Conforto das Escrituras para a Quarta-Feira

“Tu contas as minhas vagueações; põe as minhas lágrimas no teu odre. Não estão elas no teu livro?” [1]

Muitas são as lágrimas que foram derramadas pelo povo de Deus neste mundo amaldiçoado pelo pecado e hostil: lágrimas de tristeza, lágrimas de arrependimento e remorso, lágrimas de desamparo, lágrimas de preocupação, e até mesmo, às vezes, lágrimas de alegria. E o Senhor sabe tudo sobre elas e mantém um registro de todas. A maioria de nós pode se colocar no lugar do salmista quando disse que “as minhas lágrimas servem-me de mantimento de dia e de noite, enquanto me dizem constantemente: Onde está o teu Deus?” [2] Muitos dos queridos servos de Deus, como Paulo, estão “servindo ao Senhor com toda a humildade, e com muitas lágrimas” [3], e “não cessando, noite e dia, de admoestar com lágrimas” [4]. Muitas cartas têm sido escritas pelos santos, das quais pode ser dito: “vos escrevi, com muitas lágrimas” [5], e muitos queridos filhos de Deus podem dizer, juntamente com Davi: “Já estou cansado do meu gemido, toda a noite faço nadar a minha cama; molho o meu leito com as minhas lágrimas” [6]. Deus permite essas mágoas e lágrimas por algum propósito, e Ele conta todas as nossas lágrimas. “Em toda a angústia deles ele foi angustiado… ele os remiu; e os tomou” [7], e Sua palavra a Ezequias cai como uma luva aos nossos corações: “Ouvi a tua oração, e vi as tuas lágrimas” [8]. E o tempo rapidamente se aproxima quando “Deus limpará de seus olhos toda a lágrima”[9].

O coração se quebranta, e as lágrimas fluem
Através de noites sombrias e doloridas,
Mas a bênção virá de Sua mão,
Diretamente do “Pai das luzes”.

[1] Salmos 56:8 ~ [2] Salmos 42:3 ~ [3] Atos 20:19 ~ [4] Atos 20:31 ~ [5] 2 Coríntios 2:4 ~ [6] Salmos 6:6 ~ [7] Isaías 63:9 ~ [8] 2 Reis 20:5 ~ [9] Apocalipse 21:4

Conforto das Escrituras para a Segunda-Feira

“O Senhor teu Deus, o poderoso, está no meio de ti, ele salvará; ele se deleitará em ti com alegria; calar-se-á (descansará) por seu amor, regozijar-se-á em ti com júbilo (cântico).” [1]

Esses versículos antecipam o momento glorioso em que o nosso Senhor Jesus Cristo se sentará em Jerusalém no “trono de Davi, seu pai; e reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim” [2]. Mas aquilo que será verdadeiro sobre a redimida e restaurada Israel naquele dia é também aplicável agora a nós que O conhecemos. Por nós Ele é “o poderoso”, Ele é “maravilhoso em conselho e grande (excelente) em obra” [3]. “Ele salvará”, pois “pode também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles” [4]. E “ele se deleitará em ti com alegria” [1]. Quando viemos a Ele e confiamos nEle, houve “alegria no céu por um pecador que se arrepende” [5], e agora o Senhor continua a se “deleitar em ti com alegria” [1]. Ele não é um duro capataz, pronto para nos ferir quando falhamos. Ele trata conosco em amor e graça, e “assim como um pai se compadece de seus filhos, assim o Senhor se compadece daqueles que o temem. Pois ele conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó” [6]. “As suas misericórdias não têm fim; novas são cada manhã; grande é a tua fidelidade” [7].

Ele se regozija com os Seus,
Como um que encontra grande tesouro;
Ele nos redimiu pelo Seu sangue,
Independente de nossas obras e labor.

