Diário do Cristão para a Quinta-Feira

A Pessoa e o Livro

“Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam” (João 5:39).

AJ Pollock afirma em seu livro Why I Believe The Bible (Por que eu acredito na Bíblia):

As Escrituras como um todo giram em torno da Pessoa do Filho de Deus.
O Pentateuco (os primeiros 5 livros, escritos por Moisés) nos revela figuras de Cristo,
os Salmos, os sentimentos de Cristo,
os Profetas, as previsões de Cristo,
os Evangelhos, Cristo na prática,
as Epístolas, os frutos de Cristo,
e Apocalipse, o julgamento final de Cristo.

Sem dúvida, quando vemos que o Livro testifica dessa Pessoa maravilhosa, e a Pessoa testifica do Livro, e que esses testemunhos permanecem ou caem juntos, devemos concluir que ou recebemos tanto o Livro quanto a Pessoa, ou recusamos o Livro e a Pessoa. Não há meio termo. “No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus” (João 1:1). Este versículo mostra que tanto o Livro quanto a Pessoa estão entrelaçados, como eles são um.

Conforto das Escrituras para a Quinta-Feira

“Desgarrei-me como a ovelha perdida; busca o teu servo, pois não me esqueci dos teus mandamentos” [1]

Antes de termos sido salvos pela graça de Deus, está escrito que “todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos” [2]. Mas agora, graças a Deus, é dito de nós que conhecemos o Salvador que “éreis como ovelhas desgarradas; mas agora tendes voltado ao Pastor e Bispo das vossas almas” [3], aquEle que diz que “as minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; e dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão” [4]. Mas embora estejamos para sempre seguros sob sua proteção, ainda temos a capacidade de “desgarrar-nos como a ovelha perdida” [1] e agir como uma pessoa não salva, pois ainda temos dentro de nós aquela natureza carnal que é comum a todos os homens, na qual “não habita bem algum” [5]. Portanto, somos exortados: “Revesti-vos do Senhor Jesus Cristo, e não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências” [6]. Mas, graças a Deus, quando nós que O conhecemos nos “desgarramos como a ovelha perdida” [1], “nosso Senhor Jesus Cristo, grande pastor das ovelhas” [7], nos chama de volta para Sua comunhão, quando “confessamos os nossos pecados” a Ele [8].

Estou seguro para sempre em Seu rebanho;
Nenhum poder pode dali me arrebatar;
No entanto, Ele sempre vigia a minha alma,
Para me restaurar quando eu me desgarrar.

[1] Salmo 119:176; [2] Isaías 53:6; [3] 1 Pedro 2:25; [4] João 10:27-28; [5] Romanos 7:18; [6] Romanos 13:14; [7] Hebreus 13:20; [8] 1 João 1:9

Diário do Cristão para a Quarta-Feira

P: O que significa ser justificado? É o mesmo que ser perdoado? (Parte 2)

R: Para nos justificar, Deus pega um pecador culpado e lhe dá uma posição de justo, tendo sido não somente perdoado, mas também absolvido de toda a transgressão. É assim que podemos estar perfeitamente confortáveis na presença de Deus… porque “nEle fomos feitos justiça de Deus” (2 Coríntios 5:21). Deste modo “temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo” (Romanos 5:1).

A justificação é um ato de Deus, de uma vez por todas, e para sempre. Não há graus de justificação. É verdade para todo aquele que crê. Deus é “justo e também justificador daquele que tem fé em Jesus” (Romanos 3:26). Cristo pagou a pena pelo pecado, Deus está satisfeito, e é justo em perdoar e justificar aqueles que receberam o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador. Todo crente está diante de Deus em toda a perfeição de Seu Filho.

Somos justificados…

“Por Sua graça (Romanos 2:24)… Esse é o caminho.
“Pela fé” (Romanos 3:26)… Esse é o meio.
“Pelo Seu sangue” (Romanos 5:9)… Esse é o fundamento.

