Conforto das Escrituras para o Sábado

“Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça” [1]

O crente em Cristo foi redimido (resgatado). Ele foi comprado do mercado de escravos do pecado, comprado para a posse de Deus. Enquanto nós éramos “vendidos sob o pecado” [2], agora “não sois de vós mesmos… porque fostes comprados por bom preço” [3]. O preço de compra foi o sangue de Jesus Cristo, pois “temos a redenção pelo seu sangue” [1], e somos agora “justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus” [4]. E não somos apenas redimidos da condenação do pecado, como também de seu poder, pois “nosso Senhor Jesus Cristo… se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniquidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras” [5], e “sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado” [6]. Além disso, está chegando o tempo em que nossos corpos serão redimidos, e o “o Espírito Santo da promessa… é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória” [7]. “Nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, também gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo” [8].

Redimidos pelo Seu próprio sangue precioso,
Para sermos dEle para sempre,
Redimidos a cada dia do poder do pecado,
Nada nos pode dEle separar.

[1] Efésios 1:7; [2] Romanos 7:14; [3] 1 Coríntios 6:19‑20; [4] Romanos 3:24; [5] Tito 2:13‑14; [6] 1 Pedro 1:18‑19; [7] Efésios 1:13‑14; [8] Romanos 8:23

 

Conforto das Escrituras para a Sexta-Feira

“Se eu atender à iniquidade no meu coração, o Senhor não me ouvirá” [1]

Que o cristão que tenha pecado não julgado e não confessado em sua vida não suponha que Deus responderá suas orações. “O que desvia os seus ouvidos de ouvir a lei, até a sua oração será abominável” [2]. “Eis que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado o seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça” [3]. “E, quando estiverdes orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para que vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe as vossas ofensas” [4]. E, “semelhantemente, vós, mulheres, sede sujeitas aos vossos próprios maridos… igualmente vós, maridos, coabitai com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais fraco; como sendo vós os seus co-herdeiros da graça da vida; para que não sejam impedidas as vossas orações” [5, 6]. “Os olhos do Senhor estão sobre os justos, e os seus ouvidos atentos às suas orações; mas o rosto do Senhor é contra os que fazem o mal” [7]. “Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites” [8]. “E qualquer coisa que lhe pedirmos, dele a receberemos, porque guardamos os seus mandamentos, e fazemos o que é agradável à sua vista” [9].

Um coração em comunhão com Deus
E sem pecado não julgado no meio
Pode vir a Ele com confiança
E em Sua promessa confiar.

[1] Salmo 66:18; [2] Provérbios 28:9; [3] Isaías 59:1‑2; [4] Marcos 11:25; [5] 1 Pedro 3:1; [6] 1 Pedro 3:7; [7] 1 Pedro 3:12; [8] Tiago 4:3; [9] 1 João 3:22

Conforto das Escrituras para a Quinta-Feira

“Eu sou a videira; vós sois as varas. Quem permanece em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.” [1]

“Permanecer” é o mesmo que “continuar”, que “ficar”. Obviamente, isso não se refere à salvação, pois o verdadeiro crente sempre “permanecerá” salvo; ele ficará salvo para sempre. Nosso Senhor disse: “Eu lhes dou a vida eterna, e jamais perecerão; e ninguém as arrebatará da minha mão” [2]. O “permanecer”, portanto, é referente a nossa comunhão pessoal com o Senhor, e “o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio” [3], e esse fruto só é gerado enquanto permanecermos em comunhão com Ele. “O fruto de justiça… por meio de Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus” [4], e nosso Senhor disse: “Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto” [5], e “se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor” [6], e “se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sois meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” [7]. “Bendito o varão que confia no Senhor, e cuja esperança é o Senhor. Porque é como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro… (e) nem deixa de dar fruto” [8].

“Permanece em mim”, disse nosso Salvador,
E fruto para Deus produzirás;
Tua vida será uma luz para Ele;
A mensagem do evangelho que compartilharás.

[1] João 15:5; [2] João 10:28; [3] Gálatas 5:22-23; [4] Filipenses 1:11; [5] João 15:8; [6] João 15:10; [7] João 8:31-32; [8] Jeremias 17:7-8

Conforto das Escrituras para a Quarta-Feira

“Todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito” [1]

Logo antes de nosso Senhor voltar para o céu, Ele prometeu aos Seus que “vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias” [2]. Esta promessa foi cumprida quando o Espírito Santo veio no dia de Pentecostes e batizou todos os crentes em um corpo. Desde aquele tempo, sempre que uma pessoa nasce de novo pela fé em Cristo como Salvador, essa pessoa então se torna uma participante desse “um só batismo” [3], de modo que “todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo” [1]. “Porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo” [4], e cada verdadeiro cristão foi feito participante do batismo do Espírito, “porque somos membros do seu corpo, da sua carne, e dos seus ossos” [5]. Assim temos grande responsabilidade para com cada outro membro de Seu corpo, pois somos “um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros” [6], e “nenhum de nós vive para si, e nenhum morre para si” [7]. Portanto, que possamos “comunicar com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade” [8], e “alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram” [9]. E “sigamos, pois, as coisas que servem para a paz e para a edificação de uns para com os outros” [10], “tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa” [11].

