Diário do Cristão para a Terça-Feira

Deus em Primeiro Lugar

“E invoca-me no dia da angústia; eu te livrarei, e tu me glorificarás” (Salmos 50:15).

Há duas maneiras de obter ajuda em tempos de dificuldades ou dilemas. Uma delas é falar com todos os seus amigos e familiares, ficar desapontado, e então ir finalmente a Deus. A outra é ir a Deus em primeiro lugar, e ficar maravilhado com Sua sabedoria e direção. Esse é o atalho. Essa é a rota mais fácil e mais rápida. Deus pode fazer nossos amigos e familiares nos ajudarem depois, e trabalhar no coração deles também. “Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mateus 6:33).

Para todos os seus problemas, a mais certa libertação vem sempre do próprio Deus. Muitas vezes, lemos: “Consultou Davi ao Senhor” (1 Samuel 23:2). Em cada caso, o Senhor lhe deu a direção e a sabedoria que ele precisava e o libertou da dificuldade e de seus inimigos. Ele podia escrever: “Clamou este pobre, e o Senhor o ouviu, e o salvou de todas as suas angústias” (Salmos 34:6).

Você está passando por algum problema ou dificuldade hoje? Seja como Asafe, que disse: “No dia da minha angústia busquei ao Senhor” (Salmos 77:2).

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Terça-Feira

“Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça” [1]

O crente em Cristo foi redimido (resgatado). Ele foi comprado do mercado de escravos do pecado, comprado para a posse de Deus. Enquanto nós éramos “vendidos sob o pecado” [2], agora “não sois de vós mesmos… porque fostes comprados por bom preço” [3]. O preço de compra foi o sangue de Jesus Cristo, pois “temos a redenção pelo seu sangue” [1], e somos agora “justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus” [4]. E não somos apenas redimidos da condenação do pecado, mas também de seu poder, pois “nosso Senhor Jesus Cristo… se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniquidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras” [5], e “sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado” [6]. Além disso, está chegando o tempo em que nossos corpos serão redimidos, e o “o Espírito Santo da promessa… é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória” [7]. “Nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, também gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo” [8].

Redimidos pelo Seu próprio sangue precioso,
Para sermos dEle para sempre,
Redimidos a cada dia do poder do pecado,
Nada nos pode dEle separar.

[1] Efésios 1:7; [2] Romanos 7:14; [3] 1 Coríntios 6:19‑20; [4] Romanos 3:24; [5] Tito 2:13‑14; [6] 1 Pedro 1:18‑19; [7] Efésios 1:13‑14; [8] Romanos 8:23

Diário do Cristão para a Segunda-Feira

Caro Cristão:

Outro dia, visitei uma senhora crente idosa em Morvant Trinidad. Conheço essa senhora a muitos anos, e sempre a encontrei alegre no Senhor, não importam as dificuldades de suas circunstâncias. Essa visita não foi exceção.

Durante nossos poucos minutos em sua casa, ela nos contou que tinha aprendido a importância de se viver na esquina da Avenida do Louvor com a Rua das Ações de Graça (ela falou isso figurativamente, é claro).

Sim, é fácil morar na esquina da Rua da Murmuração com a Alameda da Reclamação, mas não é isso que o Senhor quer para o Seu povo. Ele quer que sejamos felizes e que cultivemos o hábito e o espírito de ações de graça e louvor. Tantas vezes citamos o versículo: “Este é o dia que fez o Senhor; regozijemo-nos, e alegremo-nos nele” (Salmos 118:24). A questão é: quanto disso realmente tomamos para nossos corações?

Ao começarmos esta semana, prossigamos com a alegria do Senhor em nossos corações e uma canção de louvor em nossos lábios. E nem pense em descer até a Estrada do Desânimo.

Seu Amigo Cristão,

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Segunda-Feira

“Sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus” [1]

Vivemos em uma morada temporária, uma tenda, sujeita a ser derrubada, pois todos vivemos em corpos mortais condenados à morte física, e “neste tabernáculo nós gememos, desejando muito ser revestidos da nossa habitação que é do céu” [2]. Sabemos que “nossa casa terrestre deste tabernáculo” [1], o corpo, é apenas a morada para o espírito, e para aqueles de nós que conhecemos a Cristo como Salvador, “estar ausentes deste corpo” é “estarmos presentes com o Senhor” [3], e que “estar com Cristo… é ainda muito melhor” [4]. Assim a morte para o crente é apenas a entrada para a presença do Senhor, e “na tua presença há plenitude de alegria; à tua mão direita há delícias perpetuamente” [5]. Enquanto isso, “nós, os que estamos neste tabernáculo, gememos oprimidos, porque não queremos ser despidos, mas sim revestidos, para que o mortal seja absorvido pela vida” [6]. Enquanto estivermos “desejando antes estar ausentes deste corpo, para estarmos presentes com o Senhor” [7], estamos “desejando muito ser revestidos da nossa habitação que é do céu” [8]. Dia a dia, “aguardamos um Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o corpo da nossa humilhação, para ser conforme ao corpo da sua glória” [9].

