Diário do Cristão para a Segunda-Feira

Caro Cristão:

O que você está prevendo que vai acontecer em sua vida nesta semana? Você tem alguns planos que você espera que não sejam mudados ou frustrados? Legal! Mas lembre-se, a vida pode virar de cabeça para baixo, quando menos se espera, em um estalo. Recentemente, minha esposa e eu tivemos essa experiência. Estávamos nos preparando para viajar para a Europa por um mês visitando irmãos e amigos, mas o Senhor tinha outros planos. Minha esposa acabou ficando doente no hospital e tivemos que cancelar a viagem. Foi desapontador, mas percebemos que os caminhos do Senhor são melhores, e ficamos gratos por não termos ido à Europa antes do tempo. Dois versículos das Escrituras me vêm à mente enquanto consideramos o que o Senhor tinha permitido:

  1. “Vai bem” (2 Reis 4:26).
  2. “[O Senhor] tudo faz bem” (Marcos 7:37).

O que quer que Ele permita, devemos ter fé e saber que Ele está trabalhando com um propósito de bênção. Ele nos ama e quer que sejamos crentes felizes e confiantes nEle. Pode não ser o que nós tínhamos planejado, mas os Seus planos são melhores que os nossos.

Seu Amigo Cristão,

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Segunda-Feira

“Sede todos de um mesmo sentimento, compassivos (tendo compaixão uns para com os outros), amando os irmãos, entranhavelmente misericordiosos e afáveis (corteses)” [1]

“Sede afáveis”. Alguém poderia pensar que um verdadeiro cristão não precisaria de tal exortação, mas que ele deveria ser naturalmente, como crente em Cristo, “afável” para com os outros irmãos, e também para com todas as pessoas. Mas esse não é o caso. Será que os coríntios estavam sendo afáveis quando “o irmão vai a juízo contra outro irmão, e isto perante infiéis” [2]? Será que eles estavam manifestando cortesia quando estava “havendo entre [eles] inveja, contendas e dissensões” [3]? E como estamos nós, quão afáveis e corteses somos? Será que demonstramos amizade e gentileza em casa, entre nossos colegas de trabalho, e entre os santos, lembrando que “melhor é o que tarda em irar-se do que o poderoso, e o que controla o seu ânimo do que aquele que toma uma cidade” [4]? Quão necessário é que nos “revistamos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade; suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também” [5]. Manifestamos Cristo em nossas vidas “na pureza, na ciência, na longanimidade, na benignidade, no Espírito Santo, no amor não fingido” [6]. Assim “sede uns para com os outros benignos, misericordiosos” [7], e “amai-vos ardentemente uns aos outros com um coração puro” [8].

Sê afável com todos os que conheces,
E amável e gentil e verdadeiro;
Deus te recompensará em Seu caminho;
Ele te dará graça.

[1] 1 Pedro 3:8; [2] 1 Coríntios 6:6; [3] 1 Coríntios 3:3; [4] Provérbios 16:32; [5] Colossenses 3:12-13; [6] 2 Coríntios 6:6; [7] Efésios 4:32; [8] 1 Pedro 1:22

Diário do Cristão para o Domingo

Cantando

“O serviço de canto da casa do Senhor” (1 Crônicas 6:31).
“Servi ao Senhor com alegria, e apresentai-vos a ele com cântico” (Salmos 100:2).

O serviço do canto é algo que todos nós podemos render ao Senhor. Ele ama ouvir nossa voz, e emociona Seu coração toda a vez que há um cântico vindo de nosso coração nos nossos lábios. Enquanto abrimos nossas bocas em hinos de louvor e adoração hoje, cantemos com alegria. Além disso, pensemos nas palavras que estamos cantando. Quando o apóstolo Paulo cantava, ele queria que isso fosse algo feito de maneira consciente e inteligente, e não apenas palavras que ele não entendia ou pensava sobre. É isso o que ele quis dizer quando disse aos cristãos de Corinto: “Cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento” (1 Coríntios 14:15).

Nesse sentido, precisamos ter certeza de que cantamos hinos bons, bíblicos e que exaltam a Cristo, e canções espirituais que possuem precisão quanto à doutrina. Eu sou grato por ter crescido cantanto e aprendendo hinos que são baseados na Palavra de Deus.

Hoje, enquanto lembramos da pessoa e obra de Cristo, vamos abrir nossas bocas em “salmos, hinos e cânticos espirituais” (Colossenses 3:16). Isto traz glória a Ele!

