mim os teus ouvidos, livra-me depressa; sê a minha firme rocha, uma casa fortíssima que me salve” (Salmo 31:1-2).

Como dissemos ontem, Davi, neste momento de sua vida, estava em uma posição muito vulnerável. Seu coração estava partido. Seus inimigos o perseguiam e seus amigos o haviam decepcionado. Mas ele não estava indefeso. Ele sabia que Deus é a melhor fonte possível de segurança e que um relacionamento correto com Ele é a melhor estratégia de defesa. Foi aí que ele encontrou sua segurança e proteção.

Assim como uma criança encontra confiança para clamar por seu irmão mais velho e mais forte quando ameaçada por um agressor, Davi invoca o nome do Senhor. Por estar vivendo em comunhão com Ele, ele se escondeu na segurança d’Aquele que o havia ajudado muitas vezes antes, e que o amava com um amor infalível.

Somos tão rápidos em buscar essa mesma segurança? Deus é confiável! Ele era um esconderijo seguro para Davi e também é Aquele a quem devemos nos agarrar para nossa proteção. Lembre-se de que a segurança não é encontrada na ausência de perigo, mas na presença de Deus.

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Quarta-Feira

“Tende paz entre vós” [1]

Deus quer que Seus filhos vivam pacificamente, e Ele nos admoestou a “seguir a paz com todos” [2]. Tal objetivo resultará em bênção para o nosso próprio coração, “porque quem quer amar a vida, e ver os dias bons, refreie a sua língua do mal, e os seus lábios não falem engano. Aparte-se do mal, e faça o bem; Busque a paz, e siga-a” [3]. Sendo este o caso, “sigamos, pois, as coisas que servem para a paz e para a edificação de uns para com os outros” [4]. Mesmo assim, a “paz com todos” pode nem sempre ser possível, portanto “se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens” [5]. Não podemos ter “paz com todos os homens” diminuindo nossos padrões bíblicos de conduta, pois “a sabedoria que do alto vem é, primeiramente pura, depois pacífica” [6], e sejam ou não os homens pacíficos para conosco, devemos sempre buscar viver pelos padrões da Palavra de Deus, e “sendo os caminhos do homem agradáveis ao Senhor, até a seus inimigos faz que tenham paz com ele” [7]. “O Senhor está comigo; não temerei o que me pode fazer o homem” [8]. “Muita paz têm os que amam a tua lei, e para eles não há tropeço (nada pode ofendê-los)” [9].

Como podemos ser pacíficos
Em um mundo que não conhece Seu nome?
Estando constantemente “olhando para Jesus”,
Estando dispostos a Seu vitupério suportar.

[1] 1 Tessalonicenses 5:13; [2] Hebreus 12:14; [3] 1 Pedro 3:10‑11; [4] Romanos 14:19; [5] Romanos 12:18; [6] Tiago 3:17; [7] Provérbios 16:7; [8] Salmo 118:6; [9] Salmo 119:165

Diário do Cristão para a Terça-Feira

Proteção – Parte 1

“Porque tu és a minha rocha e minha fortaleza” (Salmo 31:3).

A proteção vem em muitas formas. Um coelho entra em sua toca, um cervo corre para a densa cobertura da floresta, uma criança se agarra à perna da calça de seu pai ou se esconde atrás da saia de sua mãe e um soldado se esconde sob a cobertura da artilharia de apoio. De acordo com Provérbios 30:26, “Os coelhos são um povo débil; e contudo, põem a sua casa na rocha”. Mas o que um cristão faz? E onde ele se esconde quando cercado pelo perigo?

Davi sabia para onde se virar. Quando ele escreveu o Salmo 31, as coisas não estavam indo muito bem para ele. Quando você lê o salmo, percebe que ele estava cansado, fraco e sofrendo. Sua mente estava angustiada e seus pensamentos em um turbilhão. Ele diz: “estou angustiado. Consumidos estão de tristeza os meus olhos… Porque a minha vida está gasta de tristeza, e os meus anos de suspiros; a minha força descai por causa da minha iniquidade, e os meus ossos se consomem. Estou esquecido no coração deles, como um morto; sou como um vaso quebrado” (versos 9-10, 12). Mesmo assim, ele ainda podia dizer: “Mas eu confiei em Ti, Senhor” (versículo 14). É aqui que nós também encontramos verdadeira proteção.