“Estar ausentes deste corpo”
É “estarmos presentes com o Senhor”,
Onde há a Sua “plenitude de alegria”,
Com total concordância e harmonia.

[1] 2 Coríntios 5:1; [2] 2 Coríntios 5:2; [3] 2 Coríntios 5:8; [4] Filipenses 1:23; [5] Salmo 16:11; [6] 2 Coríntios 5:4; [7] 2 Coríntios 5:8; [8] 2 Coríntios 5:2; [9] Filipenses 3:20‑21

Diário do Cristão para o Domingo

A Obra do Calvário

“E eis que estavam falando com ele dois homens, que eram Moisés e Elias, os quais apareceram com glória, e falavam da sua morte, a qual havia de cumprir-se em Jerusalém” (Lucas 9:30,31).

“E eis que no mesmo dia iam dois deles… E iam falando entre si de tudo aquilo que havia sucedido. E aconteceu que, indo eles falando entre si, e fazendo perguntas um ao outro, o mesmo Jesus se aproximou, e ia com eles… E ele lhes disse: … Porventura não convinha que o Cristo padecesse estas coisas e entrasse na sua glória?” (Lucas 24:13-15, 25-26).

Tanto antes quanto depois de Ele ter ido à cruz, o Senhor Jesus falou de sua obra do Calvário. Primeiramente, em antecipação, e, depois, como uma obra cumprida. Quão bom para nós hoje é termos essa obra diante de nossos corações para falarmos dela juntos enquanto interagimos e temos comunhão uns com os outros.

Em ambos os casos citados acima, vemos que a glória é também mencionada. Quão bom é ser capaz de adorar e glorificar a Cristo hoje, e então olhar para frente, para o momento em que “vos manifestareis com ele em glória” (Colossenses 3:4).

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para o Domingo

“Guarda com toda a diligência o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida” [1]

Aquilo que de nossas vidas resulta vem de nossos corações, pois “do que há em abundância no coração, disso fala a boca. O homem bom, do seu bom tesouro tira coisas boas, e o homem mau do mau tesouro tira coisas más” [2]. Quanto à nossa salvação, somos “pelo poder de Deus… guardados, mediante a fé, para a salvação que está preparada para se revelar no último tempo” [3], e somos “guardados (preservados) em Jesus Cristo” [4]. Mas somos pessoalmente responsáveis por guardar nossas vidas diárias, e por guardar as ações de nossas almas. Assim nos é dito: “Guarda com toda a diligência o teu coração” [1] e “conservai-vos no amor de Deus” [5]. Além disso, nos é dito: “Guarda a tua língua do mal, e os teus lábios de falarem dolosamente” [6] e “Conserva-te a ti mesmo puro” [7]. E mais ainda, “guarda o bom depósito com o auxílio do Espírito Santo, que habita em nós” [8], pois somente o Espírito Santo pode nos capacitar a manter e guardar todas essas coisas das quais a Palavra de Deus nos fala, pois é guardando a Palavra que somos assim capacitados. “Bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus, e a observam” [9]. “Pela palavra dos teus lábios eu me tenho guardado dos caminhos do homem violento” [10]. “Os que sofrem segundo a vontade de Deus confiem as suas almas ao fiel Criador, praticando o bem” [11].

Guarda teus lábios e teus pés a cada dia,
Guarde-os para a glória de Deus,
Que é fiel para cingir e guiar,
Pelas promessas de Sua Palavra.

[1] Provérbios 4:23; [2] Mateus 12:34-35; [3] 1 Pedro 1:5; [4] Judas 1; [5] Judas 21; [6] Salmo 34:13; [7] 1 Timóteo 5:22; [8] 2 Timóteo 1:14; [9] Lucas 11:28; [10] Salmo 17:4; [11] 1 Pedro 4:19

Diário do Cristão para o Sábado

Por Fora e Por Dentro

Esta manhã, cortei uma ameixa roxa na esperança de apreciá-la como parte do meu café da manhã. No entanto, logo percebi que, embora ela parecesse perfeita e deliciosa por fora, estava na verdade podre por dentro e longe de estar comestível. Acabei jogando tudo fora.

Isto me fez pensar em pessoas que fingem ser crentes. Elas leem a Bíblia, participam de uma comunhão com outros cristãos, enganam sua família e amigos, e, na superfície, parecem muito verdadeiros. Havia pessoas assim também quando o Senhor esteve aqui na terra. Deles, Ele diz: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que limpais o exterior do copo e do prato, mas o interior está cheio de rapina e de intemperança. Fariseu cego! limpa primeiro o interior do copo e do prato, para que também o exterior fique limpo” (Mateus 23:25,26).