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para o Domingo

“Assim diz o Senhor: … pois eu conheço as coisas que vos entram na mente.” [1]

“Jesus, conhecendo-lhes os pensamentos, disse: Por que pensais o mal em vossos corações?” [2] “Tu conheces o meu sentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento… Sem que haja uma palavra na minha língua, eis que, ó Senhor, tudo conheces” [3, 4], e “não há criatura alguma encoberta diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele a quem havemos de prestar contas” [5]. “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o poderá conhecer? Eu, o Senhor, esquadrinho a mente, eu provo o coração; e isso para dar a cada um segundo os seus caminhos e segundo o fruto das suas ações” [6]. “Pois as armas da nossa milícia não são carnais, mas poderosas em Deus, para demolição de fortalezas; derribando raciocínios e todo baluarte que se ergue contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência a Cristo” [7]. “Não vê ele os meus caminhos, e não conta todos os meus passos?” [8] Assim “sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho perverso, e guia-me pelo caminho eterno.” [9]

Ele olha os corações dos homens;
Ele vê o bem e o mal;
Ele traça o caminho de Seus filhos;
Ele sabe quando estamos tristes ou felizes.

[1] Ezequiel 11:5; [2] Mateus 9:4; [3] Salmos 139:2; [4] Salmos 139:4; [5] Hebreus 4:13; [6] Jeremias 17:9-10; [7] 2 Coríntios 10:4-5; [8] Jó 31:4; [9] Salmos 139:23-24

Diário do Cristão para o Sábado

Encobrindo

“O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia” (Provérbios 28:13).

A história a seguir é sobre um príncipe indiano, que era leproso, mas muito poucas pessoas, além de parentes próximos e servos, sabiam disso. Quando ele aparecia em público ele sempre usava uma grande joia na testa, que brilhava à luz do sol ou à luz das muitas lâmpadas em sua corte.

Somente quando ele estava sozinho ele removia seu turbante e a joia, e então o espelho mostrava a ele a marca de lepra que a joia escondia. Mantendo a marca de lepra coberta com a joia era seu jeito de nunca permitir que ninguém soubesse que ele tinha essa terrível — e naqueles dias, incurável — doença.

Muitas pessoas tentam esconder seus pecados, e, até certo ponto, conseguem fazê-lo até mesmo de seus pais, família e amigos. Mas lembre-se: “Tudo está descoberto e exposto diante dos olhos daquele a quem havemos de prestar contas” (Hebreus 4:13, NVI). Não podemos esconder nada de Deus, mas felizmente há um remédio. É “o sangue de Jesus, seu Filho” e a verdade de que esse sangue “nos purifica de todo pecado” (1 João 1:7).

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para o Sábado

“O que despreza a palavra perecerá, mas o que teme o mandamento será galardoado” [1]

O amor de um cristão pelo Senhor pode ser medido com precisão pelo seu amor pela Palavra, pois nosso Senhor disse: “Se me amais, guardai os meus mandamentos” [2], e “Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” [3]. Ninguém que negligencia e tem pouca estima pela Palavra de Deus deveria falar sobre seu amor pelo Senhor. Se quisermos “deleitar-nos também no Senhor” [4], deve ser porque “também os Teus testemunhos são o meu prazer e os meus conselheiros” [5], pois o que podemos saber sobre o Senhor Jesus, a não ser o que Ele nos disse em Sua Palavra? Ele disse: “as Escrituras… são elas que de mim testificam” [6]. Se verdadeiramente O amarmos, podemos dizer: “Oh! quanto amo a tua lei! É a minha meditação em todo o dia” [7], e “por isso amo os teus mandamentos mais do que o ouro, e ainda mais do que o ouro fino” [8]. Então “sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos” [9], pois “aquele, porém, que atenta bem para a lei perfeita da liberdade, e nisso persevera, não sendo ouvinte esquecediço, mas fazedor da obra, este tal será bem-aventurado no seu feito” [10].

Conhecer a Palavra e não praticá-la
Traz vergonha ao Seu nome;
Sua Palavra é uma luz para nosso caminho;
Obedecida, nos guarda de sermos envergonhados.

[1] Provérbios 13:13; [2] João 14:15; [3] João 8:31‑32; [4] Salmo 37:4; [5] Salmo 119:24; [6] João 5:39; [7] Salmo 119:97; [8] Salmo 119:127; [9] Tiago 1:22; [10] Tiago 1:25

Diário do Cristão para a Sexta-Feira

Pergunta: É Jesus nosso Rei, e é apropriado nos dirigirmos a Ele como Rei? E existe algum problema em chamar Deus dessa maneira?

Resposta: Jesus é, de fato, “Rei dos reis e Senhor dos senhores” (1 Timóteo 6:15), e em um dia vindouro Ele será universalmente reconhecido como tal, de acordo com o que lemos em Apocalipse 19:11-16. No entanto, para nós Ele é muito mais do que Rei, e não temos nenhuma passagem nas Escrituras que nos ensinam a nos dirigirmos a Ele dessa maneira.

Ele é nosso “Noivo” (João 3:29, Almeida Atualizada).

Ele é nossa “Cabeça” (Efésios 5:23).

Ele é nosso “Salvador” (Tito 3:6).

Ele é nosso “Senhor” (Atos 9:6).

Portanto, não é realmente apropriado para um cristão se dirigir ao Senhor como “Sua Majestade”, e Ele não nos é apresentado como nosso rei. Ele é “o Rei de Israel” (João 1:49); o “rei dos judeus” (Mateus 2:2); e o “rei dos séculos”, ou “rei das nações” (Apocalipse 15:3, versões Almeida Atualizada e Darby).