[1] Sofonias 3:17 ~ [2] Lucas 1:32-33 ~ [3] Isaías 28:29 ~ [4] Hebreus 7:25 ~ [5] Lucas 15:7 ~ [6] Salmos 103:13-14 ~ [7] Lamentações 3:22-23

Conforto das Escrituras para o Domingo

“Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos)” [1]

Que imagem tenebrosa precede as palavras acima. Nós estávamos “mortos em ofensas e pecados” [2], e nós andávamos “segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência; entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também” [2]. Quão ignorantes e abatidos e depravados todos nós éramos, “mas Deus!”… Pois sem Sua intervenção não haveria esperança para ninguém. “Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia” [1], e por causa de “Seu muito amor… nos vivificou juntamente com Cristo” [1], “levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro” [3], de modo que agora “pela graça sois salvos” [1]. “Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores” [4]. E não apenas isso, “mas Deus” ainda intervém por nós. “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar” [5].

Perdidos, cegos, condenados e arruinados,
Nenhuma esperança nem ajuda poderiam ser encontradas,
“Mas Deus… riquíssimo em misericórdia” e graça,
Com amor ilimitado a nós veio.

Efésios 2:4-5 ~ Efésios 2:1-3 ~ 1 Pedro 2:24 ~ Romanos 5:8 ~ 1 Coríntios 10:13

Pessoa e Obra de Cristo

Alegria

“Alegrei-me quando me disseram:
Vamos á casa do SENHOR.” (Salmos 122:1)

O rei Davi alegrava-se por qualquer oportunidade em que lhe fosse permitido estar na presença do Senhor. Assim deveria ser conosco. Deveria haver alegria em nossos corações quando vamos nos encontrar com o Senhor para lembrá-Lo no partimento do pão e para adorá-Lo. Se estivermos ocupados com Seu amor por nós, Sua morte no Calvário, Sua ressurreição, e Sua volta, certamente transbordaremos em adoração ao pensar que Ele fez isso tudo por nós. Pensemos realmente em Jesus hoje enquanto nos encontramos com outros crentes em torno dEle mais uma vez.

Aqui estão mais algumas outras coisas que fizeram o coração e Davi se alegrar com alegria genuína:

“Em ti me alegrarei e exultarei” (Salmos 9:2, Almeida Revisada)

“Eu me alegrarei e regozijarei na tua benignidade” (Salmos 31:7)

A Pessoa e obra de Cristo alegra teu coração? Ele certamente alegra o coração de Deus, que pode dizer: “Este é o meu Filho amado, em quem me tenho comprazido” (2 Pedro 1:17).

Conforto das Escrituras para o Sábado

“Bem-aventurados os que não viram e creram” [1]

Nem sempre somos capazes de ver como Deus opera na vida de Seus filhos. Não conhecemos Seus desígnios nem podemos traçar Seus movimentos, “porque andamos por fé, e não por vista” [2]. E o Senhor nos diz, como disse a Pedro: “O que eu faço não o sabes tu agora, mas tu o saberás depois” [3]. Mas, em meio a todas as provas e pressões da vida, sabemos, pela fé, que “o caminho de Deus é perfeito; a palavra do Senhor é provada; é um escudo para todos os que nele confiam… Deus é o que me cinge de força e aperfeiçoa o meu caminho” [4, 5]. Se, como Asafe, devamos dizer que “todo o dia tenho sido afligido, e castigado cada manhã” [6], ainda assim Sua palavra para nós é que “eu, o Senhor teu Deus, te tomo pela tua mão direita; e te digo: Não temas, eu te ajudo” [7]. Agora “tivemos nossos pais segundo a carne, para nos corrigirem… como bem lhes parecia; mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade. E, na verdade, toda a correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela” [8]. Assim, apesar de “em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados” [9], pois “não vimos e cremos” [1].

Podemos não traçar os caminhos de Deus,
Enquanto Ele opera em nós a cada hora
Para trazer Sua imagem em nossa vida,
E para encher-nos com Seu poder.