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Terça-Feira

“E disse ao povo: Acautelai-vos e guardai-vos de toda espécie de cobiça; porque a vida do homem não consiste na abundância das coisas que possui” [1]

Vivendo e sendo temperados por uma sociedade materialista, é difícil compreender que “a vida de qualquer não consiste na abundância” e nas “coisas” [1]. Podemos até chegar num ponto em que estejamos “cuidando [supondo] que a piedade é fonte de lucro” [2]. Mas não devemos “pôr a esperança (confiar) na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos” [3]. “Porventura fixarás os teus olhos naquilo que não é nada? porque certamente criará asas e voará ao céu como a águia” [4]. Não apenas as “coisas” são transitórias, como também não satisfazem a alma, e “melhor é o pouco com o temor do Senhor, do que um grande tesouro onde há inquietação” [5], e “é melhor um bocado seco, e com ele a tranqüilidade, do que a casa cheia de iguarias e com desavença” [6]. Que nunca imaginemos que a “abundância” traz felicidade, ou que as “coisas” produzem espiritualidade. Se Deus se agrada em nos dar uma “abundância das coisas” [1], que estejamos certos de que “os cuidados deste mundo e a sedução das riquezas” não “sufoquem a palavra” [7] e seu ministério em nossas vidas. Em vez disso, “sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos” [8].

Coisas e prazeres sempre aparecem
E atraem os filhos de Deus,
Mas elas não dão prazer duradouro,
Que vem da obediência à Sua Palavra.

[1] Lucas 12:15; [2] 1 Timóteo 6:5; [3] 1 Timóteo 6:17; [4] Provérbios 23:5; [5] Provérbios 15:16; [6] Provérbios 17:1; [7] Mateus 13:22; [8] Tiago 1:22

Diário do Cristão para a Segunda-Feira

Caro Cristão:

É um dia frio, sombrio e chuvoso aqui no sul da França, e eu adoraria voltar para a cama com um edredom quentinho e apenas relaxar após um fim de semana agitado de conferências bíblicas e visitas. Mas há irmãos e irmãs em Cristo que vão chegar a qualquer momento, e um dia para estarmos juntos para algumas atividades e refeições. Portanto, quando eu terminar de escrever esta página, preciso continuar com a vida e ter certeza de que nossos convidados sejam bem cuidados e, acima de tudo, de que haja um momento de encorajamento e compartilhamento das coisas preciosas de Cristo. O versículo que tenho diante de mim hoje é: “mas encorajando uns aos outros” (Hebraico 10:25, JND).

Sim, todos nós precisamos de encorajamento nestes tempos difíceis, quando há muito com o que desanimarmos. E podemos, e devemos, todos sermos encorajadores. É tão fácil falar de coisas que não edificam nem encorajam, mas como é bom ser como Davi, que “se animou no Senhor seu Deus”. (1 Samuel 30:6, KJV). Então, e somente então, podemos encorajar os outros. Veja o quanto você pode ser um encorajador esta semana.

Seu amigo cristão,

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Segunda-Feira

“E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados” [1]

Tão importante quanto a morte substitutiva de Cristo é a Sua ressurreição, pois a mensagem do evangelho, pela qual somos salvos, é: “Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, e… foi sepultado, e… ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras” [2]. Não seria terrível para nós, crentes, constatarmos que “ainda permanecemos em nossos pecados” [1]? Mas nós “por ele cremos em Deus, que o ressuscitou dentre os mortos, e lhe deu glória, para que a [nossa] fé e esperança [estejam] em Deus” [3]. Pois Ele “por nossos pecados foi entregue, e ressuscitou para nossa justificação” [4]. E Sua ressurreição não apenas assegura nossa salvação, como também nos concede força para viver para Sua glória, pois quando confiamos em Cristo como Salvador, fomos pelo Espírito Santo “batizados na sua morte… para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida. Porque, se fomos plantados juntamente com ele na semelhança da sua morte, também o seremos na da sua ressurreição” [5], “para conhecê-lo, e à virtude [poder] da sua ressurreição” [6].

Compartilhamos de Sua morte e de Sua vida,
Jesus, nosso Salvador e Senhor;
Ele nos dá a força para Ele vivermos,
Força pelo Espírito e pela Palavra.

[1] 1 Coríntios 15:17; [2] 1 Coríntios 15:3‑4; [3] 1 Pedro 1:21; [4] Romanos 4:25; [5] Romanos 6:3‑5; [6] Filipenses 3:10

Diário do Cristão para o Sábado

Perdão

“Quem é Deus semelhante a ti, que perdoa a iniqüidade?” (Miquéias 7:18).

“E por que não perdoas a minha transgressão, e não tiras a minha iniqüidade” (Jó 7:21).

“Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos, e se converta ao Senhor, que se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar” (Isaías 55:7).

O Príncipe de Gales certa vez procurou por um prisioneiro que fosse digno de perdão. Ele rejeitou todos aqueles que justificaram obstinadamente a si mesmos, mas escolheu um homem idoso que desabou e confessou francamente sua culpa e vergonha, e que merecia sua prisão. Que exemplo adequado do Salvador perdoador que disse: “Eu não vim chamar os justos, mas, sim, os pecadores, ao arrependimento” (Lucas 5:32).

Sim, o Senhor está pronto, disposto e mais do que capaz de dar perdão total àqueles que confessam que são pecadores e O recebem como Salvador. Não há nada que possamos fazer para nos livrar de um pecado. Mas há perdão abundante para quem admite o seu pecado!

Jim Hyland