Quanto a Deus, o mesmo se aplica. Ele é nosso Pai, e deveríamos nos dirigir a Ele como tal. “A nossa comunhão é com o Pai” (1 João 1:3). Dirigir-se a Deus ou ao Senhor Jesus como Rei é perder o senso de proximidade e intimidade dos quais temos direito.

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Sexta-Feira

“Minha oração voltava para o meu seio.” [1]

A oração não só traz bênção para aqueles por quem se ora, como também traz bênção para aquele que ora, pois, para que se possa orar efetivamente, devemos estar em estreita comunhão com o Senhor. “Se eu atender à iniquidade no meu coração, o Senhor não me ouvirá” [2], pois “qualquer coisa que lhe pedirmos, dele a receberemos, porque guardamos os seus mandamentos, e fazemos o que é agradável à sua vista” [3]. Assim “cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé, tendo os corações purificados da má consciência, e o corpo lavado com água limpa” [4]. Pela Sua provisão através de Cristo, “purifiquemo-nos de toda a imundícia da carne e do espírito, aperfeiçoando a santificação no temor de Deus” [5]. Assim a oração traz bênção ao que ora pois nos mantém desejosos da comunhão com Deus. A oração também traz uma bênção àquele que ora porque nos tira do egocentrismo e nos torna preocupados com os outros, de modo que não mais “atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros” [6], enquanto seguimos em oração para “levar as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo” [7]. Além disso, a oração nos torna dependentes de Deus, fazendo-nos perceber que “toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto” [8]. “Minha oração voltava para o meu seio.” [1]

Orando no Espírito de Deus,
Devemos dEle nos aproximar;
Assim Sua bênção vem aos nossos corações,
E as coisas do mundo perdem o valor.

[1] Salmos 35:13; [2] Salmos 66:18; [3] 1 João 3:22; [4] Hebreus 10:22; [5] 2 Coríntios 7:1; [6] Filipenses 2:4; [7] Gálatas 6:2; [8] Tiago 1:17

Diário do Cristão para a Quinta-Feira

Tu Mesmo

“Tem cuidado de ti mesmo” (1 Timóteo 4:16).

Muitas vezes, estamos mais preocupados sobre o que os outros estão fazendo do que com a nossa própria conduta. Enquanto é verdade “que os membros tenham igual cuidado uns dos outros” (1 Coríntios 12:25), e que nos é dito: “Levai as cargas uns dos outros” (Gálatas 6:2), ainda assim, na análise final, somos responsáveis perante o Senhor quanto à nossa própria conduta e atitude.

Após o Senhor ter ressuscitado dentre os mortos, Ele disse a Pedro algo sobre a obra e o caminho da fé e serviço que Ele tinha para ele. Enquanto Pedro escutava o Senhor, ele se voltou para João, que estava por perto, e disse ao Senhor: “Senhor, e deste que será?” (João 21:21). Aqui está a resposta que o Senhor lhe deu: “Se eu quiser que ele fique até que eu venha, que tens tu com isso? Segue-me tu” (João 21:22).

Em outras palavras, o Senhor estava dizendo: “Eu tenho um caminho para João, e eu cuidarei disso, mas você é responsável por Me seguir no caminho que eu tenho para você”.

Não é uma questão de quão bem meu irmão ou irmã segue no caminho da fé, mas se eu sou ou não fiel em seguir o Senhor.

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Quinta-Feira

“Eis que saíam umas águas por debaixo do limiar do templo… e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos artelhos. De novo… me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos joelhos. Outra vez… águas que me davam pelos lombos. Ainda [mais tarde]… era um rio, que eu não podia atravessar… águas para nelas nadar” [1]

Ezequiel recebeu uma visão profética do templo milenar (que existirá no período do reino de mil anos), de onde nosso Senhor Jesus reinará sobre toda a terra. Então “a terra se encherá do conhecimento do Senhor, como as águas cobrem o mar” [2]. Mas, sem comprometer esse futuro cenário de bênção, essas águas são uma figura para nós hoje da abundante graça de Deus para com o que são Seus. Nosso Senhor disse à mulher samaritana: “Aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que jorre para a vida eterna” [3], e Seu gracioso convite para todos é: “Ó vós, todos os que tendes sede, vinde às águas” [4], “e quem quiser, receba de graça a água da vida” [5]. E à medida que nos achegamos a Ele e seguimos com Ele, aprendemos que “onde o pecado abundou, superabundou a graça” [6]. Enquanto “crescemos na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo” [7], aprendemos que Sua graça é totalmente suficiente, “um rio, que eu não podia atravessar… águas para nelas nadar” [1].

“Rios de água viva” correrão
Da Pessoa de nosso Senhor;
“Águas para nelas nadar”, de profundidade incontável,
Fluem da Palavra viva,

Ezequiel 47:1-5; Isaías 11:9; João 4:14; Isaías 55:1; Apocalipse 22:17; Romanos 5:20; 2 Pedro 3:18