O que precisamos antes de mais nada é uma limpeza interior. E isto só é possível pelo sangue de Cristo. “O sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado” (1 João 1:7). Você já foi lavado e limpo por dentro? Ou será que você está simplesmente colocando uma roupagem externa para parecer um cristão?

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para o Sábado

“Não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus, o Senhor; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus” [1]

É triste dizer, mas nem todos os cristãos podem dizer em todos os momentos que “não nos pregamos a nós mesmos”, pois alguns se proclamam a si mesmos em alto e bom som. Ouça alguns que falam de sua fidelidade na frequência à igreja, de suas doações de dinheiro para a obra do Senhor, ou até mesmo de sua fidelidade no testemunho. Ouça alguns pregadores falarem de sua ampla esfera de utilidade, dos lugares onde já falaram, ou mesmo de seu sucesso ganhando almas. Ou ouça alguns dentre o povo de Deus falando de quão espirituais eles são. Quão desonroso é para nosso Senhor tal proclamação de si mesmo, pois “requer-se dos despenseiros que cada um se ache fiel” [2], e “quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos somente o que devíamos fazer” [3]. Se algum serviço foi feito para a glória de nosso Senhor, é porque Ele assim o capacitou, “porque, quem te faz diferente? E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te glorias, como se não o houveras recebido?” [4] Em vez de proclamarmos a nós mesmos e às nossas obras, nossa atitude contínua deveria ser: “me abomino e me arrependo no pó e na cinza” [5], pois “não sou digno da menor de todas as tuas beneficências e de toda a fidelidade que tens usado para com teu servo” [6].

Poeira e cinzas, sozinho, eu sou,
Nada para me recomendar a Deus;
Apenas Sua graça me procurou,
Com misericórdia em vez de Sua vara.

[1] 2 Coríntios 4:5; [2] 1 Coríntios 4:2; [3] Lucas 17:10; [4] 1 Coríntios 4:7; [5] Jó 42:6; [6] Gênesis 32:10

Diário do Cristão para a Sexta-Feira

Pergunta: O que é o sono da alma? Existe tal doutrina ensinada na Bíblia?

Resposta: Sono da alma é uma falsa doutrina que ensina que, quando uma pessoa morre, ela fica completamente inconsciente até o momento da ressurreição. A Bíblia certamente não ensina isso, e de fato há muitas passagens que refutam tal pensamento.

A Bíblia ensina que, quando um crente morre, é seu corpo que dorme, não a alma. “Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, Deus os tornará a trazer com ele” (1 Tessalonicenses 4:14). De outras passagens, sabemos que isso só pode se referir ao corpo. Por exemplo: “Sabendo que, enquanto estamos no corpo, vivemos ausentes do Senhor… Mas temos confiança e desejamos antes deixar este corpo, para habitar com o Senhor” (2 Coríntios 5:6,8). Em outras palavras, é uma coisa ou a outra. Ou estamos no corpo, ou estamos com o Senhor. Aqueles dentre nossos entes queridos que morreram na fé estão em um senso consciente da presença do Senhor agora. Da mesma forma, aqueles que morreram em seus pecados estão agora sofrendo tormentos, como é o caso do homem rico em Lucas 16:23.

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Sexta-Feira

“Porque cumprirá o que está ordenado a meu respeito, e muitas coisas como estas ainda tem consigo” [1]

Que nós, que buscamos andar com o Senhor, nunca nos esqueçamos da verdade expressa no versículo acima. A maneira certa de viver não é por nosso próprio planejamento e esquemas, mas por simples fé nEle, que diz: “Eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais” [2]. Por mais adversas que sejam as circunstâncias que nos envolvam, podemos descansar assegurados que “Ele sabe o meu caminho; provando-me Ele, sairei como o ouro” [3], pois “o Senhor é a porção da minha herança e do meu cálice; Tu sustentas a minha sorte. As linhas caem-me em lugares deliciosos: sim, coube-me uma formosa herança” [4]. Podemos confiar nEle para nos liderar e guiar, pois Ele “guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome” [5]. “Guiar-me-ás com o teu conselho, e depois me receberás na glória… A minha carne e o meu coração desfalecem; mas Deus é a fortaleza do meu coração, e a minha porção para sempre” [6, 7]. “A porção do Senhor é o seu povo” [8]. “A ti, ó Senhor, clamei; eu disse: Tu és o meu refúgio, e a minha porção na terra dos viventes” [9], pois “o Senhor é a minha porção; eu disse que observaria as tuas palavras” [10].

O Senhor é a porção do meu cálice;
Ele é minha porção para sempre,
Se o sol brilhar ou escurecer,
Não pode minh’alma dEle se separar.

[1] Jó 23:14; [2] Jeremias 29:11; [3] Jó 23:10; [4] Salmo 16:5‑6; [5] Salmo 23:3; [6] Salmo 73:24; [7] Salmo 73:26; [8] Deuteronômio 32:9; [9] Salmo 142:5; [10] Salmo 119:57