[1] João 20:29 ~ [2] 2 Coríntios 5:7 ~ [3] João 13:7 ~ [4] Salmo 18:30 ~ [5] Salmo 18:32 ~ [6] Salmos 73:14 ~ [7] Isaías 41:13 ~ [8] Hebreus 12:9-11 ~ [9] 2 Coríntios 4:8

Conforto das Escrituras para a Sexta-Feira

“Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus” [1]

O Messias e Rei a muito tempo esperado tinha chegado a Israel, “aquele que é nascido rei dos judeus” [2]. Após Seu batismo de João, quando Deus falou do céu, declarando que “este é o meu Filho amado, em quem me comprazo” [3], e após ter sido “conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo” [4], sobre quem Ele saiu completamente vitorioso, “começou Jesus a pregar, e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus” [5]. O rei estava ali, pronto para estabelecer Seu reino. É triste dizer, mas Ele “veio para o que era seu, e os seus não o receberam” [6]. Não enquanto Ele não vier novamente, “então se assentará no trono da sua glória” [7]. Mas quando Ele anunciou que “é chegado o reino dos céus” [5], Ele também anunciou, no Sermão do Monte, a constituição e os princípios do reino. Um desses princípios é: “Bem-aventurados os pobres de espírito” [1]. Isto é sempre verdadeiro, em qualquer época, e é verdadeiro para nós hoje. “Assim diz o Alto e o Sublime, que habita na eternidade, e cujo nome é Santo: Num alto e santo lugar habito; como também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos, e para vivificar o coração dos contritos” [8]. Sempre “perto está o Senhor dos que têm o coração quebrantado, e salva os contritos de espírito” [9].

Humilde e contrito diante dEle
Nos traz sempre a bênção;
Ele se deleita quando nEle confiamos
E nEle descansamos, como Ele diz.

[1] Mateus 5:3 ~ [2] Mateus 2:2 ~ [3] Mateus 3:17 ~ [4] Mateus 4:1 ~ [5] Mateus 4:17 ~ [6] João 1:11 ~ [7] Mateus 25:31 ~ [8] Isaías 57:15 ~ [9] Salmo 34:18

Conforto das Escrituras para a Quarta-Feira

“Como pode o homem ser justo para com Deus?” [1]

Sem a obra substitutiva de Cristo na cruz e a resultante mensagem do evangelho de “que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras; que foi sepultado; que foi ressuscitado ao terceiro dia, segundo as Escrituras” [2], não haveria resposta para a pergunta de Jó em nosso versículo, “pois não há homem justo sobre a terra, que faça o bem, e nunca peque” [3], e o homem não pode justificar-se a si mesmo por suas obras ou por sua religião, “porquanto pelas obras da lei nenhum homem será justificado diante dele; pois o que vem pela lei é o pleno conhecimento do pecado” [4]. Então, “como pode o homem ser justo para com Deus?” [1] A Palavra de Deus responde a esta questão. “Sem lei, tem-se manifestado a justiça de Deus, que é atestada pela lei e pelos profetas; isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos os que creem; pois não há distinção. Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; sendo justificados gratuitamente pela sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus propôs como propiciação, pela fé, no seu sangue… para que ele seja justo e também justificador daquele que tem fé em Jesus” [4]. “Como pode o homem ser justo para com Deus?” [1] “E de todas as coisas… por ele é justificado todo o que crê” [5].

Justificado pelo sangue do Salvador,
Nenhuma acusação contra mim ficará;
Ele me levará seguro por essa vida,
Até o lar, à cidade do Emanuel.

[1] Jó 9: 2 ~ [2] 1 Coríntios 15: 3-4 ~ [3] Eclesiastes 7:20 ~ [4] Romanos 3: 20-26 ~ [5] Atos 13:39

Conforto das Escrituras para a Terça-Feira

“Em tudo te dá por exemplo de boas obras; na doutrina mostra incorrupção, gravidade, sinceridade” [1]

Nós que somos salvos pela graça de Deus “somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas” [2]. Deus deseja “que os que creem em Deus procurem aplicar-se às boas obras; estas coisas são boas e proveitosas aos homens” [3], pois apenas por meio de nossa vida mudada, manifesta ao darmos “exemplo de boas obras”, os homens podem ver a evidência de nossa fé em Cristo. Assim a vida diária do crente, seja em casa, na sociedade, nos negócios, ou no ministério, é de extrema importância diante de Deus e diante dos homens, e deve ser caracterizada pela “linguagem sã e irrepreensível, para que o adversário se envergonhe, não tendo nenhum mal que dizer de nós” [4]. Assim obedecemos as palavras de nosso Senhor ao “resplandecer a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus” [5]. “O amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou” [6]. “Seja sobre nós a formosura do Senhor nosso Deus” [7].

