Conforto das Escrituras para a Sexta-Feira

“Foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar. Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim. E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo” [1]

Há muitos entre os santos que conhecem algo sobre “um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear” [1]. Pode ser alguma enfermidade física, como foi evidentemente o caso de Paulo. Ou pode ser uma provação ou uma pressão de alguma outra natureza, para a qual orações por sua remoção já foram feitas várias vezes. No entanto, o Senhor não achou oportuno removê-lo. Não é porque Ele não se preocupa, pois Ele “compadece-se (é tocado pelo sentimento) das nossas fraquezas (enfermidades)” [2]. Mas Ele deseja que aprendamos a tirar nossa força dEle, que é “o Deus de toda a graça” [3]. Ele não apenas tem a graça salvadora, como também tem a graça sustentadora, e Seu “poder se aperfeiçoa na [nossa] fraqueza” [1]. “Porque foste a fortaleza (força) do pobre, e a fortaleza (força) do necessitado, na sua angústia; refúgio contra a tempestade, e sombra contra o calor” [4].

Você já clamou a Ele muitas vezes?
Para que seu “espinho na carne” se fosse?
Mas Ele ainda não o removeu,
Para que, a você, Sua graça Ele mostre.

[1] 2 Coríntios 12:7-9 ~ [2] Hebreus 4:15 ~ [3] 1 Pedro 5:10 ~ [4] Isaías 25:4

Conforto das Escrituras para a Quinta-Feira

“Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo” [1]

Na família de Deus, sempre há aqueles que estão passando por tristezas e pressões e que precisam de ajuda e encorajamento. Se devemos “cumprir a lei de Cristo”, devemos “levar as cargas uns dos outros” [1], “porque também Cristo não agradou a si mesmo, mas, como está escrito: Sobre mim caíram as injúrias dos que te injuriavam” [2], e quando Ele esteve aqui na terra, “Ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e levou as nossas doenças” [3], voluntariamente tornando os problemas dos outros os Seus próprios problemas. “Pela dor [tristeza] do coração o espírito se abate [se quebra]” [4], e “a ansiedade [peso] no coração deixa o homem abatido, mas uma boa palavra o alegra” [5]. Olhemos por oportunidades de “levar as cargas uns dos outros” [1], a oportunidade de falar alguma palavra ou realizar algum ato de bondade que ajudará nosso irmão em seu tempo de necessidade. “Mas nós, que somos fortes, devemos suportar as fraquezas dos fracos, e não agradar a nós mesmos” [6], para estarmos “comunicando [distribuindo] com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade… Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram” [7, 8]. “Lembrai-vos dos presos, como se estivésseis presos com eles, e dos maltratados, como sendo-o vós mesmos também no corpo” [9].

Deixe-me ajudar meu irmão, Senhor querido,
Como Tu, pela graça, me ajudou;
Deixe me suportar suas dores com ele,
Para que mais leve sua carga seja.

[1] Gálatas 6:2 ~ [2] Romanos 15:3 ~ [3] Mateus 8:17 ~ [4] Provérbios 15:13 ~ [5] Provérbios 12:25 ~ [6] Romanos 15:1 ~ [7] Romanos 12:13 ~ [8] Romanos 12:15 ~ [9] Hebreus 13:3

Conforto das Escrituras para a Quarta-Feira

“E consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras” [1]

Todos nós que conhecemos o Senhor Jesus, “sendo muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros” [2], e portanto devemos “considerar-nos uns aos outros” e devemos “amar-nos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros” [3]. Somos admoestados a “não atentar cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros” [4]. Deus nos deu o privilégio e a responsabilidade de “levar as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo” [5], para que possamos “servir-nos uns aos outros pelo amor” [6]. Podem haver ocasiões, no círculo em que vivemos, em que devemos “admoestar [alertar] os desordeiros, consolar os de pouco ânimo [tímidos, medrosos], sustentar [apoiar] os fracos, e ser pacientes para com todos” [7], “com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor” [8]. Então, amigos cristãos, “consideremo-nos uns aos outros” [1], atendendo às necessidades dos outros, para que possamos estimulá-los e incitá-los “ao amor e às boas obras” [1]. “Amai-vos ardentemente uns aos outros com um coração puro” [9], e “sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo” [10].