É preciso considerar os outros
Que são amados pelo Senhor como eu sou,
Que têm necessidades e fardos diariamente,
E cujos corações muitos suspiros seguram.

[1] 1 Coríntios 12:13; [2] Atos 1:5; [3] Efésios 4:5; [4] Gálatas 3:27; [5] Efésios 5:30; [6] Romanos 12:5; [7] Romanos 14:7; [8] Romanos 12:13; [9] Romanos 12:15; [10] Romanos 14:19; [11] Filipenses 2:2

Conforto das Escrituras para a Terça-Feira

“E seja sobre nós a formosura do Senhor nosso Deus, e confirma sobre nós a obra das nossas mãos; sim, confirma a obra das nossas mãos.” [1]

Quão apropriada é a “oração de Moisés, o homem de Deus”, pois o Senhor deseja que Seu povo redimido mostre Sua beleza àqueles cujas vidas tocam a nossa. “Vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” [2]. “Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo. Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós… Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos; e assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal” [3, 4]. Enquanto olhamos para Ele na Palavra de Deus, “todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor” [5].

Que meu querido Senhor seja visto em mim
Enquanto vivo aqui entre os homens;
Que Sua imagem não seja apagada
Por meu pecado e meu interior.

[1] Salmo 90:17; [2] 1 Pedro 2:9; [3] 2 Coríntios 4:6-7; [4] 2 Coríntios 4:10‑11; [5] 2 Coríntios 3:18

Conforto das Escrituras para a Segunda-Feira

“Aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo” [1]

Que nada, querido cristão, fique entre seu coração e a esperança da vinda iminente do Senhor. Lembre-se de Sua promessa que diz: “Vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também” [2]. Não preste atenção àqueles que dizem que certos eventos proféticos devem acontecer antes que o Senhor possa vir para os Seus santos. Não aguardamos por eventos, mas por Ele. “Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo” [3]. E não preste atenção àqueles que dizem que a tribulação, ou parte dela, deverá vir primeiro. Ao falar sobre aquele terrível tempo vindouro de ira, a Palavra de Deus nos assegura que “Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo” [4]. E recuse o ensino legalista que diz que nem todos os crentes serão arrebatados, mas apenas aqueles que tenham alcançado uma espiritualidade superior ou que estejam esperando atentamente por Ele, pois a Palavra de Deus assegura que “todos seremos transformados” [5] em Sua vinda. Portanto, “agora, filhinhos, permanecei nele; para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança, e não fiquemos confundidos [envergonhados] diante dele na sua vinda” [6].

Pode ser hoje o dia em que Ele virá
Para nos levar para o lar em glória
Para habitar com Ele para sempre,
Para cantar a história da redenção.

[1] Tito 2:13 – [2] João 14: 2‑3; [3] Filipenses 3:20; [4] 1 Tessalonicenses 5: 9; [5] 1 Coríntios 15:51; [6] 1 João 2:28

Conforto das Escrituras para a Sexta-Feira

“Mas agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto.” [1]

Quão longe estávamos antes de conhecermos a graça de Deus “em Cristo Jesus”. Nós estávamos “mortos em ofensas e pecados… [e] andávamos segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência; entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também” [2]. Nós não tínhamos “esperança, e [estávamos] sem Deus no mundo” [3], “e todas as nossas justiças [eram] como trapo da imundícia” [4]. Mas por simples fé no Salvador, o Senhor Jesus Cristo, passamos “da morte para a vida” [5] e fomos trazidos perto “pelo sangue de Cristo” [1]. Quão perto? Ele “nos fez agradáveis (aceitos) a si no Amado” [6], e “qual ele é, somos nós também neste mundo” [7]. “Vede quão grande amor nos tem concedido o Pai, que fôssemos chamados filhos de Deus. Por isso o mundo não nos conhece; porque não o conhece a ele” [8]. Está escrito que “assim o que santifica, como os que são santificados, são todos de um; por cuja causa não se envergonha de lhes chamar irmãos” [9]. Nosso grande sumo sacerdote orou “para que o mundo conheça que Tu me enviaste a Mim, e que os tens amado a eles como me tens amado a Mim” [10].

Os que são Seus são amados como Ele é amado,
Pois estamos nEle diante de Deus,
“Aceitos no Amado”,
E perdoados de todos os nossos pecados.