Nossas obras em vida falam de nosso coração,
E do que realmente habita nele,
Se vivemos nossa vida para Ele,
Ou para nós mesmos e para o pecado.

[1] Tito 2:7 ~ [2] Efésios 2:10 ~ [3] Tito 3:8 ~ [4] Tito 2:8 ~ [5] Mateus 5:16 ~ [6] 2 Coríntios 5:14-15 ~ [7] Salmo 90:17

Conforto das Escrituras para a Segunda-Feira

“Escondi a tua palavra no meu coração, para não pecar contra ti” [1]

A Palavra escondida no coração, acumulada e reservada ali, para ser trazida e utilizada como “a espada do Espírito, que é a palavra de Deus” [2], não apenas opera em nós para “eu não pecar contra” Deus, mas também nos torna gratos ao Senhor, como o contexto de nosso versículo mostra: “Bendito és tu, ó Senhor; ensina-me os teus estatutos” [3]. E com nosso louvor e ação de graças a Ele, vem o desejo de conhecer mais sobre Sua Palavra, e assim mais sobre Ele próprio, pois nosso Senhor disse: “as Escrituras… são elas que de mim testificam” [4]. A Palavra escondida “no meu coração” nos encoraja a falar dela e dEle para os outros, pois o salmista continua e diz que “com os meus lábios declarei todos os juízos da tua boca” [5], e assim “não te envergonhes do testemunho de nosso Senhor… antes participa das aflições do evangelho segundo o poder de Deus” [6]. Além disso, a Palavra guardada no coração traz alegria, pois “regozijo-me no caminho dos teus testemunhos, tanto como em todas as riquezas” [7]. E com essa alegria e deleite vem um desejo e uma determinação renovada de ter mais da “tua palavra [escondida] no meu coração” [1], visto na declaração do salmista: “Deleitar-me-ei nos teus estatutos; não me esquecerei da tua palavra” [8].

“Tua palavra escondi em meu coração”,
Para que minha vida possa mostrar Teu louvor,
Para que Cristo possa ser honrado e visto
Por todos os meus dias na terra.

[1] Salmo 119:11 ~ [2] Efésios 6:17 ~ [3] Salmos 119:12 ~ [4] João 5:39 ~ [5] Salmos 119:13 ~ [6] 2 Timóteo 1:8 ~ [7] Salmos 119:14 ~ [8] Salmo 119:16

Conforto das Escrituras para o Domingo

“Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação.” [1]

“A figueira… a vide… a oliveira… os campos… as ovelhas… o gado” representam todos os bens naturais de um povo agrícola, entre os quais Habacuque profetizou. Se todas as coisas às quais dependemos falhar, “todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação” [1], e “aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas?” [2]. Podemos confiantemente pedir a Ele, em tempos de angústia e necessidade: “Guia-me na tua verdade, e ensina-me, pois tu és o Deus da minha salvação; por ti estou esperando todo o dia” [3]. “Ajuda-nos, ó Deus da nossa salvação, pela glória do teu nome” [4]. “Eis que os olhos do Senhor estão sobre os que o temem, sobre os que esperam na sua misericórdia; para lhes livrar as almas da morte, e para os conservar vivos na fome. A nossa alma espera no Senhor; ele é o nosso auxílio e o nosso escudo” [5]. “Se Deus é por nós, quem será contra nós?” [6].

Mesmo que toda fonte terrena falhe,
E não haja ninguém para ajudar,
Ainda assim o Senhor cuidará dos Seus,
Por quem o preço foi pago.

[1] Habacuque 3:17-18 ~ [2] Romanos 8:32 ~ [3] Salmos 25:5 ~ [4] Salmos 79:9 ~ [5] Salmos 33:18-20 ~ [6] Romanos 8:31