Sempre há a necessidade, para com os outros,
De uma palavra de amor e ânimo,
Tanto para alertar quanto para encorajar,
E para libertar do medo.

[1] Hebreus 10:24 ~ [2] Romanos 12:5 ~ [3] Romanos 12:10 ~ [4] Filipenses 2:4 ~ [5] Gálatas 6:2 ~ [6] Gálatas 5:13 ~ [7] 1 Tessalonicenses 5:14 ~ [8] Efésios 4:2 ~ [9] 1 Pedro 1:22 ~ [10] Efésios 4:32

Conforto das Escrituras para a Terça-Feira

“Cheguemos, pois, com confiança (ousadia) ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno (tempo de necessidade)” [1]

Nós que conhecemos o Salvador somos exortados a “chegar… com confiança ao trono da graça”. Para o crente, o trono de Deus não é mais um trono de juízo que devemos temer. Em vez disso, porque nossos pecados foram lançados fora para sempre pelo sangue de Cristo, é agora um trono de graça! “E Deus é poderoso para fazer abundar em vós toda a graça, a fim de que tendo sempre, em tudo, toda a suficiência, abundeis em toda a boa obra” [2]. E nosso versículo não diz que devemos “chegar com ousadia”, com toda a confiança e franqueza, para pedir por misericórdia e para esperar por graça em nosso “tempo de necessidade”. Em vez disso, o versículo diz que chegamos para que “possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno” [1]. “Esta é a confiança que temos nele, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve. E, se sabemos que nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que alcançamos as petições que lhe fizemos” [3]. Assim como Davi, conhecemos o Senhor como “tu que ouves as orações” [4]. “Ah Senhor DEUS! Eis que tu fizeste os céus e a terra com o teu grande poder, e com o teu braço estendido; nada há que te seja demasiado difícil” [5]. “Derramai perante ele o vosso coração” [6].

Posso vir ousadamente a Ele
Com todas as minhas necessidades e cuidados;
Ele prometeu graça suficiente;
E Sua promessa acalma meus medos.

[1] Hebreus 4:16 ~ [2] 2 Coríntios 9:8 ~ [3] 1 João 5:14-15 ~ [4] Salmo 65:2 ~ [5] Jeremias 32:17 ~ [6] Salmo 62:8

Conforto das Escrituras para a Segunda-Feira

“Para que aproveis as coisas excelentes, a fim de que sejais sinceros, e sem ofensa (escândalo) até o dia de Cristo” [1]

“Sincero” significa ser “testado contra a luz do sol”, e Deus deseja que Seu povo seja testado pela luz de Sua Palavra e seja achado “sincero”, para serem limpos e puros, de confiança e honestos, e para serem sem engano e pretensão. Para isso, Ele deseja que “o vosso amor aumente (abunde) mais e mais no pleno conhecimento e em todo o discernimento” [2], e tal experiência é possível ao sermos “cheios do fruto de justiça, que vem por meio de Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus” [3]. Para este fim, devemos “desejar… o leite racional [da Palavra], sem dolo (sincero), para que por ele cresçais” [4], e temos a garantia da graça de Deus para com “com todos os que amam a nosso Senhor Jesus Cristo em sinceridade” [5]. Enquanto andamos na luz de Sua Palavra, tal “simplicidade e sinceridade de Deus” [6] será nossa, enquanto somos “testados contra a luz do sol”, pois “a exposição das tuas palavras dá luz; dá entendimento aos simples” [7], e a essa Palavra de Deus “à qual bem fazeis em estar atentos, como a uma candeia que alumia em lugar escuro, até que o dia amanheça e a estrela da alva surja em vossos corações” [8]. Tal vida irá “provar… a sinceridade de vosso amor” [9].

