Conforto das Escrituras para a Sexta-Feira

Vivemos em uma era de pressa e correria. Mesmo entre os cristãos, medimos a espiritualidade de alguém por sua assim chamada produtividade. Nós, porém, não nos esqueçamos que estamos diante do Senhor, e a questão principal não será a quantidade de nosso trabalho, mas sim “a obra de cada um se manifestará… e o fogo provará qual seja a obra de cada um” [1], e isto vem antes de quantidade. Precisamos nos lembrar que o serviço cristão não é uma competição de resistência e que o Senhor “conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó” [2]. Certamente, o Senhor não quer que Seus remidos sejam preguiçosos, pois “o que é negligente na sua obra é também irmão do desperdiçador” [3], mas Ele também não quer que estejamos continuamente cansados. “Ao qual disse: Este é o descanso, dai descanso ao cansado; e este é o refrigério” [4]. “Porque assim diz o Senhor DEUS:… Voltando e descansando sereis salvos; no sossego e na confiança estaria a vossa força” [5]. Que Ele não tenha que dizer a nós, como Ele disse a Israel: “mas não quisestes” [5].

Não é por nossa força ou poder
Que o nosso trabalho para o Senhor é provado,
Mas pelo trabalho do próprio Espírito,
Que veio para em nós habitar.

[1] 1 Coríntios 3:13 – [2] Salmo 103:14 – [3] Provérbios 18:9 – [4] Isaías 28:12 – [5] Isaías 30:15

Conforto das Escrituras para a Terça-Feira

“A alegria do Senhor é a vossa força.” [1]

Um cristão sem alegria é um cristão impotente, tanto para manter sua própria vida quanto para comunicar ajuda aos outros. Deus deseja que Sua alegria se apegue aos nossos corações, não importando o estado das coisas que nos cercam. “Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos” [2]. O Senhor deseja que estejamos “transbordando de gozo em todas as nossas tribulações” [3]. Ele deseja “vos encher de todo o gozo e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo” [4]. Muita alegria deveria estar conectada a nossa salvação, e somente uma comunhão prejudicada com o Senhor pode nos roubar essa alegria. Quando isso ocorre, temos de ir depressa ao Senhor em confissão, orando: “Torna a dar-me a alegria da tua salvação, e sustém-me com um espírito voluntário” [5]. Circunstâncias difíceis e amargas provações não deveriam anular nossa alegria no Senhor, pois podemos ser “como contristados, mas sempre alegres” [6]. Portanto, “tende grande gozo quando cairdes em várias tentações [provações]” [7]. “E a minha alma se alegrará no Senhor; alegrar-se-á na sua salvação” [8], e assim “com alegria tirareis águas das fontes da salvação” [9], descobrindo que “a alegria do Senhor é a vossa força” [1].

Alegria quando o coração está oprimido,
Alegria quando por provações passamos,
Alegria na grande misericórdia do Senhor,
Alegria nEle e em Sua graça.

[1] Neemias 8:10 ; [2] Filipenses 4:4 ; [3] 2 Coríntios 7:4 ; [4] Romanos 15:13 ; [5] Salmo 51:12 ; [6] 2 Coríntios 6:10 ; [7] Tiago 1:2 – [8] Salmo 35:9 ; [9] Isaías 12:3

 

Conforto das Escrituras para a Segunda-Feira

“O mesmo Senhor da paz vos dê sempre paz de toda a maneira.” [1]

Deus deseja que os corações de Seu povo redimido sejam preenchidos com Sua própria “paz [sempre] de toda a maneira”. Ele é “o Deus de paz, que pelo sangue da aliança eterna tornou a trazer dos mortos a nosso Senhor Jesus Cristo, grande pastor das ovelhas” [2]. Na noite anterior à cruz, nosso Senhor disse aos Seus: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” [3]. A paz é exatamente o oposto de agitação e medo. Deus não quer que estejamos continuamente preocupados com nossos problemas ou com nossas circunstâncias. Ele quer que tenhamos Sua paz em nossos corações, independentemente de nossas circunstâncias. Ele nos disse para não estarmos “inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus” [4]. Assim “a paz de Deus… domine em vossos corações; e sede agradecidos” [5]. “Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti” [6].

