Conforto das Escrituras para a Terça-Feira

“Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas” [1]

“Eu sei, ó Senhor, que não é do homem o seu caminho; nem do homem que caminha o dirigir os seus passos” [2]. “O que confia no seu próprio coração é insensato, mas o que anda em sabedoria, será salvo*” [3]. Deus nos disse graciosamente que “se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, e o não lança em rosto, e ser-lhe-á dada. Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento, e lançada de uma para outra parte” [4]. “A teu servo, pois, dá um coração entendido… para que prudentemente discirna entre o bem e o mal” [5]. E o Senhor prometeu assim fazê-lo pelos Seus, pois “se clamares por conhecimento, e por inteligência alçares a tua voz, se como a prata a buscares e como a tesouros escondidos a procurares, então entenderás o temor do Senhor, e acharás o conhecimento de Deus. Porque o Senhor dá a sabedoria; da sua boca é que vem o conhecimento e o entendimento” [6]. Pois “há um espírito no homem, e a inspiração do Todo-Poderoso o faz entendido” [7]. “Qual é o homem que teme ao Senhor? Ele o ensinará no caminho que deve escolher” [8].

Nosso conhecimento não é suficiente
Para nele confiarmos na necessidade
O perfeito entendimento do Senhor
Pode mostrar-nos real sabedoria.

[1] Provérbios 3:6 ~ [2] Jeremias 10:23 ~ [3] Provérbios 28:26 ~ [4] Tiago 1:5-6 ~ [5] 1 Reis 3:9 ~ [6] Provérbios 2:3-6 ~ [7] Jó 32:8 ~ [8] Salmo 25:12

* A palavra “salvo” aqui se refere à salvação ou libertação de coisas ou circunstâncias terrenas, e não da salvação eterna da alma, que é somente pela fé em Cristo e em Sua obra consumada na cruz. Isto é evidente pelo caráter do livro de Provérbios, cujo tema é a sabedoria para viver dignamente neste mundo. Se tiver dúvidas sobre passagens como esta que falam de salvação, porém não de salvação da alma, acesse o seguinte link: http://www.respondi.com.br/2012/02/15-passagens-que-dizem-que-podemos.html

Conforto das Escrituras para a Segunda-Feira

“Não digas: Vingar-me-ei do mal; espera pelo Senhor, e ele te livrará” [1]

É a inclinação natural de nossos corações pervertidos pelo pecado desejar ficar quites com aqueles que nos maltratam ou nos ignoram. Mas a Palavra de Deus nos diz: “Não digas: Como ele me fez a mim, assim o farei eu a ele; pagarei a cada um segundo a sua obra” [2]. Em vez disso, Deus diz a nós, que O conhecemos: “Vede que ninguém dê a outrem mal por mal, mas segui sempre o bem, tanto uns para com os outros, como para com todos” [3], e a “bendizer os que vos maldizem, e orai pelos que vos caluniam” [4], “não tornando mal por mal, ou injúria por injúria; antes, pelo contrário, bendizendo; sabendo que para isto fostes chamados, para que por herança alcanceis a bênção” [5]. “Porque bem conhecemos aquele que disse: Minha é a vingança, eu darei a recompensa, diz o Senhor. E outra vez: O Senhor julgará o seu povo” [6]. Então, não retiremos nosso caso de Suas mãos, “pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo… O qual, quando o injuriavam, não injuriava, e quando padecia não ameaçava, mas entregava-se àquele que julga justamente” [7, 8]. “Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça” [9].

Não podemos lutar nossas próprias batalhas;
Não temos sabedoria nem força,
Mas colocando tudo em Suas queridas mãos
Fará tudo ficar certo com o tempo.

