Diário do Cristão para o Sábado

Saber em vez de Esperar

“Eu espero que eu seja salvo.”

Já ouvi muitas pessoas fazendo essa afirmação acima. Mas não temos que ter esperança de ser salvos, pois podemos saber que estamos salvos agora mesmo! O cristianismo é caracterizado por certezas — não esperanças vagas e vãs. Vamos citar alguns versículos de três testemunhas do Novo Testamento que confirmam essa maravilhosa verdade:

O apóstolo João:

“Estas coisas vos escrevi a vós, os que credes no nome do Filho de Deus, para que saibais que TENDES a vida eterna, e para que creiais no nome do Filho de Deus” (1 João 5:13).

O apóstolo Paulo:

“Eu sei em quem tenho crido, e estou certo de que é poderoso para guardar o meu depósito até àquele dia” (2 Timóteo 1:12).

O apóstolo Pedro:

“Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados… Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado” (1 Pedro 1:18,19).

Você pode dizer: “Eu sei que estou salvo”? Eu sinceramente espero que sim!

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para o Sábado

“E quero, irmãos, que saibais que as coisas que me aconteceram contribuíram para maior proveito do evangelho” [1]

Paulo escreveu as palavra acima da prisão em Roma, onde ele estava acorrentado e isolado de seu ministério ativo. Os santos de Filipos tinham enviado um presente pela mão de Epafrodito, que tinha evidentemente expressado a Paulo a tristeza de seus amigos filipenses pelo fato de ele estar aprisionado e de que o evangelho estava sendo impedido. Paulo lhes assegura “que as coisas que me aconteceram” não tinham impedido o evangelho, mas “contribuíram para maior proveito do evangelho” [1]. Assim é também conosco. Muitas vezes parece “que as coisas que aconteceram” em nossas vidas, sobre as quais não temos nenhum controle, frustraram os propósitos de Deus e impediram nosso testemunho para o Senhor. Mas não nos esqueçamos que o Senhor permitiu nossas circunstâncias e nos assegurou “que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” [2]. Por mais que o homem se oponha, ainda assim Deus “faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade” [3], “porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade” [4]. Portanto, quaisquer que sejam nossas circunstâncias e nossas limitações, se estivermos verdadeiramente comprometidas com Ele, Ele fará com que elas sejam “para maior proveito do evangelho” [1].

Impedidos e frustrados por todos os lados,
Nossos trabalhos parecem pequenos e poucos,
Mas Ele que mantém todas as coisas em suas mãos
Vê as coisas de uma diferente perspectiva .

[1] Filipenses 1:12; [2] Romanos 8:28; [3] Efésios 1:11; [4] 2 Coríntios 13:8

Diário do Cristão para a Sexta-Feira

Pergunta: Há alguma coisa na Bíblia que apoie a prática da oração conversacional? É quando uma pessoa começa a orar por algo, e então outra pessoa ora por outra coisa, e assim por diante, todas ao redor de um círculo.

Resposta: Não parece haver nenhum princípio nas Escrituras que apoie esse tipo de oração. No entanto, há algumas coisas que podem ser consideradas, e que podem indicar não ser uma boa prática.

Por exemplo, essa prática envolve mulheres? A Bíblia diz: “Que os homens orem em todo o lugar” (1 Timóteo 2:8). Os homens aparecem em contraste com as mulheres no versículo seguinte. Não existe versículo que encoraje as mulheres a orarem publicamente na presença de homens.

O que Deus encoraja mais do que qualquer outra coisa é a oração em particular. “Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto” (Mateus 6:6). Além disso, a Bíblia também menciona a oração em família: “Maridos… dando honra à mulher… para que não sejam impedidas as vossas orações” (1 Pedro 3:7).

Embora não queiramos desencorajar a oração, de forma alguma, devemos ser cuidadosos para não seguirmos métodos que não possuem base bíblica.

Gostaríamos muito de ouvir de você.