Baseado nos textos de Jim Hyland

Conforto das Escrituras para a Quarta-Feira

“Por isso também damos, sem cessar, graças a Deus, pois, havendo recebido de nós a palavra da pregação de Deus, a recebestes, não como palavra de homens, mas (segundo é, na verdade), como palavra de Deus, a qual também opera em vós, os que crestes.” [1]

Quando reconhecemos que a Bíblia é a própria Palavra de Deus, quando podemos verdadeiramente dizer ao Senhor que “o meu coração teme as tuas palavras. Regozijo-me com a tua palavra, como quem acha grande despojo” [2], então encontraremos a Palavra de Deus realizando uma obra em nossos corações, pois ela efetivamente “opera em vós, os que crestes” [1]. Conheceremos seu poder purificador, pois, como disse nosso Senhor aos que são Seus: “Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado” [3]. Experimentaremos seu poder orientador, pois “lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para o meu caminho” [4]. Conheceremos também a “consolação [conforto] proveniente das Escrituras” [5]. Portanto, “a palavra de Cristo habite em vós ricamente, em toda a sabedoria” [6], assim descobrindo que nossas ações são afetadas, de modo que nosso desejo será: “Tudo quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai” [6]. Então, sinceramente, “desejai, como meninos recém-nascidos, o leite racional, sem dolo, para que por ele cresçais” [7].

“Escondi a tua palavra no meu coração,
Para não pecar contra ti”,
Para que eu possa mostrar Seus louvores,
E para que mais como Ele eu possa ser.

[1] 1 Tessalonicenses 2:13; [2] Salmo 119: 161-162; [3] João 15: 3; [4] Salmo 119: 105; [5] Romanos 15: 4; [6] Colossenses 3: 16-17; [7] 1 Pedro 2: 2

Diário do Cristão para a Terça-Feira

Inofensivos

“Sede… inofensivos como as pombas.” (Mateus 10:16)

A palavra “inofensivo” significa “puro, inocente”. Uma pomba é primeiramente mencionada na Bíblia na história de Noé. “Depois soltou uma pomba, para ver se as águas tinham minguado de sobre a face da terra. A pomba, porém, não achou repouso para a planta do seu pé” (Gênesis 8:8,9). Somente o corvo impuro poderia se alimentar da ruína, morte e corrupção que foi o resultado do dilúvio.

A pomba é primeiramente mencionada no Novo Testamento no batismo do Senhor: “E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele” (Mateus 3:16). Nosso Senhor é “santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores” (Hebreus 7:26). Agora Ele quer que sejamos “irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros [luzes] no mundo” (Filipenses 2:15). Será que encontramos nosso descanso e alegria nEle e buscamos imitar Sua vida de pureza?

Conforto das Escrituras para a Terça-Feira

“Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens” [1]

“Antes de tudo” pode significar o primeiro no tempo, em ordem, no lugar ou na importância. Aqui evidentemente significa “antes de tudo” em importância. Nosso Senhor Jesus Cristo disse sobre “o dever de orar sempre, e nunca desfalecer” [2]. Ele também disse: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á. Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á” [3]. “Levanta-te, clama de noite no princípio das vigias; derrama o teu coração como águas diante da presença do Senhor” [4]. “De tarde e de manhã e ao meio-dia orarei; e clamarei, e ele ouvirá a minha voz” [5]. Na vida do cristão, se há pouca oração, há pouca bênção. É “antes de tudo” em importância que devemos “vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca” [6]. Assim “perseverai em oração, velando nela com ação de graças” [7]. “Confiai nele, ó povo, em todos os tempos; derramai perante ele o vosso coração. Deus é o nosso refúgio” [8]. Estejamos, então, “orando no Espírito Santo” [9].

Muitas bênçãos perdemos em nossas vidas,
Só porque falhamos em orar,
Bênçãos que poderíamos trazer aos outros,
Ajudando a iluminar seus caminhos.

[1] 1 Timóteo 2:1; [2] Lucas 18:1; [3] Mateus 7:7-8; [4] Lamentações 2:19; [5] Salmo 55:17; [6] Mateus 26:41; [7] Colossenses 4:2; [8] Salmo 62:8; [9] Judas 20

Diário do Cristão para a Segunda-Feira

Querido cristão:

“Como você está?”

Esse é um típico cumprimento que as pessoas usam quando se encontram. Muitas vezes usamos esse tipo de expressão sem qualquer pensamento sobre fazer uma pergunta sincera, muito menos esperando ouvir a resposta. Nós esperamos que as pessoas digam: “Estou bem, obrigado”, e mudamos de assunto.

As pessoas ao nosso redor anseiam por alguém que se importe. Davi lamentou esse triste fato quando disse, “Olhei para a minha direita, e vi; mas não havia quem me conhecesse. Refúgio me faltou; ninguém cuidou da minha alma” (Salmos 142:4).

Uma coisa que sabemos com certeza é que o Senhor Jesus se importa genuinamente conosco. Mas será que nos importamos uns com os outros da mesma forma? O Apóstolo Paulo exortou os cristãos de Corinto: “mas antes tenham os membros igual cuidado uns dos outros” (1 Coríntios 12:25).