[1] Provérbios 20:22; [2] Provérbios 24:29; [3] 1 Tessalonicenses 5:15; [4] Lucas 6:28; [5] 1 Pedro 3:9; [6] Hebreus 10:30; [7] 1 Pedro 2:21; [8] 1 Pedro 2:23; [9] Romanos 12:20

Conforto das Escrituras para o Domingo

“Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo”

Quando Paulo escreveu a afirmação acima, ele tinha acabado de enumerar as coisas em que ele tinha uma vez confiado e se gloriado. Estas incluíam sua descendência, sua educação, seu zelo e sua imaginada justiça. Mas quando, cerca de trinta anos antes de ele ter feito a afirmação acima, ele teve um encontro pessoal com o Senhor Jesus Cristo e veio a conhecê-Lo, todas essas coisas foram “reputadas perda por Cristo” [1]. Houve e há muitos hoje que podem dar um testemunho similar: Tudo mudou quando nos encontramos com Ele. Todas as coisas em que confiávamos e nos gloriávamos foram “reputadas perda por Cristo”. Mas será que essa atitude continuou em nossa vida? Será que continuamos através dos dias e dos anos e das variadas circunstâncias da vida a reputar tudo como “perda por Cristo”? Para Paulo tinha continuado, e ele diz ainda que “na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo, e seja achado nele” [2]. Nosso amor pelo Senhor deveria se aprofundar cada vez mais à medida que nossos dias passam. Que Ele não tenha que dizer de nós: “Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor” [3], e que não tenhamos que orar: “Torna a dar-me (restaura-me) a alegria da tua salvação” [4].

“Por perda todas as coisas” por Ti, Senhor querido,
Seja a riqueza, ou a fama, ou o nome;
Tenho ouvido a Ele e observado,
AquEle que é sempre o mesmo.

[1] Filipenses 3:7 ~ [2] Filipenses 3:8-9 ~ [3] Apocalipse 2:4 ~ [4] Salmo 51:12

Conforto das Escrituras para o Sábado

“Há alguns que se fazem de ricos, e não têm coisa nenhuma, e outros que se fazem de pobres e têm muitas riquezas” [1]

“Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui” [2]. Quão fácil é para o cristão envolver-se com coisas materiais, esquecendo-se que “nada trouxemos para este mundo, e manifesto é que nada podemos levar dele” [3], pois “te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus” [4]. “Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração” [5]. “Manda aos ricos deste mundo (os que são ricos neste mundo) que não sejam altivos, nem ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos, que façam bem, enriqueçam em boas obras, repartam de boa mente, e sejam comunicáveis” [6].

As riquezas do mundo perecem;
O que é dado a Deus permanece,
Nos esperando no céu,
A terra das riquezas eternas.

[1] Provérbios 13:7; [2] Lucas 12:15; [3] 1 Timóteo 6:7; [4] Lucas 12:20-21; [5] Mateus 6:19-21; [6] 1 Timóteo 6:17-18

Conforto das Escrituras para a Sexta-Feira

“Tens visto o homem que é sábio a seus próprios olhos? Pode-se esperar mais do tolo do que dele” [1]

Lamentável e de dar pena é aquela pessoa que pensa estar sempre certa, e que acha que deve ter a última palavra em cada argumento ou situação. É triste dizer, mas tais pessoas podem ser encontradas entre os filhos redimidos de Deus. Tal atitude está em em clara violação à Palavra de Deus, que diz “a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um” [2]. A Palavra também nos diz: “Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros” [3]. Nunca existe uma razão válida para um filho de Deus ser “sábio a seus próprios olhos” [1]. Que nunca cheguemos a imaginar que tenhamos um conhecimento perfeito sobre tudo, não até vermos o Senhor. “Agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido” [4]. Agora, nesta vida presente, “se alguém cuida saber alguma coisa, ainda não sabe como convém saber” [5]. Então, “se procedeste loucamente, exaltando-te, e se planejaste o mal, leva a mão à boca” [6].

Nosso conhecimento é limitado;
Tanto que não sabemos;
Por que deveríamos pensar que somos sábios,
Acima do que os outros conhecem?