Envie seus comentários e perguntas para jhyland1959@gmail.com

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Sexta-Feira

“Sucedeu mal a Moisés, por causa deles; porque irritaram o seu espírito, de modo que falou imprudentemente com seus lábios” [1]

“Moisés… falou imprudentemente com seus lábios” porque os filhos de Israel “irritaram o seu espírito” [1], pois “o povo contendeu com Moisés, dizendo: Por que trouxestes a congregação do Senhor a este deserto, para que morramos aqui, nós e os nossos animais?” [2] Assim, em vez de obedecer à ordem do Senhor de “falar à rocha, perante os seus olhos, e dará a sua água” [3], Moisés honrou a si mesmo, e a Arão, dizendo: “Ouvi agora, rebeldes, porventura tiraremos água desta rocha para vós?… E feriu a rocha duas vezes com a sua vara, e saiu muita água” [4]. Mas “sucedeu mal a Moisés, por causa deles” [1], e não lhe foi permitido entrar na terra prometida. Que nunca imaginemos falsamente que por causa de alguma circunstância ou alguma pessoa que nos provoca ou irrita, Deus nos considera menos responsáveis por nossas ações ou palavras. “Melhor é o que tarda em irar-se do que o poderoso, e o que controla o seu ânimo do que aquele que toma uma cidade” [5], e “como a cidade derrubada, sem muro, assim é o homem que não pode conter o seu espírito” [6]. Sejamos, então, “prontos para ouvir, tardios para falar, tardios para se irar” [7].

Não fale quando for provocado,
Para não falar coisas erradas e doloridas;
Palavras que vêm de espíritos irritados
Só problemas maiores trarão.

[1] Salmo 106:32‑33; [2] Números 20:3‑4; [3] Números 20:8; [4] Números 20:10-11; [5] Provérbios 16:32; [6] Provérbios 25:28; [7] Tiago 1:19

Diário do Cristão para a Quinta-Feira

Fruto

“Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança” (Gálatas 5:22,23).

Nem todos temos o dom de pregar e ensinar, ou de tomar parte de um ministério público. No entanto, todos podemos gerar o fruto do Espírito. “Porque o fruto do Espírito está em toda a bondade, e justiça e verdade” (Efésios 5:9).

O fruto não é necessariamente o que dizemos, embora inclua nossas palavras. Fruto é o reflexo e reprodução de Cristo em nossas vidas, e o brilho dos atributos dessa gloriosa pessoas que é nosso Salvador, Amigo e Senhor.

O fruto cresce silenciosamente nas árvores do pomar, sem qualquer alarde ou grande discurso. Lenta, silenciosamente, e com a nutrição adequada, ela se transforma em uma bela utilidade. É isto o que o Senhor deseja para cada um dos que são Seus.

O fruto é sempre o resultado da proximidade com o Senhor. Ele Próprio disse: “Estai em mim, e eu em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim” (João 15:4). Fique perto dEle e você também dará “muito fruto” (João 15:5).

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Quinta-Feira

“Filhinhos, sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é o que está em vós do que o que está no mundo.” [1]

Pode acontecer de o cristão temer a Satanás, pois “o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar” [2]. Por outro lado, como dependemos do Senhor, não precisamos temer a Satanás, pois ele é um inimigo derrotado. “Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo” [3], e “maior é o que está em vós do que o que está no mundo” [1]. “Quando o valente guarda, armado, a sua casa, em segurança está tudo quanto tem; mas, sobrevindo outro mais valente do que ele, e vencendo-o, tira-lhe toda a sua armadura em que confiava, e reparte os seus despojos” [4]. Nosso Senhor o venceu e repartiu os seus despojos conosco, Seus redimidos. “Despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo” [5]. Agora, “graças a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo” [6]. É “por nosso Senhor Jesus Cristo” apenas que podemos vencer o maligno. Nossa resposta a Satanás deve sempre ser: “O Senhor te repreenda” [7]. Então, sempre no tempo certo e da maneira certa, “vindo o inimigo como uma corrente de águas, o Espírito do Senhor arvorará contra ele a sua bandeira” [8].

[1] 1 João 4:4; [2] 1 Pedro 5:8; [3] 1 João 3:8; [4] Lucas 11:21-22; [5] Colossenses 2:15; [6] 1 Coríntios 15:57; [7] Judas 9; [8] Isaías 59:19

Diário do Cristão para a Quarta-Feira

Leitura Mensal das Escrituras

Mateus 18

15 Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhaste a teu irmão;

16 Mas, se não te ouvir, leva ainda contigo um ou dois, para que pela boca de duas ou três testemunhas toda a palavra seja confirmada.