Paz quando há problemas?
Paz quando dói o coração?
Sim, Sua própria paz para guardarnos,
Quando nós em Jesus permanecemos.

[1] 2 Tessalonicenses 3:16 ~ [2] Hebreus 13:20 ~ [3] João 14:27 ~ [4] Filipenses 4: 6‑7 ~ [5] Colossenses 3:15 ~ [6] Isaías 26: 3

 

Conforto das Escrituras para a Terça-Feira

“E jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniqüidades.” [1]

Quanto mais perto o cristão anda em comunhão com o Senhor, mais consciente ele será de sua própria pecaminosidade e de seus pecados. Que grande alegria traz, então, ter a Palavra de Deus diante de nós, que diz: “Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim, e dos teus pecados não me lembro” [2]. E, bendito seja Deus, esse perfeito perdão é assegurado pelo sacrifício perfeito e definitivo de nosso Senhor Jesus Cristo, “em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça” [3]. Não por esforço, nem por uma imaginada justiça própria, nem por ordenanças, nem por ser membro de uma igreja, mas sim “segundo as riquezas da sua graça”, temos “a remissão das ofensas”. “Filhinhos, escrevo-vos, porque pelo seu nome vos são perdoados os pecados” [4]. E embora nós, como cristãos, precisemos lidar constantemente com o assunto do pecado em nossa vida, ainda assim o pecado no sentido condenatório se foi para sempre para o crente em Cristo. “Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa o pecado” [5], porque Cristo “levou ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro” [6], como “o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” [7]

Meus pecados retirados e perdoados,
Embora muitas vezes em minha mente apareçam;
Sim, apagados e retirados para sempre
Pelo sangue do tão querido Filho de Deus.

[1] Hebreus 10:17; [2] Isaías 43:25; [3] Efésios 1:7; [4] 1 João 2:12; [5] Romanos 4:8; [6] 1 Pedro 2:24; [7] João 1:29

 

Conforto das Escrituras para a Segunda-Feira

“Regozijai-vos no Senhor, vós justos, pois aos retos convém o louvor.” [1]

É de fato apropriado para o crente louvar seu Redentor. Ele não somente merece louvor por nos salvar, mas por tudo o que somos e temos. “E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te glorias, como se não o houveras recebido?” [2] Ele “dá todas as coisas para delas gozarmos” [3], assim “bendito seja o Senhor, que de dia em dia nos carrega de benefícios; o Deus que é a nossa salvação” [4]. Não admira que a Palavra de Deus nos diga para estarmos “dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo” [5]. “Portanto, ofereçamos sempre por ele a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome” [6], pois o Senhor diz que “aquele que oferece o sacrifício de louvor me glorificará; e àquele que bem ordena o seu caminho eu mostrarei a salvação de Deus” [7]. “E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai” [8]. “Encha-se a minha boca do teu louvor e da tua glória todo o dia.” [9]

Devo dar-Lhe louvor,
Àquele que por mim Se entregou.
Devo lembrar-me das misericórdias
Derramadas tão plena e livremente.

[1] Salmos 33:1; [2] 1 Coríntios 4:7; [3] 1 Timóteo 6:17; [4] Salmo 68:19; [5] Efésios 5:20; [6] Hebreus 13:15; [7] Salmos 50:23; [8] Colossenses 3:17; [9] Salmos 71:8

Diário do Jovem Cristão para o Domingo

Coroado

O último vislumbre que este mundo teve do Senhor Jesus foi dEle pendurado em uma cruz romana, coroado com uma coroa de espinhos.

“E, tecendo uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça, e em sua mão direita uma cana; e, ajoelhando diante dele, o escarneciam, dizendo: Salve, Rei dos judeus.” (Mateus 27:29)

O próximo vislumbre que este mundo terá do Senhor Jesus será dEle vindo em poder e glória, coroado com muitas coroas.

“E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça. E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo.” (Apocalipse 19:11,12)

Enquanto isso, nós, como crentes, olhamos pela fé e O vemos coroado de glória e honra.

“Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos.” (Hebreus 2:9)