[1] Provérbios 26:12 ~ [2] Romanos 12:3 ~ [3] Filipenses 2:3-4 ~ [4] 1 Coríntios 13:12 ~ [5] 1 Coríntios 8:2 ~ [6] Provérbios 30:32

Conforto das Escrituras para a Quinta-Feira

“A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira” [1]

Quantas vezes, quando ocorre uma situação potencialmente explosiva em nosso lar, entre amigos, ou na igreja, essa situação é suavizada por uma “resposta branda” e suave, e quantas vezes a “palavra dura” e dolorosa, que seria melhor não ter sido dita, foi usada para “suscitar a ira”, para machucar a todos os envolvidos. “O homem iracundo [propenso a irar-se] suscita contendas, mas o longânimo apaziguará a luta” [2]. “Há alguns que falam como que espada penetrante, mas a língua dos sábios é saúde” [3], e “pela longanimidade se persuade o príncipe, e a língua branda amolece até os ossos” [4]. Tal “lingua branda”, ou, se necessário, língua silenciosa, é um testemunho para o nosso Senhor, “o qual, quando o injuriavam, não injuriava, e quando padecia não ameaçava, mas entregava-se àquele que julga justamente” [5]. Que não sejamos daqueles que “dizem: Com a nossa língua prevaleceremos; são nossos os lábios; quem é senhor sobre nós?” [6] Lembremo-nos sempre que, quando permitida, “a língua é um pequeno membro, e gloria-se de grandes coisas… A língua também é um fogo; como mundo de iniquidade” [7]. Quão necessário é que a palavra do cristão “seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como vos convém responder a cada um” [8].

Uma resposta branda e suave
Pode acalmar a ira do homem,
Mas com palavras duras e dolorosas
A raiva pode iniciar e se espalhar.

[1] Provérbios 15:1 ~ [2] Provérbios 15:18 ~ [3] Provérbios 12:18 ~ [4] Provérbios 25:15 ~ [5] 1 Pedro 2:23 ~ [6] Salmo 12:4 ~ [7] Tiago 3:5-6 ~ [8] Colossenses 4:6

Conforto das Escrituras para a Quarta-Feira

“Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” [1]

Para que tenhamos liberdade em nossa vida do poder do pecado, é necessário que “permaneçamos na Palavra”. Assim “conhecereis a verdade” [1], e “a Tua Palavra é a verdade” [2]. “Permanecer” é o mesmo que “continuar”, “ficar”, “conservar-se”. “Permanecerdes na minha palavra” [1] é o mesmo que permitir que “a palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria” [3], pois “a entrada das tuas palavras dá luz, dá entendimento aos símplices” [4]. Então “tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado… as sagradas Escrituras” [5]. Pois “os preceitos do Senhor são retos e alegram o coração; o mandamento do Senhor é puro, e ilumina os olhos… Mais desejáveis são do que o ouro, sim, do que muito ouro fino; e mais doces do que o mel e o licor dos favos. Também por eles é admoestado o teu servo; e em os guardar há grande recompensa” [6, 7]. Caro leitor cristão, o quanto a Palavra de Deus significa para você? Manifestamos nosso amor pelo Senhor por meio de nosso amor por Sua Palavra? Podemos com sinceridade dizer a Ele que “os Teus testemunhos são o meu prazer e os meus conselheiros” [8]?

“Tua Palavra é uma lâmpada para” mim,
Para “guiar-me em Tua verdade”
“Regozijando o coração” dia a dia,
E de que eu O amo é a prova.

[1] João 8:31-32; [2] João 17:17; [3] Colossenses 3:16; [4] Salmos 119:130; [5] 2 Timóteo 3:14-15; [6] Salmo 19:8; [7] Salmo 19:10-11; [8] Salmo 119:24

Conforto das Escrituras para a Terça-Feira

“Aquele que tocar em vós toca na menina do seu olho” [1]

Qualquer um, seja salvo ou não, que levanta sua mão contra algum dos filhos redimidos de Deus, está convidando Deus a tratar consigo mesmo, “porque aquele que tocar em vós toca na menina do seu olho” [1]. O Senhor disse de Israel que “achou-o numa terra deserta, e num ermo solitário cheio de uivos; cercou-o, instruiu-o, e guardou-o como a menina do seu olho” [2], e Sua Palavra concernente a todo Seu povo é “Não toqueis os meus ungidos” [3]. Lemos sobre como Saulo de Tarso, “respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor… indo no caminho… subitamente o cercou um resplendor de luz do céu, e… ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues” [4, 5]. Ao perseguir o povo do Senhor, Paulo tinha perseguido o próprio Senhor. “Não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado” [6]. “Quem estendeu a sua mão contra o ungido do Senhor, e ficou inocente?” [7] Podemos orar com confiança: “Guarda-me como à menina do olho; esconde-me debaixo da sombra das tuas asas” [8].