17 E, se não as escutar, dize-o à igreja; e, se também não escutar a igreja, considera-o como um gentio e publicano.

18 Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu.

19 Também vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus.

20 Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.

21 Então Pedro, aproximando-se dele, disse: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu lhe perdoarei? Até sete?

22 Jesus lhe disse: Não te digo que até sete; mas, até setenta vezes sete.

Conforto das Escrituras para a Quarta-Feira

“E estais perfeitos (completos) nele, que é a cabeça de todo o principado e potestade” [1]

Falsos mestres em Colossos estavam dizendo, como ainda dizem hoje em dia, que nosso Senhor Jesus Cristo não era “Deus… manifesto em carne” [2], mas apenas um ser criado. Mas Deus nos diz que “nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade” [3], que Ele “é a cabeça de todo o principado e potestade” [1], e que Ele “é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência” [4]. E é nesse Ser bendito e glorioso, que “está assentado à destra de Deus” [5], que estamos perfeitos (completos). O perdão de nossos pecados é “perfeito nEle” [1], “em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça” [6]. Nossa justificação é “perfeita nEle”, pois “por ele é justificado [de todas as coisas] todo aquele que crê” [7]. Nossa aceitação diante de Deus é “perfeita nEle”, “para louvor da glória de sua graça, pela qual nos fez agradáveis (aceitos) a si no Amado” [8]. E nosso acesso a Deus “é perfeito nEle”, “pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes” [9]. De nós mesmos devemos dizer: “Eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum” [10]. Mas nEle “habita corporalmente toda a plenitude da divindade” [3], e “estais perfeitos nEle” [1].

“Perfeitos nEle”, quão rico sou,
De pé diante de Deus em Cristo,
Livremente perdoado por Seu amor,
Aceito e amado também.

[1] Colossenses 2:10; [2] 1 Timóteo 3:16; [3] Colossenses 2:9; [4] Colossenses 1:18; [5] Colossenses 3:1; [6] Efésios 1:7; [7] Atos 13:39; [8] Efésios 1:6; [9] Romanos 5:2; [10] Romanos 7:18

Diário do Cristão para a Terça-Feira

Alegria

No livro dos Salmos, há várias formas de palavras que expressam “alegria”. Palavras tais como bem-aventurado, feliz, gozo, deleite, regozijo, etc. Juntas, essas palavras aparecem de uma forma ou de outra mais de cem vezes em 150 salmos. Para mim, isto certamente indica que Deus deseja que sejamos um povo feliz. Ele não deseja que andemos tristonhos e, como dizem, “pra baixo”. Salomão fala de um crente feliz no livro de Provérbios: “O que confia no Senhor será bem-aventurado” (Provérbios 16:20).

Muitas vezes no Novo Testamento somos encorajados a sermos felizes. No livro de Filipenses lemos: “Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos” (Filipenses 4:4).

Uma coisa importante para se lembrar no que diz respeito a este assunto é o que disse uma vez um irmão mais velho em Cristo: “A raiz da alegria é a entrega! Entrega é o desejo de agradar meu Senhor e Salvador, Jesus Cristo”. Em outras palavras, a submissão à vontade do Senhor é o que traz verdadeira felicidade e gozo a nossas vidas, não importa qual seja a circunstância.

Você é um crente feliz e alegre?

Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Terça-Feira

“Aos quais Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, esperança da glória” [1]

“Cristo em vós”! Quem entre os filhos redimidos de Deus pode compreender isso? “Tal ciência é para mim maravilhosíssima; tão alta que não a posso atingir” [2]. Mesmo assim, a Palavra de Deus me assegura que “já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” [3]. Nosso Senhor prometeu: “eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre; o Espírito de verdade… Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada” [4, 5]. A oração de Paulo para os santos é “que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais corroborados com poder pelo seu Espírito no homem interior; para que Cristo habite pela fé nos vossos corações… e conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus” [6]. “Cristo em vós” [1]. “Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!” [7]

Cristo vive em mim:
Ó, que graça! Mais do que meu coração pode compreender;
Tal conhecimento me enche com Seu amor;
Eu anseio por servi-Lo até o fim.

[1] Colossenses 1:27; [2] Salmo 139:6; [3] Gálatas 2:20; [4] João 14:16-17; [5] João 14:23; [6] Efésios 3:16‑19; [7] Romanos 11:33