Sermos “sinceros e sem ofensa”,
Até o momento em que Ele venha,
Quando Ele nos dirá: “Muito bem”,
A melhor recompensa por todas as nossas lágrimas.

[1] Filipenses 1:10 (AA) ~ [2] Filipenses 1:9 (AA) ~ [3] Filipenses 1:11 (AA) ~ [4] 1 Pedro 2:2 (AA) ~ [5] Efésios 6:24 (ACF) ~ [6] 2 Coríntios 1:12 (ACF) ~ [7] Salmos 119:130 (AA) ~ [8] 2 Pedro 1:19 (AA) ~ [9] 2 Coríntios 8:8 (AA)

{* AA = Almeida Revisada Imprensa Bíblica; ACF = Almeida Corrigida Fiel}

Conforto das Escrituras para o Domingo

“Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o exemplo dos fiéis (crentes), na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza” [1]

Essas palavras inspiradas pelo Espírito, escritas por Paulo ao jovem Timóteo, são igualmente aplicáveis a cada cristão, pois todos nós somos chamados a ser “o exemplo dos crentes” [1] em todas as áreas de nossa vida. Somos ditos a “fazer veredas direitas para os vossos pés, para que o que manqueja não se desvie inteiramente, antes seja sarado” [2], e a “portar-vos (deixar nossas conversas serem) dignamente conforme o evangelho de Cristo… que estais num mesmo espírito, combatendo juntamente com o mesmo ânimo pela fé do evangelho” [3]. Devemos “falar o que convém à sã doutrina” [4], e a sermos “em tudo… exemplo de boas obras; na doutrina mostra incorrupção, gravidade, sinceridade” [5], “para que, no tempo que vos resta na carne, não vivais mais segundo as concupiscências dos homens, mas segundo a vontade de Deus” [6]. Nós que somos salvos fomos “chamados à liberdade”, mas não devemos “usar então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pelo amor” [7]. Que não seja verdade de nós como era dos escribas e fariseus, que “dizem e não fazem” [8]. Em vez disso, pela graça capacitadora, “sê o exemplo dos crentes” [1].

É sua vida uma luz para nosso Senhor,
Em meio as trevas deste mundo?
Mostrando o poder de Sua graça,
Apesar dos dardos por Satanás lançados?

[1] 1 Timóteo 4:12 ~ [2] Hebreus 12:13 ~ [3] Filipenses 1:27 ~ [4] Tito 2:1 ~ [5] Tito 2:7 ~ [6] 1 Pedro 4:2 ~ [7] Gálatas 5:13 ~ [8] Mateus 23:3

Pessoa e Obra de Cristo

Cristo Jesus

“Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome”. (Filipenses 2:5-9)

O Dr. Thomas Alexander Lambie (1885-1955) foi à Etiópia como um médico missionário. Após algum tempo ele desejou comprar uma terra para um ponto de missões. Um lei etíope dizia que nenhuma terra podia ser vendida a estrangeiros. Como o Dr. Lambie tinha um grande amor por Cristo e pelos etíopes, ele renunciou a sua cidadania americana e tornou-se um cidadão etíope. Então ele comprou a propriedade necessária para sua obra.

Os Estados Unidos, querendo homenageá-lo por sua grande obra na Etiópia, restaurou sua cidadania americana.

Este relato é apenas uma fraca figura do que temos nos versículos acima no que diz respeito à pessoa e obra do Senhor Jesus Cristo.