[1] Efésios 2:13; [2] Efésios 2:13; [3] Efésios 2:12; [4] Isaías 64:6; [5] João 5:24; [6] Efésios 1:6; [7] 1 João 4:17; [8] 1 João 3:1; [9] Hebreus 2:11; [10] João 17:23

Conforto das Escrituras para a Quarta-Feira

“Andamos por fé, e não por vista” [1]

Que o cristão jamais suponha que o mundo, ou até mesmo os crentes carnais, algum dia entenderão o que é “viver pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” [2], pois “o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente” [3]. Mas assim como nossa vida espiritual começou pela fé, quando cremos em Cristo como Salvador, assim ela continua pela fé. “Como, pois, recebestes o Senhor Jesus Cristo, assim também andai nele” [4], pois “em Jesus Cristo nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum; mas sim a fé que opera pelo amor” [5]. Assim vivemos não pelo que vemos, mas pela fé, pois “a fé é o firme fundamento [substância] das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem” [6], e “não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas” [7]. “Portanto, é pela fé, para que seja segundo a graça, a fim de que a promessa seja firme a toda a posteridade” [8]. E nunca nos esqueçamos que, momento a momento, “a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus” [9]. “Não rejeiteis, pois, a vossa confiança, que tem grande e avultado galardão” [10].

Vivemos pela fé, e não pela vista;
Confiamos em Sua Palavra, de dia e de noite;
Sua Palavra é certa; Ele não pode mentir;
Ele nos pede, assim, para Sua graça provarmos.

[1] 2 Coríntios 5:7; [2] Gálatas 2:20; [3] 1 Coríntios 2:14; [4] Colossenses 2:6; [5] Gálatas 5:6; [6] Hebreus 11:1; [7] 2 Coríntios 4:18; [8] Romanos 4:16; [9] Romanos 10:17; [10] Hebreus 10:35

Conforto das Escrituras para a Terça-Feira

“Guarda-me, ó Deus, porque em ti confio.” [1]

O salmista ora para que Deus o preserve, para que o proteja e guarde de todas as pessoas e circunstâncias que podem machucar e destruir. Quão apropriada é sua oração, pois o Senhor guarda os que são Seus, os guia e os cinge. Note como Ele guarda os que são Seus, “santificados em Deus Pai, e conservados por Jesus Cristo” [2], pois “não deixará vacilar o teu pé; aquele que te guarda não tosquenejará… o Senhor é quem te guarda; o Senhor é a tua sombra à tua direita… o Senhor te guardará de todo o mal; guardará a tua alma” [3, 4, 5]. E veja como Ele guia, pois “guiará os mansos em justiça e aos mansos ensinará o seu caminho” [6]. Ele diz: “Instruir-te-ei, e ensinar-te-ei o caminho que deves seguir; guiar-te-ei com os meus olhos” [7]. “Porque este Deus é o nosso Deus para sempre; ele será nosso guia até à morte” [8], e “guiar-me-ás com o teu conselho, e depois me receberás na glória” [9]. E Ele também nos cinge, “pois me cingiste de força para a peleja” [10]. Quanto precisamos desse cingir diário de Sua força. “O caminho de Deus é perfeito… Deus é o que me cinge de força e aperfeiçoa o meu caminho” [11, 12].

Ele mantém e guarda os que são Seus;
Ele nos guia em caminhos que são corretos;
Ele nos cinge de força para a batalha;
Ele nos cinge com Seu poder.

[1] Salmo 16:1; [2] Judas 1; [3] Salmo 121:3; [4] Salmo 121:5; [5] Salmo 121:7; [6] Salmo 25:9; [7] Salmo 32:8; [8] Salmo 48:14; [9] Salmo 73:24; [10] Salmo 18:39; [11] Salmo 18:30; [12] Salmo 18:32

Conforto das Escrituras para a Segunda-Feira

“Assim também a língua é um pequeno membro, e gloria-se de grandes coisas.” [1]

“Nenhum homem pode domar a língua. É um mal que não se pode refrear; está cheia de peçonha mortal” [2]. Assim “tu, porém, fala o que convém à sã doutrina” [3], e “irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão, e julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; e, se tu julgas a lei, já não és observador da lei, mas juiz. Há só um legislador que pode salvar e destruir. Tu, porém, quem és, que julgas a outrem?” [4] Está escrito que “os lábios do justo sabem o que agrada, mas a boca dos perversos, só perversidades” [5], e “o mexeriqueiro revela o segredo, mas o fiel de espírito o mantém em oculto” [6]. “O que anda tagarelando revela o segredo; não te intrometas com o que lisonjeia com os seus lábios” [7]. Por outro lado, “o coração do sábio instrui a sua boca, e aumenta o ensino dos seus lábios” [8]. Mesmo assim, é bom para nós lembrarmos que “o que guarda a sua boca e a sua língua guarda a sua alma das angústias” [9], e que “a resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira” [10]. Assim “a vossa palavra seja sempre com graça, temperada com sal, para saberdes como deveis responder a cada um” [11].

Palavras são como flechas disparadas,
Com poder para arruinar e matar;
Não há como fazê-las voltar;
Sua dor e mágoa continuam avançando até o alvo.

[1] Tiago 3:5; [2] Tiago 3:8; [3] Tito 2:1; [4] Tiago 4:11-12; [5] Provérbios 10:32; [6] Provérbios 11:13; [7] Provérbios 20:19; [8] Provérbios 16:23; [9] Provérbios 21:23; [10] Provérbios 15:1; [11] Colossenses 4:6