Conforto das Escrituras para a Quarta-Feira

“Nossa glória [alegria] é esta: o testemunho da nossa consciência, de que com simplicidade e sinceridade de Deus, não com sabedoria carnal, mas pela graça de Deus, temos vivido no mundo, e de modo particular [mais abundantemente] convosco” [1]

“Simplicidade e sinceridade de Deus” [1]. Quanto essas coisas são necessárias pelo povo de Deus no mundo hoje. É um dia de extremos, com muita atividade e movimento, e pouca espiritualidade, com as assim chamadas “super” igrejas e movimentos, apresentando grandes estatísticas. Bem nos lembramos que “Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; e Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são; para que nenhuma carne se glorie perante ele” [2]. A vida cristã não é vivida nem a obra cristã cumprida “com sabedoria carnal” [3]. “Não por força nem por poder, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor dos exércitos” [4]. Tomemos cuidado para que não “sejam de alguma sorte corrompidos os vossos entendimentos e se apartem da simplicidade e da pureza que há em Cristo” [5]. “Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas” [6].

A sabedoria humana não pode prevalecer
Na obra que é feita para o Senhor;
Ela deve ser feita na própria força dEle,
Por aqueles que confiam em Sua Palavra.

[1] 2 Coríntios 1:12 ~ [2] 1 Coríntios 1:27-29 ~ [3] Zacarias 4:6 ~ [4] 2 Coríntios 11:3 ~ [5] Provérbios 3:6

Conforto das Escrituras para a Terça-Feira

“A graça salvadora de Deus se há manifestado… ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente, aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo” [1]

Porque nós, que conhecemos o Salvador, fomos “comprados por bom preço”, é-nos dito: “Glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus” [2]. Em Cristo “temos a redenção pelo seu sangue” [3], logo devemos deixar aquelas coisas que pertencem à velha vida, para estarmos “renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas” [1], e para vivermos agora para Sua glória, pois devemos “viver neste presente século sóbria, e justa, e piamente” [1]. “Já vos despistes do velho homem com os seus feitos, e vos vestistes do novo, que se renova para o conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou” [4]. E como estamos constantemente “aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo” [1], devemos descobrir, em nossa experiência pessoal, que Ele “se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniquidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras” [5]. “E qualquer que nele tem esta esperança purifica-se a si mesmo, como também ele é puro” [6].

Deixando de lado as obras más
E vivendo piamente cada dia,
Sustentados por Sua graça e poder,
Em cada passo de nosso peregrinar.

[1] Tito 2:11-13 ~ [2] 1 Coríntios 6:20 ~ [3] Efésios 1:7 ~ [4] Colossenses 3:9-10 ~ [5] Tito 2:14 ~ [6] 1 João 3:3

Conforto das Escrituras para a Segunda-Feira

“Ajudando-nos também vós com orações por nós” [1]

Paulo tinha acabado de escrever sobre “a tribulação que nos sobreveio na Ásia, pois que fomos sobremaneira agravados mais do que podíamos suportar, de modo tal que até da vida desesperamos”. “Mas”, ele continua, “já em nós mesmos tínhamos a sentença de morte, para que não confiássemos em nós, mas em Deus, que ressuscita os mortos; o qual nos livrou de tão grande morte, e livra; em quem esperamos que também nos livrará ainda” [2]. Assim ele conecta a libertação que Deus proporcionou às orações de seus amigos coríntios, que “ajudavam também … com orações por nós” [1]. Nunca saberemos, até aquela hora em que todos os santos estiverem em segurança com o Senhor, que Deus fez em nossas vidas pelas orações de outros santos. Paulo, na prisão, escreveu aos filipenses sobre sua situação e disse: “Sei que disto me resultará salvação [libertação da prisão], pela vossa oração e pelo socorro do Espírito de Jesus Cristo” [3]. A Palavra de Deus tem muito a dizer sobre nossas orações uns pelos outros. Assim “levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo” [4]. “A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos” [5].

Ao nos lembrarmos uns dos outros
Diante do trono de Sua graça,
Deus empreende por nós ricamente,
Por cada um em seu próprio lugar.

[1] 2 Coríntios 1:11 ~ [2] 2 Coríntios 1:8-10 ~ [3] Filipenses 1:19 ~ [4] Gálatas 6:2 ~ [5] Tiago 5:16

Conforto das Escrituras para o Sábado

“Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado.” [1]

Há épocas em nossa vida cristã que devemos prosseguir com determinação piedosa. Alguns deveres desagradáveis nos enfrentam, algumas tarefas devem ser realizadas, e sentimos que não estamos preparados para isso. Algumas palavras precisam ser faladas, e nos encontramos relutantes em dizê-las. Em tais momentos, independentemente de nossos sentimentos e temores, devemos seguir em frente. Paulo, com seu coração pesado por causa da carnalidade dos crentes de Corinto, “nada se propôs saber entre eles, senão a Jesus Cristo, e este crucificado” [1]. Mais tarde ele lhes escreveu: “deliberei isto comigo mesmo: não ir mais ter convosco em tristeza” [2]. Tendo determinado essas coisas em seu coração, ele prosseguiu a cumpri-las. Está registrado, de nosso bendito Senhor, que “completando-se os dias para a sua assunção [subida ao céu], manifestou o firme propósito de ir a Jerusalém” [3]. E O ouvimos falar profeticamente, através de Isaías, dizendo: “O Senhor DEUS me ajuda, assim não me confundo; por isso pus o meu rosto como um seixo, porque sei que não serei envergonhado” [4]. Que nós, que O conhecemos, nos determinemos a fazer Sua vontade. “Tenho posto o Senhor continuamente diante de mim; por isso que ele está à minha mão direita, nunca vacilarei” [5].

A tarefa não é minha, mas do Senhor,
Aquilo que Ele me chama a fazer;
Me entrego a Sua direção;
E Ele me levará adiante.

[1] 1 Coríntios 2:2 ~ [2] 2 Coríntios 2:1 ~ [3] Lucas 9:51 ~ [4] Isaías 50:7 ~ [5] Salmo 16:8

Conforto das Escrituras para a Sexta-Feira

“Uma coisa pedi ao Senhor, e a buscarei: que possa morar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do Senhor, e inquirir no seu templo.” [1]

“A casa do Senhor” era onde o Senhor tinha dito que “ali virei a ti, e falarei contigo de cima do propiciatório” [2]. O desejo de Davi então era estar na presença do Senhor, estar em comunhão com Ele. O mesmo desejo é expresso por Paulo quando ele disse: “Para conhecê-lo, e à virtude da sua ressurreição, e à comunicação de suas aflições, sendo feito conforme à sua morte” [3], e “não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” [4]. Muitos de nós que conhecemos o Senhor temos um desejo de andar com o Senhor, para “crescer na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo” [5], mas, diferente de Davi, não buscamos constantemente tal comunhão. Nós nos permitimos ser “sufocados com os cuidados e riquezas e deleites da vida” [6]. Se “prosseguirmos em conhecer ao Senhor” [7] em comunhão íntima, devemos continuamente “buscar as coisas que são de cima” [8].

Se conhecermos de perto Sua presença
E refletirmos também sua beleza,
Então podemos considerar todas as coisas como perda
Aquelas que escondem Seu rosto de vista.

[1] Salmos 27:4 ~ [2] Êxodo 25:22 ~ [3] Filipenses 3:10 ~ [4] Filipenses 3:13-14 ~ [5] 2 Pedro 3:18 ~ [6] Lucas 8:14 ~ [7] Oséias 6:3 ~ [8] Colossenses 3:1