Conforto das Escrituras para o Sábado

“Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem [ou: divide corretamente*] a palavra da verdade” [1]

Ao estudarmos a Bíblia, cuja “lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho” [2], que tenhamos certeza de que estamos “dividindo corretamente a palavra da verdade” [1]. Enquanto toda a Palavra de Deus é para nós “proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça” [3] — enquanto é tudo para nós, não é tudo sobre nós. Por exemplo, a palavra de Deus a Adão foi: “da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás” [4]. Certamente esta passagem, assim como outras, é “proveitosa” [3] para nós, ao observarmos os efeitos da desobediência de Adão a ela, ainda que não seja diretamente dita a nós, pois não estamos no Jardim do Éden no princípio da história da humanidade, como Adão estava. Assim, que possamos “dividir corretamente a palavra da verdade” [1], arando um sulco reto, traçando linhas claras. Apliquemos a Israel o que Deus disse a eles, e apliquemos à igreja o que Deus disse a ela, em obediência sincera. Assim podemos dizer com o salmista: “Quão doces são as tuas palavras ao meu paladar, mais doces do que o mel à minha boca” [5].

A Palavra de Deus é clara para o homem
Cujo coração está pronto a obedecê-la,
Trazendo vida, esperança e bênção
De cada versículo das Sagradas Escrituras.

[1] 2 Timóteo 2:15* ~ [2] Salmos 119: 105 ~ [3] 2 Timóteo 3:16 ~ [4] Gênesis 2:17 ~ [5] Salmo 119: 103

{*Confira na versão King James, Darby, e no dicionário grego Strong}

Conforto das Escrituras para a Sexta-Feira

“Mas o que nos confirma convosco em Cristo, e o que nos ungiu, é Deus, o qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nossos corações” [1]

A Palavra de Deus nos ensina claramente que neste presente século, desde o Calvário e Pentecostes, não há tal coisa como um verdadeiro crente em Cristo que não possua o Espírito Santo habitando em si, e “se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele” [2]. Por estarmos “em Cristo”, Deus “nos ungiu” [1] pelo Seu Espírito, de modo que possamos compreender a verdade espiritual. “E vós tendes a unção do Santo, e sabeis todas as coisas” [3]. “As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam. Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito” [4]. Além disso, Deus pelo Seu Espírito “também nos selou” [1], e nós que conhecemos o Salvador somos exortados a “não entristecer o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção” de nossos corpos [5]. Tendo “crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória” [6]. O Espírito em nós é a garantia de Deus da glória vindoura que iremos desfrutar.

Redimidos pelo sangue de Jesus,
Habitados pelo Seu Espírito agora,
Eu louvarei o Seu nome para sempre;
Em Sua presença me prostrarei.

[1] 2 Coríntios 1:21-22 ~ [2] Romanos 8:9 ~ [3] 1 João 2:20 ~ [4] 1 Coríntios 2:9-10 ~ [5] Efésios 4:30 ~ [6] Efésios 1:13-14

Conforto das Escrituras para a Quinta-Feira

“Porque assim diz o Alto e o Sublime, que habita na eternidade, e cujo nome é Santo: Num alto e santo lugar habito; como também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos, e para vivificar o coração dos contritos” [1]

Se nós cristãos conhecermos a bênção da constante comunhão com o Senhor, devemos ser “contritos e abatidos de espírito” [1], “porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes” [2]. “Digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um” [3]. “E que tens tu que não tenhas recebido? E, se o recebeste, por que te glorias, como se não o houveras recebido?” [4] Que não nos esqueçamos que “perto está o Senhor dos que têm o coração quebrantado, e salva os contritos de espírito” [5], e que “os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus” [6]. Assim “diz o Senhor; mas para esse olharei, para o pobre e abatido de espírito, e que treme da minha palavra” [7].

Aquele que é autossuficiente
Continua em seu caminho altivo,
Mas aquele que confia no Salvador
Encontra novas bênçãos a cada dia.

[1] Isaías 57:15 ~ [2] 1 Pedro 5:5 ~ [3] Romanos 12:3 ~ [4] 1 Coríntios 4:7 ~ [5] Salmos 34:18 ~ [6] Salmos 51:17 ~ [7] Isaías 66:2