Deus guarda os que são Seus dia a dia,
Pois são queridos ao Seu coração;
“Minha é a vingança; eu recompensarei”
Disse Ele àqueles que machucariam.

[1] Zacarias 2:8; [2] Deuteronômio 32:10; [3] Salmos 105:15; [4] Atos 9:1; [5] Atos 9:3-5; [6] Hebreus 4:15; [7] 1 Samuel 26:9; [8] Salmos 17:8

Conforto das Escrituras para a Segunda-Feira

“Este mesmo mês vos será o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos meses do ano” [1]

“Eia agora vós, que dizeis: Hoje, ou amanhã, iremos a tal cidade, e lá passaremos um ano, e contrataremos, e ganharemos; digo-vos que não sabeis o que acontecerá amanhã” [2]. “Não presumas do dia de amanhã, porque não sabes o que ele trará” [3]. Mas, “o Senhor, pois, é aquele que vai adiante de ti; ele será contigo, não te deixará, nem te desamparará; não temas, nem te espantes” [4], pois “a tua força seja como os teus dias” [5]. Ele diz aos Seus: “Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça” [6], “porque eu, o Senhor teu Deus, te tomo pela tua mão direita; e te digo: Não temas, eu te ajudo” [7]. “Porque ele te livrará do laço do passarinheiro… Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas te confiarás; a sua verdade será o teu escudo e broquel” [8]. Assim “sairei na força do Senhor DEUS, farei menção da tua justiça, e só dela” [9], “remindo o tempo; porquanto os dias são maus” [10].

Os dias se estendem diante de mim,
E não conheço o que eles me trazem,
Mas conheço aquEle que prometeu,
Nunca abandonar minha alma.

[1] Êxodo 12:2 ~ [2] Tiago 4:13-14 ~ [3] Provérbios 27:1 ~ [4] Deuteronômio 31:8 ~ [5] Deuteronômio 33:25 ~ [6] Isaías 41:10 ~ [7] Isaías 41:13 ~ [8] Salmo 91:3-4 ~ [9] Salmo 71:16 ~ [10] Efésios 5:16

Conforto das Escrituras para o Domingo

“Até que refresque o dia, e fujam as sombras” [1]

Muitas têm sido as sombras que caem nos caminhos dos queridos filhos de Deus enquanto viajamos por um mundo que rejeitou a Cristo. As sombras da dor, perseguição, separação, desentendimento, esperanças destruídas, cansaço, privações, sofrimento e “a sombra da morte” [2]. Mas em um dia desses “as sombras fugirão” [1], e conheceremos por vista, mesmo que agora conheçamos pela fé, “que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada” [3]. Como João em Patmos, ouviremos uma voz dizer: “Sobe aqui” [4], na “vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, e… nossa reunião com ele” [5], “e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas” [6]. “Até que refresque o dia” [1], confiemos e sirvamos a Ele, seguindo “mui firme, a palavra dos profetas, à qual bem fazeis em estar atentos, como a uma luz que alumia em lugar escuro, até que o dia amanheça, e a estrela da alva apareça em vossos corações” [7]. “A noite é passada, e o dia é chegado. Rejeitemos, pois, as obras das trevas, e vistamo-nos das armas da luz” [8].

Por muito tempo tem sido noite,
Com suas sombras e ruídos,
Mas logo Ele virá, aquele que é a Luz,
E a glória brilhará ao redor.

[1] Cantares de Salomão 4:6 ~ [2] Salmos 23:4 ~ [3] Romanos 8:18 ~ [4] Apocalipse 4:1 ~ [5] 2 Tessalonicenses 2:1 ~ [6] Apocalipse 21:4 ~ [7] 2 Pedro 1:19 ~ [8] Romanos 13:12