Reserve um tempo para perguntar a alguém hoje: “Como você está?” Então, espere pela resposta e mostre verdadeiro cuidado e preocupação. Quem sabe que bênção você pode vir a ser apenas por ouvir!

Conforto das Escrituras para a Segunda-Feira

“Os teus olhos verão o rei na sua formosura” [1]

Nosso Senhor veio à terra a cerca de 2000 anos atrás, “Deus se manifestou em carne” [2], e ofereceu a Si mesmo ao Seu povo de Israel como seu Rei. Mas “veio para o que era seu, e os seus não o receberam” [3]. A eles, então, “não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos” [4]. Mas o dia rapidamente se aproxima, após a verdadeira igreja ser levada para o lar em glória, e então, após ter terminado o período da tribulação, o “tempo de angústia para Jacó” [5], aquele remanescente crente de Israel “verá o rei na sua formosura” [1] quando Ele retornar à terra em poder e glória. Mas nós, que O conhecemos agora e tendo sido “resgatados… com o precioso sangue de Cristo” [6], também “veremos o rei na sua formosura” [1], embora para nós Ele seja também o noivo. “Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos” [7]. Bendita perspectiva, de fato, de que “verão o seu rosto, e nas suas testas estará o seu nome” [8]. “Porque, quão grande é a sua bondade! E quão grande é a sua formosura!” [9], “a qual a seu tempo mostrará o bem-aventurado, e único poderoso Senhor, Rei dos reis e Senhor dos senhores” [10].

Ele é “Rei dos reis e Senhor dos senhores”;
Nós vamos “encontrar o Senhor nos ares”;
Para a casa do Pai nós iremos
“Com o Senhor”, para sempre ali.

[1] Isaías 33:17; [2] 1 Timóteo 3:16; [3] João 1:11; [4] Isaías 53:2; [5] Jeremias 30:7; [6] 1 Pedro 1:18-19; [7] 1 João 3:2; [8] Apocalipse 22:4; [9] Zacarias 9:17; [10] 1 Timóteo 6:15

Diário do Cristão para o Domingo

O Sacrifício Supremo

“Cristo vos amou, e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a Deus, em cheiro suave” (Efésios 5:2).
“Mas agora na consumação dos séculos uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo” (Hebreus 9:26).
“Mas este, havendo oferecido para sempre um único sacrifício pelos pecados, está assentado à destra de Deus” (Hebreus 10:12).

Que sacrifício! Nunca houve um sacrifício tão grande como o sacrifício de “SI MESMO”! É o supremo sacrifício e é tudo para o coração de Deus. Nunca esqueceremos daquele poderoso sacrifício por toda a eternidade. Nos céus, estaremos ocupados com “um Cordeiro, como havendo sido morto” (Apocalipse 5:6). Como resultado, cantaremos: “Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue nos compraste para Deus de toda a tribo, e língua, e povo, e nação” (Apocalipse 5:9).

Ocupemo-nos com esse sacrifício hoje, e, como resultado, cantemos os louvores dos céus enquanto estamos neste mundo onde Ele “se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus” (Hebreus 9:14).

Conforto das Escrituras para o Domingo

“Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína” [1]

“Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores” [2]. “Quem amar o dinheiro jamais dele se fartará; e quem amar a abundância nunca se fartará da renda; também isto é vaidade” [3]. Uma das marcas dos “últimos dias” com seus “tempos trabalhosos” é que “haverá homens… avarentos” [4], isto é, amantes da dinheiro. Deus alerta Seus filhos contra tal avareza e amor à renda. “Se as vossas riquezas aumentam, não ponhais nelas o coração” [5]. “Não te fatigues para seres rico; dá de mão à tua própria sabedoria: Fitando tu os olhos nas riquezas, elas se vão; pois fazem para si asas, como a águia, voam para o céu” [6]. “Era isto ocasião para receberes prata e roupa?” [7] Pois “o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus, permanece para sempre” [8]. “Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas” [9].

As coisas da terra não satisfazem;
Apenas pedem por mais e mais,
E aquele que tem somente tais coisas
É de todos os homens o mais pobre.

[1] 1 Timóteo 6:9; [2] 1 Timóteo 6:10; [3] Eclesiastes 5:10; [4] 2 Timóteo 3: 1-2; [5] Salmos 62:10; [6] Provérbios 23:4-5; [7] 2 Reis 5:26; [8] 1 João 2:17; [9] 1 Timóteo 6:11